A neurociência ao serviço da aprendizagem

… encontrados, por exemplo, em múltiplos locais da Europa, parecem constituir um indício de que o interesse do Homem pela compreensão do cérebro (leia-se, pela compreensão do “eu” mais profundo…) o acompanha desde as suas mais recônditas origens.

Ao longo das últimas décadas têm sido verdadeiramente surpreendentes os avanços verificados neste domínio, destacando-se os trabalhos de vários neurologistas, como sejam, apenas a título meramente exemplificativo, António Damásio ou a sua esposa Hanna Damásio. As implicações dessas recém-descobertas começam agora a chegar, paulatinamente, ao domínio da Educação.

De um modo simplificado, imagine- -se o alcance de conclusões deste género: a consciência começa por ser um sentimento; as emoções desempenham um papel fundamental no processo de tomada de decisões e na própria regulação homeostática; o “cérebro” não cristaliza e à medida que aprendemos ele parece reajustar-se.

Outras duas conclusões de um estudo dinamizado pelo português Paulo Ventura, em articulação com investigadores internacionais, seguem nesta mesma linha: “Aprender a ler, mesmo na idade adulta, é uma experiência tão importante para o cérebro que este concentra todas as suas forças neste acto e muda para conseguir realizar esta actividade. […] O que acontece é que quando se aprende a ler existe uma reciclagem neuronal: o cérebro aproveita as áreas que realizam funções semelhantes à leitura para poder ler” (Cf. http://brissoslino.wordpress.com/2010/11/12/aprender-a-ler-muda-o-cerebro/). Consequentemente, um estímulo a valer e quase tudo pode acontecer…

É na linha do que temos vindo a escrever que a neurociência, aqui entendida enquanto estudo científico do cérebro e do sistema nervoso, pode desempenhar um papel importante, sendo a este propósito inevitável falar da mais recente obra do investigador Rafael Silva Pereira – Programa de Neurociência: Intervenção em Leitura e Escrita.

Se existem mesmo livros que não temos o direito de guardar só para nós, este é, em nosso entender, um deles. E é, afinal, este desejo de partilha que motiva este breve artigo.

A referida obra, que complementa o anterior Programa de Intervenção e Reeducação em Dislexia e Disortografia, constitui, segundo a nossa perspectiva, uma das poderosas ferramentas de auxílio para todos aqueles que, diariamente, têm a nobre, mas extenuante, missão de ajudar a ler e escrever todas as crianças, mas, sobretudo, aquelas que registam dificuldades de aprendizagem.

O trabalho dado à estampa em 2011 começa por apresentar, em traços gerais, uma fundamentação teórica, que procura assim introduzir o leitor menos familiarizado nestas temáticas.

Depois, o professor/investigador propõe um conjunto de exercícios lúdicos que “comprovadamente ajudam o aluno a melhorar a sua capacidade de memória, atenção, linguagem, raciocínio lógico e visão espacial” (Cf. Rafael Silva Pereira, 2011, p. 9). Por fim, são apresentados exercícios que enformam um programa de desenvolvimento da consciência fonológica (engloba todos os níveis de consciência da estrutura sonora das palavras), através da exploração da “motricidade fina” e da estimulação multisensorial.

Pena é, na nossa opinião, que o autor não tenha optado por direccionar o seu programa para um grupo etário específico, pois talvez assim conseguisse maximizar os efeitos da intervenção. Como refere a neurocientista Sally Shaywitz: “o que funciona melhor para uma criança de 6 anos de idade não irá ser a abordagem mais útil para um sujeito de 16 anos” (Cf. Vencer a dislexia: Como dar resposta às perturbações da leitura em qualquer fase da vida, 1.ª edição, 2008, Porto, Porto Editora, p. 189).

