Adarnela vai ter de esperar por discussão para saber se terá água e saneamento

Os utentes da localidade de Adarnela vão ter de aguardar um estudo para se confirmar se será vantajosa a instalação do abastecimento de água da rede pública e saneamento na localidade. A resposta é do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital perante os pedidos dos presidentes da Junta de Freguesia de Travanca de Lagos e Lagares da Beira, António Soares. O autarca argumenta que aquele serviço poderá ter custos acrescidos para muitos habitantes que podem não querer o serviço.

“Há um problema. As pessoas que têm furos ficam obrigadas a fazer as ligações desde que exista rede. Por isso, devemos fazer um levantamento para ver se se justifica ou não”, justificou José Carlos Alexandrino perante o apelo de António Soares que chegou a referir que se não for possível neste mandato que o seja no próximo. “Sei que o senhor presidente está aberto e disponível para discutir e resolver este problema, porque é de inteira justiça e as pessoas merecem. Não será, por ventura, neste mandato. Mas tenho a certeza que será no seu próximo mandato. Sim, disse intencionalmente no seu próximo mandato porque acredito que o senhor será o próximo presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital”, frisou.

Este pedido vem de encontro às aspirações de alguns moradores que manifestaram ao CBS os transtornos causados pela falta daquelas infraestruturas. O habitante José Esteves, por exemplo, há muito que se bate por estes serviços, mas ao longo do tempo tem superado as dificuldades com a retirada de água do rio Cobral e do favor dos vizinhos que lhe fornecem diariamente o precioso líquido para cozinhar.

Seia e Gouveia pagam investimento de Oliveira em novo equipamento de esvaziamento de fossas

Ainda assim, José Carlos Alexandrino limita-se a dizer que está aberto a debater o assunto. “Nós tivemos uma lógica bem construída que foi atender aos núcleos que têm mais gente. Não me incomoda nada discutir, os meus serviços têm um levantamento feito”, refere ainda o autarca.

José Carlos Alexandrino aproveitou ainda a última Assembleia Municipal para anunciar a aquisição de um moderno equipamento para o esvaziamento das fossas. A nova máquina, que terá um custo aproximado de 150 mil euros, será segundo o autarca suportado pelos municípios de Seia e Gouveia a quem será cedido durante algumas horas. “Essas horas vão pagar o investimento”, atirou o edil que com este novo serviço pretende evitar que os munícipes paguem sempre que solicitam pontualmente o esvaziamento das suas estruturas sépticas.

LEIA TAMBÉM

Penalva de Alva em festa no fim-de-semana e Tuna Recreativa Penalvense volta a actuar seis meses depois

As tradicionais Festas de Verão em Penalva de Alva regressam este fim-de-semana. A edição deste …

Requalificação da EN 17 arrancou hoje, sete meses depois de adjudicada, e publicidade a visita de Alexandrino merece criticas de Luís Lagos

O Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, visitou esta manhã …

  • António Lopes

    Esta de assumir compromissos para o novo mandato, parece-me ser tentativa de condicionamento do eleitorado.Vale o que vale, pois, hoje, os eleitores sabem o que querem. Onde está a solidariedade prevista na lei e que serviu de base ao novo plano tarifário Nacional? A Adarnela vai pagar mais porquê? Logo eu, pago e não vivo em Oliveira, esse dinheiro para que serve? Não é para compensar estes casos? O Senhor presidente até desalinhou do PS Nacional (depois quer ICs), nesta matéria..! “Bem prega Frei Tomás”…
    Já vi chamar burros às pessoas com mais diplomacia..! Então se vão pagar as viaturas com o aluguer de umas horas, não compram eles porquê? Para aqueles lados não sabem fazer contas..?
    E quanto custa e quem paga, a deslocação da viatura de e para Seia e Gouveia? Sempre os mesmos, claro…Como eles gerem o nosso dinheiro..!

    • Guerra Junqueiro

      O Trump quer a continuação do muro pago pelos Mexicanos, mas explicou como e porquê, agora esta da câmara passar a ser uma empresa de aluguer de equipamento, não lembrava ao diabo.
      Só me questiono, como pode haver gente que acredita nesta abécula.
      Os 150 mil que esturrou no call center davam para comprar a máquina, e o dinheiro que esturrou até hoje em tendas dava para comprar duas.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro