Oliveira do Hospital impõe aumentos no preço da água que chegam a superar os 65 por cento

“Água mole em pedra dura, será que fura?” Autor: André Duarte Feiteira

Se foi um erro dá sempre para corrigir, se foi por engano desenganem-se, se foi para ver se “entranhava”, pedimos desculpa, não entranhou!

São inadmissíveis os aumentos colocados em prática pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, aquando da actualização do tarifário dos Serviços de Abastecimento Público de Água e de Saneamento para 2014, actualização esta que está em vigor desde o passado mês de Março (actualização facilmente perceptível pelo enorme aumento do preço exigido aos consumidores).

Analisando de forma prática esta actualização (que também pode ser consultada em detalhe), iremos facilmente perceber o seguinte:

a) Aumento da tarifa do primeiro escalão, que passou de 0,53 euros para 0,75 (aumento de 0,22€ por m3)

b) Reformulação dos escalões, reduzindo as facções que fazem com que os consumidores que, por exemplo, anteriormente tinham 30m3 de consumo e estavam no 3º escalão pagando 1,77€/m3, por sua vez, com a redução das fracções e com a nova tabela já em vigor, esse mesmo consumidor com os mesmos 30m3 de consumo está agora a pagar 4,12€/m3 pois já se encontra no 4º escalão.

c) A tarifa do saneamento aumentou de 1,77€ para 2,50€.

d) A tarifa de disponibilidade da água aumentou de 1,54€ para 2,26€.

e) Nas águas residuais, foi criada uma nova tarifa que obriga os consumidores a pagar 0,5248€ sobre 30% do total de metros cúbicos de água consumidos.

Todas estas alinhas somadas dão-nos resultados impressionantes. Chegamos a observar aumentos na ordem dos 67%!

É sabido que o défice anual ronda os 1,4 milhões de euros, mas é correcto obter receita através do consumidor intermédio e pelo método mais fácil (para quem governa) e mais hostil para quem tem que pagar as taxas?

Espero, contudo, que haja uma revisão na recente actualização do tarifário dos Serviços de Abastecimento Público de Água e de Saneamento! Senão é caso para dizer: Vinho ou Sumo?? É que ao preço a que está a água….!

 

Autor: André Duarte FeiteiraO guião socialista…

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • Yasser Arafat

    Se bem conheço o executivo, o máximo que poderiam fazer era mandar retirar as palmeiras dos jardins e plantar videiras…Se pelo menos a taxa do vinho desse para diminuir…

  • Volta Mário

    É verdade André, este executivo encontrou um poço de petróleo na água.
    No tempo do Mário Alves, era ao preço da chuva e a câmara tinha dinheiro. Com este, é ao preço do ouro, e estão falidos.
    Ainda se chateiam por já se fartar de ouvir por aí: “Volta Mário, estás perdoado.”

    • A bem da verdade.

      Caro comentador,
      a fatura que estamos a pagar é fruto do “brilhante” contrato que foi feito no tempo do Mário Alves com as Águas do Zêzere e Côa.
      Portanto se estamos a pagar mais a ele podemos atribuir responsabilidades.
      Por outro lado, havia sim mais dinheiro, pois foi pedido um empréstimo à CGD que atualmente estamos a pagar.

      • Zé Mário

        Estamos a pagar? Quem? Nós povo, ou vós câmara?
        Quando quiseres saber quanto encaixaram das obras feitas e a concluir que entraram em projectos eu digo-te. Já quanto ao empréstimo, caiu-vos do céu a juros baixíssimos, que ainda aproveitaram para por na CCAM para safar aquilo. Mais, o preço das obras baixou drasticamente. Tinham tudo para fazer bem, e só fizeram caca, ….. e festas.

        • Zé-Tó

          “Estamos a pagar”, logicamente que quem paga são os contribuintes!
          Já agora esclareça lá o “quanto encaixaram das obras feitas e a concluir que entraram em projectos”

  • ERSAR

    Caro André,

    Louvo o seu esforço em tentar escrever artigos para o CBS.
    Contudo, sugiro que se informe convenientemente para poder ser levado a sério.

    Neste caso particular aconselho a ler a legislação em vigor, que por acaso é da iniciativa do Governo PSD/CDS.

    Lei n.º 73/2013, de 3 de setembro – Estabelece o regime financeiro das autarquias locais e das entidades intermunicipais – Artigo 21 – Os preços e demais instrumentos de remuneração a fixar pelos municípios, (…) não devem ser inferiores aos custos direta e indiretamente suportados com a prestação desses serviços e com o fornecimento desses bens.

    Ora se o Município adquire a água a 0,75€, não poderá vende-la a um preço inferior!

    Poderia porventura ter sugerido ao atual Governo que uniformizasse os preços da água em alta, ou seja, os preços a que a água é fornecida a cada município. Os preços que são pagos em Oliveira do Hospital foram negociados há mais de 5 anos, por conseguinte no tempo do Executivo PSD.

  • ERSAR

    Aproveito a oportunidade para divulgar alguns gráficos que poderão explicar a razão do aumento da água.
    O preço que é cobrado ao munícipes é inferior ao que o Município gasta com a aquisição desses mesmos serviços (água e saneamento).

  • ERSAR

    Para finalizar poderia ter acrescentado que o Município introduziu os tarifário social e famílias numerosas.
    Para além disso colocou todas as entidades a pagar a água, para que, de forma responsável, todos tenham noção que cada litro de água que o Município compra às AZC e pago pelos munícipes ou através das faturas mensais ou através dos impostos aplicados aos contribuintes.

    • Zé Mário

      Tu deves estar é a URSAR;
      Já lemos a noticia da água, limpa o cu a essa informação que já vem muito atrasada.
      A verdade, é esta, foi mostrado pelo Sr Presidente na Assembleia que iriam encaixar 400 mil euros. Taxaram, tarifaram e escalonaram de tal forma que nos roubam mais de 2 milhões por ano.
      Que credibilidade tem esta gente para alegar o que quer que seja? O governo não tem coragem de fazer um décimo do que vocês fazem.
      GATUNOS

      • Zé-Tó

        Que o amigo Zé Mário dizer que os tarifários e os escalões aprovados em Assembleia são diferentes daqueles que são praticados atualmente?

        Estou confuso, gostaria que comprovasse aquilo que escreve.

        Sim, os preços subiram e muito devido ao contrato assinado pelo Executivo do PSD e por força de Lei do Governo PSD/CDS (Lei n.º 73/2013, de 3 de setembro)

        • Zé Mário

          Caro Zé-Tó;

          Isso já aqui foi muitas vezes e devidamente demonstrado, basta confirmar com a actas das duas ultimas assembleias municipais comparando com as tabelas e gráfico mostrados numa reportagem que aqui foi mostrada.
          Só não vê quem não quer.

  • agua ou sumo!! que piada!

    só faltava isto. água ou sumo? para este pseudo comentador, escritor ou seja lá o que este senhor faz, quem conhece sabe bem que não bebe água nem sumo! pode ficar doente. tem que ser algo mais forte! para um senhor com esta idade deveria informar-se melhor do que diz e não escrever o que lhe mandam. até tinha vergonha de ser mandado. faça algo de util para o seu concelho e depois já terá alguma legitimidade para falar.

    • Zé Mário

      Está a tentar baixar os preços da água?
      Chama isto fazer pouco pelo conselho?
      Você fez o quê?

    • Visto que…

      Bem!! este comentário deve ser um daqueles que está a beber à grande da bica chamada Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, e na realidade ele nunca devia ter visto uma factura da agua, pois quem a paga deve ser a estimada esposa =(
      Caro amigo bebemos uma agua sem aditivos na próxima festinha num rio aqui da nossa zona…

  • Amândio Ribeiro

    E ando eu a pedir subsídios para as minhas maças de bravo de esmolfe…a saber destes aumentos teria-me dedicado ao eucaliptos, são como as silvas, não precisam de água e nascem em qualquer lado!