Num mundo em que os ponteiros do relógio parecem avançar a um ritmo alucinante, em que quase tudo se decide à velocidade da luz, é verdadeiramente dramático ver o sacrifício que uma criança disléxica, com uma inteligência (pelo menos) média, sublinhe-se, faz para conseguir, quando consegue, alinhavar uma palavra ou “simplesmente” lê-la. E, recorde-se, ao contrário do que durante muito tempo se pensou, a dislexia (cujo diagnóstico é de natureza clínica) existe mesmo, tem na sua raiz um factor neurobiológico, não se resolve com a simples passagem dos anos e tem consequências em todo o processo de desenvolvimento (Cf. a este propósito Sally Shaywitz, M. D., ob. cit., pp. 13-82).

Programas de intervenção pedagógica como aquele que Rafael Silva Pereira nos confia podem fazer toda a diferença no futuro da vida de muitos meninos, desde que, importa reforçá-lo, sejam trabalhados em estreita articulação entre os vários agentes (família, professores…). Programas deste género poderão, afinal, fazer toda a diferença entre a inclusão efectiva e a exclusão.

Claro está que a Educação Especial desempenha aqui um papel determinante, desde que, também importa reforçá-lo, não seja apenas percepcionada como mais um apoio às áreas académicas tradicionais, mas se assuma como um agente de intervenção face às dificuldades específicas dos alunos e, naturalmente, tendo em consideração os avanços científicos registados. Daí a necessidade de investigar constantemente (uma tarefa difícil face à actual malha burocrática do sistema educativo) e de, entre outras áreas prementes, existirem pontes mais regulares entre as Universidades e as Escolas do Ensino Básico e Secundário ou mesmo entre os docentes, sobretudo, de ciclos diferentes (a efectiva articulação vertical ainda está a dar os primeiros passos…). Portanto, a metodologia correcta pode fazer toda a diferença, até porque “diferentes formas de aprender implicam necessariamente diferentes formas de ensinar”.

Claro está que, se pretendemos efectivamente uma Escola inclusiva, promovendo uma filosofia de trabalho em conjunto, onde todos os alunos, considerados (ou não) como tendo Necessidades Educativas Especiais, podem ganhar, teremos de perceber que, numa fase inicial, isso implicará forçosamente estar disponível para investir mais. Trata-se, no entanto, de custos que serão recuperados a médio e longo prazo; ao passo que as perdas, essas sim, serão dificilmente recuperáveis.

A este propósito, o Diário Insular de 7 de Novembro de 2012 trazia a seguinte notícia: “44 por cento dos jovens açorianos entre os 18 e os 24 anos não ultrapassa o 9.º ano de escolaridade” (p. 4). Poderíamos, ainda, fazer uso de outros números igualmente dramáticos, como sejam a taxa de abandono escolar no Ensino Secundário ou de reprovações, a percentagem de analfabetismo (já para não falar de iliteracia) ou os resultados nos Exames Nacionais…

Todos os números nos demonstram que é urgente intervir e… precocemente, com equipas inter e multidisciplinares, científica e pedagogicamente sustentadas. E é aqui, mais uma vez, que também os serviços especializados das Escolas, nomeadamente no que diz respeito à Educação Especial, poderão fazer toda a diferença, numa área onde, apesar das inegáveis portas que se abriram depois da revolução de 25 de Abril de 1974, ainda existe um longo caminho a percorrer…

Daí a importância de conhecer e dar a conhecer, para sensibilizar e intervir.

Renato Nunes

LEIA TAMBÉM

Em Vila Franca da Beira houve manipulação pré-eleitoralista, por parte dos candidatos PS, de iniciativa da Câmara que até merecia ter sido mais “limpa”!… Autor: João Dinis, Jano

Em período de pré-campanha eleitoral – que as Eleições Autárquicas vão ser já a 1 …

Batalha de Aljubarrota – A Real Batalha – 14 de Agosto de 1385 – Faz 632 Anos. Autor: João Dinis, Jano

Viva Portugal !  Livre, Soberano e Independente !!!  Viva ! Sim, a 14 de Agosto …