mini-hídrica no mondego

Abandono de mini-hídrica no Mondego defende “as suas riquezas naturais”

O presidente da Câmara de Penacova, Humberto Oliveira, disse hoje que o abandono definitivo da construção de uma mini-hídrica no rio Mondego deve ser aproveitado para a região continuar a defender as suas riquezas naturais. Também o PCP de Penacova se congratulou hoje, em comunicado com este desfecho, considerando que “o enterro da mini-hídrica é uma vitória do rio sobre as parcerias público-privadas da energia”.

Em declarações à agência Lusa, o socialista Humberto Oliveira disse que o empreendimento, caso avançasse, “iria prejudicar de uma forma definitiva” as populações ribeirinhas e os municípios de Penacova, Vila Nova de Poiares e Coimbra, que apoiaram a contestação desde o início.

Diversas entidades que integram o movimento Plataforma Mondego Vivo promoveram hoje, na Foz do Caneiro, “uma iniciativa simbólica de encerramento” do processo de mais de três anos de luta contra a mini-hídrica.

Humberto Oliveira salientou que a barragem inviabilizaria as descidas turísticas do Mondego e a gastronomia tradicional, ao impedir a subida do rio pela lampreia e diversos peixes que desovam a montante de Penacova. “Esta é uma boa oportunidade para construirmos as nossas sinergias”, disse, ao preconizar a criação de uma “rede de povoações ribeirinhas do Mondego e seus afluentes”, com base nos “produtos turísticos associados ao rio”.

Para o PCP local, que “sempre se associou e incentivou” a luta das populações e da Plataforma Mondego Vivo, a contestação “levou ao enterro da mini-hídrica, com a declaração de impacto ambiental desfavorável”. Aquele movimento reúne autarquias, ambientalistas, empresas de canoagem, restaurantes, colectividades e cidadãos das zonas ribeirinhas, entre Coimbra e Penacova.

Fonte: Lusa

 

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …