50 por cento dos doentes com insuficiência cardíaca não sobrevive 5 anos após o diagnóstico. Autor: Dr. Nuno Lousada.

A insuficiência cardíaca é uma doença debilitante e potencialmente fatal, em que o coração não consegue bombear o sangue suficiente para todo o corpo. Cinco anos é a esperança de vida, para 50% dos doentes com insuficiência cardíaca após o seu diagnóstico.

Esta doença, que afeta cerca de 400 mil portugueses, ocorre muitas vezes devido a lesão do músculo cardíaco, o que pode acontecer após um ataque cardíaco ou outra doença que afete o coração, ou devido a uma lesão continuada e mais gradual, como acontece na diabetes, hipertensão, doença arterial coronária, colesterol elevado, consumo excessivo de álcool ou abuso de drogas.

Os sintomas como cansaço, dificuldade em respirar (dispneia), fadiga e retenção de líquidos podem surgir de forma súbita ou lentamente e agravar-se ao longo do tempo, com um impacto significativo na qualidade de vida. Estima-se que 1 em cada 4 pessoas espera mais de uma semana para procurar ajuda médica, ou nem sequer a procura, quando tem sintomas de insuficiência cardíaca.

O risco de desenvolver insuficiência cardíaca aumenta com a idade e, em geral, tem tendência a ser mais frequente nos homens do que nas mulheres. Cerca de 1 em 5 pessoas (20%) irá desenvolver insuficiência cardíaca nalguma altura das suas vidas.

Para aumentar o reconhecimento e conhecimento público dos sintomas da insuficiência cardíaca, e ajudar todos aqueles que vivem com esta condição a viver mais e melhor, a Fundação Portuguesa de Cardiologia esta a promover a campanha ‘Cuide da sua máquina’.

Dr. NunoLousadaAutor: Dr. Nuno Lousada, cardiologista e administrador da Fundação Portuguesa de Cardiologia

LEIA TAMBÉM

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

Deixar de fumar é possível com ajuda médica. Autora: Sandra Saleiro

Atualmente, quase dois milhões de portugueses continuam a fumar. Segundo dados da Organização Mundial de …