António Lopes

A governação do “Nada”. Autor: António Lopes

Na última Assembleia Municipal, no meio do desespero cada vez mais visível, assisti, pateticamente, ao elogio do “Nada”. Um episódio que me fez recordar o Padre António Vieira.

Nos idos anos de 1670, semi-exilado em Roma, o padre António Vieira, perseguido e ostracizado quer pelos seus compatriotas quer pelos esbirros do Rei de Espanha, cumpriu um desterro de sete anos em Coimbra e permaneceu cerca de seis anos sob protecção dos Papas Clemente IX e Clemente X em Roma. Deste último Papa conseguiu mesmo um “breve” que lhe permitia circular, livremente, por todo o Mundo Católico sem qualquer restrição a não ser do próprio Papa.

Ao tempo, era costume na Semana Santa, na cúria Romana, haver um discurso dos principais oradores da cristandade. Aos mesmos era dado um tema que, depositado no púlpito, o orador tinha que desenvolver, sem qualquer conhecimento prévio. A António Vieira, e com o objectivo de o apoucar, deixaram-lhe um folha em branco!

Chegado ao púlpito o Padre António Vieira, deparou-se com a insólita situação. Senhor de uma cultura e imaginação reconhecidas por todos, Vieira, expondo e mostrando, aos presentes a alva folha, virando-a e revirando, para que dúvidas não restassem, pousou a mesma na tribuna e exclamou: ” O Nada”: “Do nada criou Deus o Céu e a Terra. Do nada criou o sol e as estrelas. Do nada criou as serras e os rios. Do nada criou as árvores as aves “… E por aí a fora. Teve “nadas” para o tempo todo. Em boa verdade, não lhe poderia ter sido atribuído melhor tema:”Nada”.

Na última Assembleia, dizia eu, ocorreu-me esta histórica passagem. O partido que nos (des)governa, apresentou a situação financeira da Câmara como não tendo dívidas a empreiteiros e 2990,30 euros a fornecedores..! Estou capaz de garantir que qualquer café, quiosque ou mercearia, terá um saldo devedor maior. E mal irá se o não tiver. Sinal que não faz negócio. E foi isso que nós próprios contrapusemos. Uma Câmara que tendo um prazo legal de 44 dias úteis para pagar as suas dívidas, não tem, neste espaço temporal qualquer dívida, só pode estar parada!

Acto contínuo vem um outro eleito enaltecer a Câmara porque houve quatro empresas excelência PME no nosso Concelho. Perguntei: mas eu tenho cá algumas e todas estão menos bem. A culpa é do Senhor Presidente da Câmara? Parece-me que não! Vem um outro eleito enaltecer o trabalho da Câmara porque tivemos quinze mil dormidas em 2015. Feitas rapidamente as contas concluí-mos que, isso dá uma média de 43 dormidas dia. Depois de enumerados tantos sucessos com tantos hotéis abertos e a abrir, que o dito orador citou, tivemos que lhe dizer que, se as dormidas foram só aquelas (pensamos que foram bem mais) então, os hoteleiros deviam estar a “coçar” a cabeça.

Sobre o “crime” que está a acontecer na Fundação Cabral Metello, não quis o Senhor Presidente da Câmara pronunciar-se. Quando voltámos ao tema, lá foi dizendo que não queria manchar o bom nome do presidente da instituição, presidente esse que, a meu ver, afastou todas as pessoas válidas da administração e tem feito tudo menos administrar tão valioso património, seja do ponto de vista monetário, seja do ponto de vista cultural.

Sobre as recomendações da CADA, aos atropelos à democracia, neste Concelho, nem sequer a mesa deu conta, nem queria falar. Do que se tratou nesta Assembleia Municipal, foi do elogio do “Nada”. Nada de dívidas. Nada de obras. Nada de defesa do património. Nada de defesa da cultura. Nada de defesa da democracia.