  • António Lopes

    Porque há quem diga que escrevo sob outro nome que não o meu, e porque não é difícil descortinar a origem de alguns comentários, nomeadamente o “Sr.ERSAR”,convinha deixar dito: Argumentando, não há problema que não se resolva.Uma discussão deste tipo, convinha ser feita de cara descoberta, como eu faço.Mas pronto.Sabemos o que a casa gasta.De facto a lei 73/2013 diz que os preços não podem ser inferiores ao custo. A lei 75/2013 tambem diz que as posturas e regulamentos são aprovados pela Assembleia Municipal.E, na Assembleia Municipal, de 28 de Dezembro, foi afirmado pelo senhor Presidente da Câmara,página 28 ,12º parágrafo, da acta da Assembleia desse dia, que os aumentos oscilariam entre 1,9 euros, mínimo, e 5,6 euros ,médio.E foi essa autorização que a Câmara pediu e foi nessa base que obteve o apoio, sendo certo que, por unanimidade, toda a Assembleia concordava com os aumentos, que foram propostos.Se a aprovação foi feita nessa base, tendo em vista minimizar os prejuízos em 400 mil euros, pergunta-se porquê outros aumentos que não os propostos e aprovados.Esta é que é a questão.Para se fazer o que se fez, então cumpria-se o que a lei manda e vendia-se com preços acima do custo, o que aliás foi feito, até que alguém me prove o contrário.E porque já pedi oficialmente esses números e a lei concede dez dias para mos enviarem espero que não aconteça o que é costume em que transparência é só no discurso.Quando chega a hora negam os documentos, sendo que legalmente são obrigados a apresentá-los.Deixem- se de demagogia. O que é que este aumento tem a ver com o “TUDO PELAS PESSOAS”..? Um bocadinho mais de respeito pelas pessoas e pelas instituições era capaz de não fazer mal nenhum…

    António Lopes

    • Contribuinte

      Caro António Lopes,

      A ser como diz, caso os Deputados Municipais fizessem o que lhes compete teriam feito “contas”. Não basta lá irem buscar a senha de presença e “saltarem das cadeiras como sardinha”.
      Nessa ata deverá estar também apenso os valores do novo tarifário e a alteração de escalões.
      Por essa altura acredito que a sua cabeça estava centrada noutro tipo de problemas. Talvez por isso tivesse aprovado algo que agora, de forma populista vem criticar.
      Relativamente ao anonimato, não tenho problemas em escrever o que escrevo. Autorizo que publique o meu IP. Legalmente é suficiente para assumir o que escrevo.
      Se bem me recordo, um dos seus argumentos de campanha foi a construção das ETAR’s. Tenho perfeita consciência que o Sr. António Lopes sabia perfeitamente que tais investimentos teriam que ser suportados pelos contribuintes.

      • Zé Mário

        Caro Contribuinte;

        Na assembleia foi aprovado e louvado um esquema tarifário que não foi cumprido.
        Vamos aguardar por a próxima assembleia para sabermos o porquê desta assombrosa alteração que de 400 mil passou para mais de 2 milhões.
        O governo se assim fizesse pagava a divida num instante.
        Quanto ás ETAR’s, antes de construírem novas, melhorem e ponham a funcionar as que existem.
        Este tema, está mais que debatido, a câmara financia-se com a água e saneamento. Não pode ser assim.

  • António Lopes

    “Contribuinte” mas pouco:É como digo.Não percebo a dificuldade de darem a cara.Já cá ando desde 2001 a confrontar o poder e , ainda ninguém me bateu.Pelo menos até agora. Não falo chinês nem sou de andar descuidado.Ainda vou arranjando tempo para pensar em tudo.Posso não resolver, pensar penso.Foram dados os parâmetros, 1,9 euros, 5,6,euros e 400 mil no global.E foi sobre esses números e na base da confiança que se decidiu e votou.Foi anunciado que ia ser constituída, e foi, uma equipa multidisciplinar, como se lhe chama, para estudar os assuntos relativos à água, que passa pela melhoria da rede para evitar perdas, desvio de águas pluviais etc.A Assembleia aprovou com base no que foi anunciado, não em cima do tarifário que devia acompanhar e que era pressuposto e para mim ainda é, que devia estar dentro dos números anunciados.E porque tudo indica que assim não é, já aqui anunciei que mandei estudar o assunto tendo em vista a impugnação.Entretanto pedi, na qualidade que tenho, as informações necessárias.Esclarecido? Quanto aos encargos.Tudo bem.Parece que vão diminuir.Se eram ou são necessários outros valores, apresentem-se, discutam-se e aprovem-se.Nos locais certos e pelas pessoas autorizadas.Nas costas é que não… Quanto a isso dos IPs quando a judiciária mos pede, peço-os ao dono do servidor…Sei lá eu onde é que andam os IPs…

