A “LAVANDARIA” A FUNCIONAR… Autor: João Dinis, Jano

Como era de esperar – e até parece que a própria morte esperou – está a funcionar uma gigantesca e massacrante “lavandaria” em torno do personagem Mário Soares, a pretexto da sua morte e do seu funeral, tendo em vista o lançamento de uma espécie de “culto de personalidade”, numa edição agora “post mortem”.

Da minha parte, assumo que tenho sobre o personagem uma muito má avaliação enquanto político-governante -1º ministro, mas assumo também que não posso negar que ele, “globalmente considerado”, é um dos mais influentes políticos e cidadãos dos últimos 100 anos da nossa história colectiva. Confesso até que fiquei triste com a sua agonia e o seu desaparecimento. Ao fim e ao cabo, desapareceu, do dia-a-dia, uma cara conhecida, e reconhecidamente empática, a que estávamos habituados. Mário Soares mexeu muito connosco.

Note-se que eu até votei nele uma vez – Presidenciais 1986 – embora para derrotar a candidatura adversária de Freitas do Amaral e da ultra-direita.

Também acho que, apesar de se confundirem, Mário Soares não é o PS nem o PS se esgotou em Mário Soares como também ficou provado em 1981 – quando Mário Soares “enjeitou” temporariamente o PS para combater a recandidatura de Ramalho Eanes às Presidenciais desse ano – e em 2006 quando Manuel Alegre, concorrendo “por fora” do PS, ficou à frente de Mário Soares que era o candidato oficial do PS ( de Sócrates) às Presidenciais desse ano, em que o PS e seus principais responsáveis, com as suas desavenças internas e as más opções, na prática “conseguiram” fazer eleger Cavaco Silva – o candidato da direita – Presidente da República e logo na primeira volta dessas mesmas eleições…

Lembro que Mário Soares foi íntimo amigo, e até foi sócio empresarial, de um tal Frank Carlucci, este um famigerado conspirador, primeiro agente e mais tarde director da CIA, e também “embaixador” dos EUA no Chile por altura do golpe fascista de Pinochet contra Salvador Allende e a democracia chilena (1973) e, logo a seguir, “embaixador” dos EUA em Portugal, a partir de 1974, expressamente para combater – dentro de Portugal – a Revolução Portuguesa então em curso. Sim, é Carlucci, através da Embaixada dos EUA em Lisboa, que organiza e dirige, de facto, a “ponta-de-lança” da contra-revolução em Portugal e que, nessa época, protege e apoia os principais “conspiradores” de nacionalidade portuguesa de entre os quais o seu “amigo do peito” Mário Soares. Aliás, Mário Soares não hesita, alguns anos depois, em assumir uma amizade “do peito” também com Otelo Saraiva de Carvalho, muito especialmente até quando este é julgado e condenado por comprovado envolvimento nas tristemente célebres ” FP – 25 de Abril” que, comprovadamente também, praticaram, no nosso País, aquilo que se designa como “crimes de sangue” através de vários atentados…

“Contos Proibidos – Memórias de um PS desconhecido”

Um outro alto dirigente do PS, Rui Mateus, – chegou a ser o seu “tesoureiro” – fez sair dois interessantes livros sob o título, “Contos Proibidos – memórias de um PS desconhecido”, em que dá testemunho das inconfessas relações políticas e financeiras do PS, e em especial de Mário Soares, com outros partidos e outras organizações estrangeiras.

Se a justiça neste nosso País funcionasse como deveria, depois desses escritos, (e apesar de Rui Mateus ter saído de Portugal em 1986), teria de haver processos de investigação judicial, teria de haver julgamentos e, depois, ou ficaria preso na cadeia, o autor desses livros – Rui Mateus – nomeadamente por difamação grave – ou ficaria preso Mário Soares por crimes “civis” vários que, alegadamente, são descritos nos citados livros. Hoje, quem quiser pode ir à NET e “descarregar” esses livros caso os queira ler…

MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS?!  JÁ AGORA…

Cá para mim, não é nada “inocente” esta paragem demorada da urna com o corpo de Mário Soares, no Mosteiro dos Jerónimos, desde hoje, 9 de Janeiro, data em que escrevo este artigo, até amanhã, antes da subida da urna até ao Cemitério dos Prazeres (Lisboa)…

Com a bem oleada máquina oficial e oficiosa de propaganda a funcionar em torno do tal “culto de personalidade”, “cheira-me” que já querem criar um grande “ambiente” para justificar a futura-próxima transladação dos restos mortais de Mário Soares para…o Mosteiro dos Jerónimos…

Era só o que me (nos) faltava!

Pessoalmente, afirmo, sem hesitar, que Mário Soares não merece ir para os Jerónimos. Além do mais, com a sua acção prática enquanto Primeiro-Ministro deu-me(nos) cabo da vida nessa altura e, por exemplo, até comprometeu a Soberania e a Independência Nacionais, mais tarde, como Presidente da República, com a assinatura (no Mosteiro dos Jerónimos…) da adesão de Portugal à então CEE, acto em que fez uma elucidativa “dupla” com Cavaco Silva, o Primeiro-Ministro à época…

Ou seja, caso queiram “impor” a transladação dos restos mortais de Mário Soares para o Mosteiro dos Jerónimos, depois, vão impedir-me, a mim, de ir aos Jerónimos… Dito de outra forma, uma decisão desse tipo tem que respeitar um criterioso e amplo consenso nacional e não vejo que isso seja – participada e democraticamente – possível.

janoentrev1Autor: João Dinis, Jano

LEIA TAMBÉM

CDU apresenta queixa na CNE contra executivo e autarcas do PS oliveirenses por aproveitamento “eleitoralista, ilegítimos e antidemocráticos”

Depois do PSD, a CDU de Oliveira do Hospital enviou também uma queixa à Comissão …

CNE adverte Câmara Municipal de Tábua para que tenha em conta a lei dos deveres de publicitação de informações

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) recomendou ao presidente da Câmara Municipal de Tábua que …

  • António Lopes

    Razão tens, camarada.Mas podias dar uns dias.Olha sabes o que te digo,o que dá é dizer mal dos Comunistas ou como dizia a velhinha : “Que Deus nos livre dos Comunistas”..!Como acabas de constatar..! O António Tereso foi sepultado ontem.A esse não lhe davam escolhas.Nem sei se algum jornal ou televisão falou nele.Mas foi só, o homem que fugiu da prisão de Caxias, em 61, com mais sete camaradas, no Blindado de Salazar..!

  • joão dinis, jano

    João Dinis, Jano

    Sem outro comentário… Afinal houve mais Gente no “desfile” por ocasião do funeral de Eusébio do que agora, no funeral de Mário Soares e apesar de toda a “lavandaria”…

    João Dinis, Jano