É a governação do “Nada”

 

António LopesAutor: António Lopes

LEIA TAMBÉM

Luís Martins Almeida é o candidato da CDU à Câmara de Oliveira do Hospital

A CDU vai apresentar como candidato à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital Luís Martins …

Governo promete em Oliveira do Hospital que “vai mesmo avançar” com cadastro florestal e investir nos sapadores

O primeiro-ministro, António Costa, prometeu hoje em Oliveira do Hospital que o Governo “vai mesmo avançar” …

  • Guerra Junqueiro

    Não ouviu que este ano a “Festa” do queijo vai ser mais cara do que a do ano passado? Não sabemos quanto custou a do ano passado, nem a do ano anterior, enfim, desde que saiu o Paulo Rocha e o Mário Alves nunca mais soubemos NADA de NADA.
    Também NADA ficámos a saber da BLC3, nem da Biorefina-ter, nem do Paulo Campos nem NADA.
    Enfim, houve as cheias que foi dando para preencher a tarde com louvores, e ainda bem, porque quem bem NADA não se afoga.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • António Lopes

    O que eu fiquei a saber é que devia ir para outro Concelho..! Ora há quinze anos que sou autarca.Primeiro como presidente da Assembleia de Freguesia de Vila Franca,Depois na Assembleia Municipal pela CDU.Mais tarde, convidado pelo PS eleito duas vezes.Nunca residi no Concelho.No início vinha de propósito da Madeira para as Assembleias de Freguesia.Depois de Lisboa onde residi uns 4 anos.Desde 2007 que resido na Covilhã.Privando amiúde com o Sr.Eng Carlos Maia será que ele nunca se apercebeu que eu não resido cá? De facto este Concelho, Oliveira(estou na cidade da Praia), não é o meu..! De facto acredito que o Sr.Eng.Carlos Maia e todos os que manifestaram algum azedume comigo, nesta AM, e não só,se sintam muito bem neste Concelho e, eu, me sinta mal.Como é que não se vai sentir bem quem servindo-se do poder emprega as filhas, como o Sr.Presidente da Câmara? Como é que não se vai sentir bem quem emprega a companheira ou namorada, no local que melhor lhe convém? Como se vai sentir mal quem sendo despedido do emprego por motivos menos recomendáveis se guinda a um bom emprego e um bom lugar de autarca? Como é que se vai sentir mal quem acabando a universidade sem acabar o curso aparece dias depois com emprego fixo e definitivo com 900 euros, ficando os que acabaram o curso, com 23 e 24 anos, com altas médias a limpar as folhas nas ruas por 500? Claro que se sentem bem.Claro que os incomodo,claro que acham que não faço nada.Melhor acham que os atrapalho..! Eu bem me esforço para que seja muito.Definitivamente, o seu Concelho, o vosso Concelho não é o meu.Fui de Cabo Verde à minha custa para ir à Assembleia.Ao Concelho só sirvo e apoio.Do Concelho nunca quis nem tenho nada.
    Como é que ainda ontem merecia estátuas e “era uma força da natureza com o coração do tamanho de 21 freguesias” e hoje virei persona non grata..? Não como nem deixo..? Deixar deixo.Não tenho outro remédio….A vergonha é tão pouca que se transformou a Assembleia Municipal num escárnio, e o Concelho num couto privado ao serviço de meia dúzia.Claro que esses se sentem bem..! Isto não é mau para todos..!Mais de metade da Comissão política está instalada.Uma boa parte eu gostava de saber a fazer o quê.E foi por isso que bati com a porta e é por isso que não podem comigo. Eles gozam,o Povo paga.Aumentou-se a água de forma vergonhosa, gasta-se mais na festa do queijo que no apoio ao ensino superior ou na natalidade, em todo o Concelho.Somos dos poucos por aqui, a pagar taxa de IRS pagamos o IMI mais alto da região.E dizem-se um exemplo e ao serviço do Povo..! De qual Povo..?.Naturalmente, não gostam de mim.Preocupado ficava era se gostassem. Que defendam os seus interesses e os dos seus até percebo.Que gabem o que não presta, no contexto, até percebo.Que eu me cale, é que, mais devagar…Vir louvar por não deverem nada, isto é, por não fazer obra, só mesmo esta gente..!

    • (In) Cúria

      Sr António Lopes:
      – Permita-me que, em vez de citações válidas (e validadas nesse percurso a que chamamos História, pelo menos para alguns…) procure, em documentos mais recentes, nomeadamente naqueles que à cúria romana, e ao seu funcionamento – naturalmente que me refiro ao vaticano – dizem respeito.
      Assim, e quando puder, “passe os olhos”, mesmo que “de raspão”, por uma obra recente, de seu título , de (lisonjeira) tradução em Língua Portuguesa, “O Vaticano Contra Cristo”.
      Caso esteja interessado -e acaso não conheça esta obra -, facilmente a encontrará numa boa livraria, ou, por aqui, neste ” selvagem mundo” da internete.
      Se me atrevo a tal sugestão, repare, é porque, nela, se denunciam todos os mecanismos de selecção, de castigo, de ostracização, de perseguição, de má-língua, de “bufismo”, de inquirição, de “inquisição”, de corrupção e promoção vigentes naquela instituição, ao mais alto nível, nos últimos 40 anos…
      Acrescento, ainda, para o sensibilizar, que foi escrito por altos membros …dessa mesma cúria, instituição, durante mais de trinta anos…
      Convém contudo, que, na sua leitura, tenha outros manuais a seu lado:
      – De “Máfia”, de “Maçonaria”, de “Opus Dei”…
      E compare, depois…
      Facilmente concluirá que está, de facto, a lidar ,por aqui, com “meninos de côro”. mal instruídos…e que nada mais fazem do que “imitações”, mal amanhadas.
      Cumprimentos.

      • António Lopes

        Penso conhecer razoavelmente a igreja católica.Para o bem e para o mal a igreja é inesgotável.Sendo que o mal, a maior parte das vezes, o foi em nome dela, por pessoas sem escrúpulos.Mais ou menos como estes que se servem e enchem a boca com democracia.Desde que nomeou cardeais aos 14 anos cuja cerimónia acabava num bacanal, a Papas que tinham bordeis, a igreja teve de tudo.A Célebre Marósia foi amante foi mãe foi avó foi tia Avó de papas.Ao todo houve nove Papas dela descendentes ou dela dependentes…Contudo também teve o que de melhor a humanidade conheceu.Sem ela duvido que o conhecimento fosse aquilo que é.Para o bem e para o mal, não comparo esta gente com nenhum deles, pois,seria ofensa grave.Sabe, para se ser mau também é preciso algum talento.

        • (In) Cúria

          Sem querer entrar do domínio da fé, ou da maldade, apenas pretendia chamar a atenção para os MÉTODOS empregues – e, na referida obra, devidamente , documentados – utilizados na cúria romana e que, de forma exemplar, servem de escola a muitos outros aprendizes…
          De facto, razão tinha alguém que disse, há muito tempo , que, em Portugal, se tinha iniciado um processo de italianização da vida pública, política e financeira…
          Os métodos, para tal, são os mesmos…à devida escala.
          Apenas se trata de uma constatação.
          Cumprimentos

          • António Lopes

            Se já está tudo descoberto é só copiar e perder os escrúpulos…
            Quando não há engenho e arte para vencer na vida, pelas vias normais e decentes, tem que se ganha-la de alguma maneira..! Nem que seja com uma arranca pregos ou “pé de cabra” a arrombar portas. Agora, descobriram esta forma mais fácil e “respeitada”. Inscrição em alguns partidos, uma bandeira ao ombro, sim senhor estou aqui… Depois, o que é preciso é facturar o apoio.Entrando no sistema, até se ganha dinheiro e excelência..! Como dizia o Aleixo, a troco da consciência..!

          • Aleixandríssimo

            Porque o povo diz verdades,

            Tremem de medo os tiranos,

            Pressentindo a derrocada

            Da grande prisão sem grades

            Onde há já milhares de anos

            A razão vive enjaulada.

            Vem perto o fim do capricho

            Dessa nobreza postiça,

            Irmã gémea da preguiça,

            Mais asquerosa que o lixo.

            Já o escravo se convence

            A lutar por sua prol

            Já sabe que lhe pertence

            No mundo um lugar ao sol.

            Do céu não se quer lembrar,

            Já não se deixa roubar,

            Por medo ao tal satanás,

            Já não adora bonecos

            Que, se os fazem em canecos,

            Nem dão estrume capaz.

            Mostra-lhe o saber moderno

            Que levou a vida inteira

            Preso àquela ratoeira

            Que há entre o céu e o inferno.

            António Aleixo, in “Este Livro que Vos Deixo…”

          • Guerra Junqueiro

            O que falta a esta gente, é passar no teste “Duos habet et bene pendentes”, como fazem aos Papas antes do fumo branco, para não voltar a aparecer uma Papisa Joana no Vaticano.
            Por cá, é só “papisas” e grávidas, mas vão parir breve.

            Cumprimentos
            Guerra Junqueiro