Acidente na unidade da Sonae em Oliveira do Hospital amputou braço a um funcionário

Um acidente de trabalho na unidade industrial da Sonae, em S. Paio de Gramaços, provocou na sexta-feira de manhã, cerca das 11h00, ferimentos graves num homem de 51 anos, que teve de ser transportado de helicóptero para o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, adianta a Rádio Boa Nova, referindo que o funcionário da empresa dofreu a amputação de um braço.

Manuel Dinis, residente em Lajeosa e funcionário há vários anos da empresa de produção e comercialização de derivados de madeira, ter-se-á ferido num braço quando manobrava uma prensa.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, Emídio Camacho, referiu àquela rádio que à chegada ao local a vítima estava “consciente”, mas com o braço direito “decepado”. “Foi feita triagem à vitima, prestados os cuidados médicos, reconduzido o braço e chamado o apoio diferenciado da SIV de Seia que acionou o CODU”.

“O homem ainda foi encaminhado ao SAP do Centro de Saúde de Oliveira do Hospital, sendo depois helitransportado para o Hospital de Vila Nova de Gaia”.

LEIA TAMBÉM

tractor

Vítima de acidente com tractor em Oliveira do Hospital faleceu no Hospital de Seia

Um homem que ficou gravemente ferido num acidente com um tractor agrícola em Oliveira do Hospital …

“CORO” DA HEGEMONIA PS NA CÂMARA E NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL ACTUOU DURANTE A EDIÇÃO 2018 DA EXPOH – OLIVEIRA DO HOSPITAL. Autor: João Dinis

Escrevo este “opinião” a 30 de Julho de 2018. Ontem à noite, fui a Oliveira …

  • joão dinis, jano

    João Dinis, Jano

    Como se vê, quem acaba por pagar a factura são os operários…

    Com o devido respeito por um dos melhores Poetas da Língua Portuguesa – Vinícius de Morais – transcrevo extracto do seu genial poema “Operário em Construção”. Olhem que vale a pena irem lê-lo todo.

    Assim:

    “Notou (o operário) que sua marmita
    Era o prato do patrão
    Que sua cerveja preta
    Era o uísque do patrão
    Que seu macacão de zuarte
    Era o terno do patrão
    Que o casebre onde morava
    Era a mansão do patrão
    Que seus dois pés andarilhos
    Eram as rodas do patrão
    Que a dureza do seu dia
    Era a noite do patrão
    Que sua imensa fadiga
    Era amiga do patrão”.

    João Dinis, Jano