O Magalhães chegou à escola. O acesso às novas tecnologias é cada vez mais importante. O computador é utilizado como meio de trabalho e de diversão. O recurso ao computador aparece...

A Escola e o Magalhães

… cada vez mais, como uma importante ferramenta de trabalho e, mesmo, de aprendizagem. Mas, o acesso aos computadores nem sempre é visto de forma tranquila. Diz-se que a agressividade e os comportamentos de risco estão a aumentar na população escolar. Diz-se que temos, cada vez mais, crianças em perigo. Perante situações complexas e de extremo sofrimento todos tentam encontrar um “responsável”. Mas, será legítimo responsabilizar os computadores, a televisão, o cinema, a música, etc? Parece-me, sinceramente, que não.

Quando ouço, estas e outras, questões, vindas de pais preocupados, não posso deixar de pensar nelas. E, quanto mais reflicto, mais tenho a certeza de que, não me preocupa a globalização do acesso às novas tecnologias.

Preocupam-me, sim, os pais que julgam que um computador poderá vir a ter mais influência na vida dos seus filhos do que eles próprios.

Preocupam-me aquelas crianças que, em vez de utilizar o computador como um meio de interacção com pais e/ou amigos, têm o computador como melhor amigo. Preocupam-me os pais que o permitem. Estou certa de que, se o computador, a playstation ou, agora, o Magalhães forem utilizados por pais e filhos, em conjunto, serão promotores de desenvolvimento mais do que de sofrimento.

Preocupa-me a falta de condições das nossas escolas – salas sobrelotadas, recreios sem condições. E, preocupa-me muito, o acesso a professores que parecem sempre insatisfeitos com a vida e com a sua escolha profissional e que, por isso mesmo, não ensinam, com qualidade, as nossas crianças.

Será imprescindível o recurso às novas tecnologias – e ao Magalhães – para o bom desenvolvimento e sucesso educativo dos alunos? Certamente que não. Mas, também me parece que o Magalhães não será um factor de risco para o desenvolvimento das crianças. Aliás, o acesso a qualquer meio de comunicação ou tecnologia, em qualquer população ou idade, é promotor de desenvolvimento, sempre que sob supervisão consistente de um adulto.

Assim, quer crianças, quer adolescentes, deverão ter acesso ao computador num “espaço comum”, onde o adulto, facilmente, possa supervisionar os conteúdos a que estão a aceder. Não quero com isto dizer que, as crianças e os adolescentes, não têm direito a ter privacidade e que os pais e professores podem “bisbilhotar” toda a sua vida. No entanto, cabe aos pais e/ou professores garantir a restrição do acesso a conteúdos desadequados para a idade.

Corroboro a preocupação da comunidade com o saudável desenvolvimento das nossas crianças, defendo a supervisão do acesso a conteúdos desadequados para menores e, parece-me, sinceramente, que a preocupação não se deve centrar no Magalhães mas, sim, nos inúmeros factores de risco a que, diariamente, as crianças estão sujeitas, protagonizados, tantas vezes, por aqueles que as rodeiam.

Carolina Veiga
Psicóloga
[email protected]

LEIA TAMBÉM

E porque digo eu que o Futebol Clube do Porto é a equipa de futebol mais próxima de jogar como faz o Real Madrid? Autor: João Dinis

Tipo “declaração de interesses”, digo que sou Benfiquista desde que me conheço (tenho 64 anos) …

VIV´Á REPÚBLICA ! Autor: João Dinis

Viv´ó 5 de Outubro, Dia da República !  Viv´ó Feriado do 5 de Outubro que …