Alexandre Relvas

Adeus. Autor: Alexandre Relvas

11136809_950427044977220_971461567_n

Quando retirares esta dor

retira-a suavemente num

sonho

para te poder libertar no vento;

sorrir-te-ei quando nas entrelinhas

das

nuvens

o teu coração pulsa

para que a chuva me bata na

face

e quando o sol brilhar

como uma dança na minha alma.

hei-de sorrir quando os teus

pés

lentamente dão pulos num

arco-íris junto da nossa casa;

por fim, viverei sem medo

como gotas de chuva

para me tornar num oceano:

silêncio.

Alexandre RelvasAutor: Alexandre Relvas

LEIA TAMBÉM

“Crónicas de Lisboa”: Sinto Saudades do Futuro. Autor: Serafim Marques

Ter saudades do futuro, como assim se a saudade é um sentimento de algo ou …

Cid Teles, a cigarra do Triste Fado: As origens. Autor: Renato Nunes

O poeta que inspira estas palavras nasceu em 8 de Março de 1911, em Tábua, …