  • António Lopes

    Porque é que o pessoal não se habitua a ler as actas da Câmara e da Assembleia? O assunto da água foi debatido na Assembleia de 28 de Dezembro de 2013.Está nas páginas 28 a 34.Vão lá e leiam as posições da Câmara, os valores que foram apresentados, o discurso dos “pobrezinhos”etc.etc. Se quiserem, leiam também as minhas.Disse para se estudar o assunto, ver quanto se poupava, com a racionalização devido aos novos quatrocentos e tal contadores, para se taxar os poluidores,e para se aumentar o mínimo às famílias.Fiquei convicto que o tarifário final, depois dos estudos, voltaria à Assembleia.Qual não é o meu espanto foi aprovado em reunião de Câmara, creio que em 23 de Janeiro.É ver as actas.Está lá.Preços para as famílias numerosas.Pois.E que preços? Pagam menos que pagavam? A demagogia é o forte desta gente. A festa,(EXPO) são 50 mil!!! Agora, em duas actas(porque é que não aprovaram tudo no mesmo dia,não havia orçamento nem experiência)..? já estão 94 500 00!!! Claro que agora o “ERSAR” deve estar a chegar com as receitas.Sei que sim.Despesas, são só estas? A EXPO é feita pela ADI ou é pela Câmara? O Subsídio à ADI é para quê? Para mim não precisam responder.Os munícipes, se calhar, gostavam de perceber, porque se atribui subsídio à ADI e depois a Câmara paga tanto ou mais…A ideia de que somos todos burros…

  • Que Tristeza de Gente

    No jornal do Lopes alimenta-se a resistência feroz ao poder que
    não o deixou governar. Até os jotinhas para aqui vêm dizer de sua justiça. A
    água ficou mais cara e os menos afectados são os que mais estrebucham, por que
    será? Talvez porque não vivem em oliveira, embora gostassem de cá mandar. O
    preço da água está abaixo da média nacional e as actuais tarifas foram
    aprovadas na Câmara por unanimidade. Não obstante assim prossegue a parada
    maquiavélica e oportunista da rua sésamo.

  • Propagandista Mór

    Se assim não fosse há muito que tinhas corrido na frente deles. A falta de vergonha é tanta que já se questiona a passividade das pessoas. E porque sabeis que assim é, é que há directores de serviço com contratos de prestação de serviço ilegais , é que se leva uns números à Assembleia e se aprova outros, se fazem as estradas dos amigos, se emprega os da família, se gasta desalmadamente em festas etc. etc. O Lopes não foi sempre assim? Porque é que o convidaram? Não é da vossa laia, não é de comer da gamela, faz-vos impressão, é? Pois…Vai-te habituando porque, ou muito me engano ou tens muito que lavar no Lopes. se é que tens para lavar..! Acho que ele é que vos vai dar uma barrella maior que a do MA. Já se nota que andais nervosos..!

  • Explica Pra Mim

    E para teres mais motivos para falar explica-me cá: Foram aprovados 50
    mil euros para a ADI fazer a Expo. Hoje estão aqui mais duas decisões com
    44.500 00 euros.Quanto é a receita? Afinal quanto é que se gasta na
    festa? Não foi dito que eram 50 mil?

    Outra coisa,em :

    29-3-2011….ponto 1.1 da acta da Câmara
    26-4-2011… -“- 1.2.2 -“-
    10-5-2011 -“- 2.1.2 -“-
    7-6-2011 -“- 2.2.2 -“-
    5 -7-2011 -“- 2.3.1 -“-
    19-7-2011 -“- 1.2.1 -“-
    13-9-2011 -“- 2.2.3 -“-

    Foi o presidente da Câmara questionado Por Mário Alves quase sempre e Paulo
    Rocha algumas vezes, o que fazia e quanto ganhava o actual “Director de
    Comunicação” Henrique Barreto. Ainda foi questionado mais umas 5 vezes.
    Nunca respondeu, concretamente. Porquê? É esta a transparência?
    E eu pergunto: Como, com que legalidade, porquê e para quê se continuam a
    renovar contratos, a meu ver ilegais, para manter este senhor? Quem
    paga? Favores, é com o que é nosso…

  • Yasser Arafat

    A esta hora, pelo andar da carruagem, já deve andar o “leitão” atrás dos populares…não sei é se lhes vão conseguir impingir o guião do “nós até gostámos que as taxas da água tenham aumentado”…para este papelinho contratem profissionais ou agarrados à cadeirinha, de outra forma vai ser complicado repetir o filme da semana passada “O caminho de terra que deita areias para a estrada!”. Eu cá já não vou em cantigas e a pensar nas festas precavi-me, comprei um jipe, assim já posso ir a Avô sem furar um pneu, a Alvôco chego como se tivesse vindo do Dakar, reboco um ou dois que estejam atascados na Chamusca e, quando calha, passo ali na BLC3 para jogar uma suecada com a malta…se bem que o derbi BLC3 VS Estaleiro Municipal na sueca é muito competitivo, passam horas para jogar…mas há que passar o tempo, e assim vou passando os meus dias.

