Acidente na unidade da Sonae em Oliveira do Hospital amputou braço a um funcionário

Um acidente de trabalho na unidade industrial da Sonae, em S. Paio de Gramaços, provocou na sexta-feira de manhã, cerca das 11h00, ferimentos graves num homem de 51 anos, que teve de ser transportado de helicóptero para o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia, adianta a Rádio Boa Nova, referindo que o funcionário da empresa dofreu a amputação de um braço.

Manuel Dinis, residente em Lajeosa e funcionário há vários anos da empresa de produção e comercialização de derivados de madeira, ter-se-á ferido num braço quando manobrava uma prensa.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital, Emídio Camacho, referiu àquela rádio que à chegada ao local a vítima estava “consciente”, mas com o braço direito “decepado”. “Foi feita triagem à vitima, prestados os cuidados médicos, reconduzido o braço e chamado o apoio diferenciado da SIV de Seia que acionou o CODU”.

“O homem ainda foi encaminhado ao SAP do Centro de Saúde de Oliveira do Hospital, sendo depois helitransportado para o Hospital de Vila Nova de Gaia”.

LEIA TAMBÉM

IP reforça meios de prevenção e limpeza de gelo e neve nas estradas da Serra da Estrela com novo Silo de Sal-gema na Guarda

A Infra-estruturas de Portugal (IP) instalou na Guarda, um novo silo de sal-gema com capacidade …

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

  • joão dinis, jano

    João Dinis, Jano

    Como se vê, quem acaba por pagar a factura são os operários…

    Com o devido respeito por um dos melhores Poetas da Língua Portuguesa – Vinícius de Morais – transcrevo extracto do seu genial poema “Operário em Construção”. Olhem que vale a pena irem lê-lo todo.

    Assim:

    “Notou (o operário) que sua marmita
    Era o prato do patrão
    Que sua cerveja preta
    Era o uísque do patrão
    Que seu macacão de zuarte
    Era o terno do patrão
    Que o casebre onde morava
    Era a mansão do patrão
    Que seus dois pés andarilhos
    Eram as rodas do patrão
    Que a dureza do seu dia
    Era a noite do patrão
    Que sua imensa fadiga
    Era amiga do patrão”.

    João Dinis, Jano