Operação “Natal Tranquilo 2014” registou aumento de mortos

A operação Operação “Natal Tranquilo 2014” da GNR, que esteve nas estradas portuguesas de 23 a 28 de Dezembro, registou mais três mortos que a operação da época passada. Este ano faleceram 14 pessoas nas vias portuguesas, como resultado de 935 acidentes. Os 7 870 militares empenhados nesta operação viram, contudo, melhorar todos os restantes indicadores. Houve menos 558 sinistros. O número de feridos graves também baixou para 18, ou seja menos três, que em igual período do ano passado. Os feridos leves foram reduzidos quase para metade, tendo-se registado 259, menos 202 que na época passada. A GNR alerta, porém, que estes dados de vítimas mortais são provisórios, dado que não reflectem os mortos a 30 dias.

Os 7 870 militares empenhados estiveram particularmente atentos às matérias que mais influenciam a sinistralidade rodoviária e suas consequências, tendo detectado 194 crimes (136 por condução com Taxa de Álcool no Sangue (TAS) igual ou superior a 1,20 gramas por litro, 51 por falta de habilitação legal para o exercício da condução e sete por outros crimes) e 8276 infracções, destacando-se as seguintes: 317 por condução com TAS superior ao permitido por lei (em 22 665 testes realizados); 4576 excessos de velocidade (em 274 079 controlos); 358 por falta de inspecção periódica obrigatória; 343 relativas a cintos de segurança e sistemas de retenção para crianças; 289 por utilização do telemóvel no exercício da condução; e 152 por falta de seguro.

A Guarda Nacional Republicana irá realizar agora a operação “Ano Novo Seguro”, entre 31 de Dezembro e 4 de Janeiro, uma operação de intensificação do patrulhamento e fiscalização rodoviária, no sentido de garantir a segurança em todas as vias, de e para os locais de festejo do Ano Novo.

LEIA TAMBÉM

Autarcas constituídos arguidos no processo do fogo de Pedrógão Grande

Os presidentes das Câmaras de Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra e de Pedrógão Grande, …

Associação de vítimas contra fecho do SAP de Oliveira do Hospital e admite apresentar queixa formal na Provedoria de Justiça

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) contestou ontem o …