  • Combate

    Ó “Tristeza” triste. Não é resistência é combate…Abre esses olhos.

  • António Lopes

    O Que é que tem a ver o que aqui está escrito e foi aprovado na Assembleia Municipal, com o o que foi posto em prática?O que é que estes aumentos têm a ver com “ferramentas de proteção dos consumidores” como abaixo se diz ? 1,9 euros como mínimo e 5,6 euros como média,como abaixo se diz,tem alguma coisa a ver com o “assalto” que representa o novo tarifário? Como é que fica a Assembleia Municipal depois deste desrespeito pelo que foi aprovado ?

    M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L

    A S S E M B L E I A MU N I C I P A L

    De seguida entrou-se no Ponto III – Aprovação, nos termos do disposto na alínea g) do n.º 1 do artigo 25º da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, do projeto de Regulamento de Serviço de Saneamento de Águas Residuais Urbanas.
    Seguidamente, foi dada a palavra ao Presidente da Câmara Municipal, Sr. Prof. José
    Carlos Alexandrino Mendes, que fez a seguinte intervenção:
    “Em relação aos regulamentos quero dizer o seguinte: Estes regulamentos tinham que
    ser alterados por algumas razões.
    Primeiro tínhamos que adaptar estes regulamentos porque os anteriores já eram
    bastante antigos e porque tínhamos que seguir as recomendações da ERSAR que tutela esta área e depois foi efetuada a adaptação a toda a lei vigente.
    Nestes regulamentos, foram criadas ferramentas de proteção dos consumidores
    nomeadamente tarifários especiais, entre os quais podemos destacar o tarifário social e o tarifário familiar para famílias numerosas.
    Recebemos uma carta, porque mandámos todos estes tarifários para os diferentes
    organismos se pronunciarem, e a Associação das Famílias Numerosas enviou-nos os parabéns por essa decisão.
    Foi também criada a possibilidade de se isentarem do pagamento das tarifas as
    Instituições Particulares de Solidariedade Social, Associações Profissionais, Desportivas,Culturais e Sociais sem fins lucrativos, havendo a possibilidade desta redução ser parcialmente ou totalmente.
    Também pela primeira vez foram criadas ferramentas de proteção para as empresas
    que promovam a criação de emprego e também existe a possibilidade da isenção das tarifas que serão analisadas caso a caso em reunião de Câmara.
    Depois da discussão pública houve umas pequenas alterações no Regulamento de
    Águas Residuais no artigo 56º e no artigo 58º.
    Também no Regulamento de Água posso anunciar aqui que haverá um aumento da
    tarifa da água.
    Já todos percebemos as razões. Este aumento não vai conseguir cobrir a despesa,
    porque a água saneamento e lixo tem um défice de um milhão e quatrocentos mil euros.
    A nossa ideia é recuperarmos os quatrocentos mil euros nesta fase, tentando que o
    aumento vá num intervalo entre um vírgula nove euros e cinco virgula seis euros, o aumento mínimo e o aumento médio, que mesmo assim é significativo mas esta Câmara nunca fez atualização ao preço do índice do consumidor.
    Todos os escalões ficarão iguais, exceto o primeiro porque nós compramos a água a
    zero setenta, em alta, e vendemo-la a zero cinquenta e três no primeiro escalão. Há um défice enorme e isto faz com que haja um desequilíbrio financeiro nas contas da Câmara Municipal.
    Percorreram-se três caminhos para tentar a redução do tarifário e não foi só pelo
    aumento porque nós não vamos seguir o tarifário proposto pela ERSAR.

  • António Lopes

    Para quem anda a pedir comparações,sou todo atenções. Não foi preciso “sair de casa” nem da minha terra, natal.Mais alguma dúvida, não se façam rogados…

  • António Lopes

    Para quem anda a pedir comparações,sou todo atenções. Não foi preciso “sair de casa” nem da minha terra, natal. Mais alguma dúvida, não se façam rogados…

    • Sinto-me roubado

      Sr. Lopes;

      Essa factura devia ser esfregada na cara destes vígaros que tomaram a câmara e a assembleia. Ladrões.

