A crueldade humana sobre uma cadela indefesa

 

O sol estava a brilhar nessa madrugada da Primavera. Decidi ir conhecer a zona que, desde a minha mudança há três semanas, já posso chamar ‘a minha terra’.

Guiado pelo vento, seguia um caminho na floresta desolada entre Lourosa e Vila Pouca da Beira, até chegar a uma ribeira. Lá, na margem da ribeira pacífica, encontrei-a: a heroína desta história. A cadela de cor veado, com os olhos de uma foca. Magra como as vítimas na Somália. Tremendo. Cheia de medo e de dor. Agarrada com arame no pescoço a um pinheiro.

“O que fazer, o que fazer”, pensei em desespero. “Não tenho a experiência, nem os meios para ajudar neste momento”. “Preciso da única pessoa com as capacidades adequadas neste situação: o meu amigo Paulo Marques, o curador do museu em Oliveira do Hospital”. “O rei dos cães”.

Operação salvamento

O Paulo apareceu logo depois de eu ter voltado à civilização. Seguíamos as setas que eu deixei no labirinto pela floresta, até chegar à cena do crime. Já começava a anoitecer. Depois da análise da situação, o Paulo fez questão de estabelecer uma ligação entre ele e a vítima. A lei da cautela foi cumprida: a trela e o cobertor foram aplicados, enquanto a nossa cadela nem piscava as pestanas.

“Credo, a coitada deve estar exausta da luta pela vida”. Esta luta dura e longa. Os vestígios à volta dela contaram a história de duas semanas de noites frias e de dias sem fim. Dentadas nas árvores, pegadas na lama e o pescoço… com cortes profundíssimos.

O realizador deste filme de horror deixou o arame suficientemente comprido para a cadela não morrer de sede, condenando-a, assim, a uma morte lentíssima. “Por o facto de ela estar presa num sítio tão afastado de tudo e de todos, podemos concluir que isto é um caso de um crime deliberado”. “A armadilha de um javali não faz sentido aqui”, disse o Paulo.

“Quem seria capaz de fazer uma coisa assim tão cruel?”. “Só um cobarde”. “Alguém sem alma, nem coração no peito”, pensei. “Como consegues NÃO perder a confiança no ser humano, Paulo?”, perguntei. “Porque eu sei que 90% das pessoas são pessoas boas!”, disse ele…

Epílogo

A cadela suportou uma operação em anestesia geral na clínica veterinária em Oliveira de Hospital e está a recuperar fisicamente. Apesar do acontecimento horrível, ela já esta a começar a aceitar a confiança das pessoas à sua volta. Foram informadas duas organizações de direitos animais: a Associação “ANIMAL” e a “Action Against Poisening”.

A seguir gostaríamos de saber se alguém reconhece esta cadela. Além disso, precisávamos de encontrar um lugar seguro e certo para ela ter uma segunda oportunidade numa vida com valor.

Por favor contacte este jornal, através do número 238086546 ou pelo e-mai [email protected]

Bernardus Vroom* [email protected]

* Cidadão holandês, radicado no concelho de Oliveira do Hospital.

LEIA TAMBÉM

CDU reclama transporte público até Ervedal da Beira e acusa Câmara de se esquecer de obras importantes

Os elementos da CDU representados na União das Freguesias de Ervedal da Beira e Vila Franca …

Tábua inaugurou posto de carregamento de veículos eléctricos

A Câmara Municipal de Tábua inaugurou hoje o Posto de Carregamento de Veículos Eléctricos. O …