ADIBER distribui laços brancos pela não violência sobre as mulheres

 

A ADIBER – Associação de Desenvolvimento Integrado da Beira Serra vai dar início, no dia 25 de novembro – Dia Internacional para a Eliminação de todas as formas de Violência contra as Mulheres – à Campanha do Laço Branco que vai decorrer até 6 de dezembro, nos concelhos de Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua.

A iniciativa que decorre no âmbito do projeto “Expandir Mais Oportunidades”, apoiado pelo POPH – Programa Operacional Potencial Humano, pretende prestar homenagem às 43 mulheres que em 2010 perderam a vida.

Durante os 12 dias pela não violência irá ser efetuada a distribuição gratuita de laços brancos a todas as pessoas que se associem a esta causa, devendo permanecer com os laços colocados até ao dia 6 de dezembro, dia em que esta campanha surgiu, por um grupo de homens, no Canadá, que manifestaram deste modo a sua indignação e repulsa pela violência sobre as mulheres.

Na realização desta campanha, a ADIBER conta com a colaboração das equipas de futebol senior que já se disponibilizarem para usar os laços brancos durante os jogos agendados para aquele período.

Para o efeito, a ADIBER vai proceder à distribuição de laços brancos, pelas 15h00, em cada um dos jogos e que terão lugar, no dia 27 de Novembro em Góis e no dia 4 de dezembro, em Arganil, Tábua e Lagares da Beira.

A Adiber lembra que a violência sobre as mulheres é um fenómeno que atravessa classes sociais, idades e regiões, constituindo uma grave violação dos Direitos Humanos. “Os números não são subjetivos, nem nos podem deixar indiferentes”, adianta em nota de imprensa.

LEIA TAMBÉM

Ministro Pedro Marques garantiu em Nelas que a aposta em infra-estruturas de transporte passa pela ferrovia e IP3, ignorando IC6 e IC12

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou ontem em Canas de Senhorim, Nelas, …

José Carlos Alexandrino lança suspeitas sobre queijeiras de Seia nas descargas ilegais no rio Cobral

Como regresso da chuva, os habitantes que vivem próximo do rio Cobral temem que voltem …