    • Política Responsável

      Caro António Lopes,

      O exemplo que nos indica não poderia ser mais elucidativo.

      Sem dúvida que a água e o saneamento têm um valor na fatura ao consumidor mais em conta do que em Oliveira do Hospital. Isto é “porreiro”.

      Contudo poderia também dizer que a Câmara Municipal da Covilhã (uma das mais endividadas da região) apresenta um passivo no sector das águas e saneamento no valor de 11 milhões de Euros (2013). Quem é que irá pagar esse valor? Certamente que os munícipes da Covilhã. Certamente que não será através da fatura da água, mas sim através de outros métodos.

      Relato a intervenção do Presidente da Câmara da Covilhã à Rádio Cova da Beira (20 de março de 2014):

      “Num cenário em que teremos fechado 2013 com 65, 2 milhões de euros de dívida, vamos ter que lhe somar mais 12 milhões da Park C, somar mais 1,7 milhões do parque de S. Miguel, mais 1,4 milhões de euros de dois processos (Lecrec e Proder), presumo que tenhamos mais 11 milhões de dívida na ADC, mais três milhões na Icovi.” Quanto ao Parkurbis, segundo o autarca, os valores ainda não estão apurados mas poderão chegar aos 2 milhões de euros. Nos próximos quatro anos a câmara da Covilhã terá que reduzir a dívida em 40%, sob pena de não poder usufruir do quadro comunitário de apoio até 2020.”

      Ora se o Ex-Presidente da Assembleia Municipal pretende conduzir o Município Oliveirense à situação económica da Covilhã, desengane-se. A política populista que pretende atribuir ao Executivo poderá mais facilmente encaixar-se na sua postura, que de uma forma pouco responsável, pretende que se continue a acumular o prejuízo do serviço de águas e saneamento. Desta forma sairia bem na fotografia e daqui a uns tempos pediria responsabilidades ao Executivo pelo aumento da dívida.

      Anexo um relatório das dívidas a fornecedores da empresa municipal Águas da Covilhã.

  • António Lopes

    Creio que sim.”Politica responsável” .Aliás, não sei fazer outra.Se bem reparar, a factura é da nobre freguesia de Unhais da Serra, onde vi a luz do Mundo pela 1ª vez, que tem gestão própria. Não fui eu, nem serei, que faz comparações com o que é incomparável.Conheço demais a realidade da Covilhá, que é onde mais pago.É publico que é das mais elevadas do País.Em contrapartida fornece almoço aos necessitados a um euro..! “Política responsável”, é não mentir às pessoas. “Política responsável” é respeitar os órgãos eleitos, no caso a Assembleia Municipal, a legítima representante do Povo, segundo a legislação em vigor. “Política responsável” é aplicar em sede de executivo, o que foi proposto livremente, pela Câmara e aprovado pela Assembleia. A saber: um aumento global de quatrocentos mil euros ano conseguidos através de um aumento mínimo de 1,9 euros e médio de 5,6 euros, números que votei favoravelmente e assumo. E porque sou, de facto, responsável, pedi dentro das competências que me foram confiadas pelos Oliveirenses, os elementos necessários para avaliar, com rigor, se aqueles valores são respeitados ou, se como tudo o indica, apontam para mais de 2 milhões de euros ano, caso em que a água passará de um prejuizo de cerca de um milhão para um lucro de um milhão.Os números que descrevo estão em acta. O tarifário apresentado também.Contas, felizmente, também sei fazer.Aguardo até 2ª feira, data limíte para as respostas aos meus requerimentos para que me sejam fornecidos os números necessários à correta avaliação.Depois disso, nada me custa reconhecer o mérito ou denunciar os abusos, conforme for o caso.Sendo que tudo indica que houve desrespeito grosseiro pelas instituições e mais grave, pela difícil situação das pessoas.Quando falei em nome da actual governação, pedindo a confiança dos eleitores, longe de mim estava, desferir tal “facada”..! Se “tudo pelas pessoas” são aumentos superiores a 4 vezes o normal e anunciado, é melhor não fazer nada por elas. Concordo: “Política responsável”, sim.. A propósito, ouvi o Senhor Presidente da Câmara, entusiasmado, anunciar uma grande Expo H com uma despesa de cinquenta mil euros. Das actas da Câmara, já apurei subsídios de noventa e quatro mil e quinhentos. Também aqui, sou por uma “política responsável” e de verdade. Alguém que esclareça.