Aldeia de Nogueira atraiu várias centenas de pessoas que quiseram reviver a década de 50

Mais de 700 pessoas participaram ontem na Aldeia de Nogueira, concelho de Oliveira do Hospital, na iniciativa Aldeia 1950, que tinha por  lema “recuperar, preservar e divulgar património etnográfico que está há muito esquecido”. O evento, que foi fomentado pela Liga de Melhoramentos Desporto e Cultura de Aldeia de Nogueira (LMAN), em parceria com o Grupo Aventura Preservação de Origens e contando com o apoio da Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo, superou as expectativas mais optimistas da organização que se prepara já para começar a trabalhar na segunda edição da iniciativa que procurou com êxito recriar o ambiente da década de 50 do século passado.

11139422_1629488857288722_2555867771753094864_n“A nossa aldeia tem cerca de 150 habitantes, pretendíamos movimentar cerca de 400 pessoas e acabaram por participar mais de 700. Só no almoço estiveram 270 e no encontro de motorizadas participaram cerca de 80, que percorreram todo o concelho”, conta o presidente da LMAN António Cardoso que não esconde a satisfação pelo facto de ter organizado um evento que é auto-sustentável financeiramente. “Isto demonstra que se deve apostar nestas iniciativas e não estar dependente dos subsídios que possam ser atribuídos”, continua.

Para o êxito contribuiu a população, com muitos a aderirem ao pedido da organização para que fossem para a rua vestidos à época. Alguns foram mais longe e levaram cerca de 250 artefactos da década de 50 que ficaram em exposição nas barraquinhas existentes. “O êxito deve-se muito à população e à dedicação entre duas instituições locais que ainda há pouco tempo andavam desavindas, mas que se uniram num projecto comum, com o êxito que se reconhece”, frisa António Cardoso. “E sem gastar muito dinheiro”, faz questão de sublinhar mais uma vez.

as

Nem alguns elementos do executivo da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital deixaram de estar presentes. Numa primeira fase, para o almoço, compareceram os vereadores Nuno Ribeiro e Francisco Rolo. Mais tarde o próprio presidente da autarquia também se juntou ao evento, tendo manifestado a disponibilidade do município em apoiar este tipo de iniciativas. Curiosamente, não atribuiu qualquer verba ao projecto Aldeia 1950, nem a vereadora da Cultura Graça Silva marcou presença.

Nada que tenha preocupado a organização que já está a pensar no projecto do próximo ano. “Apenas com uma edição este é o maior evento da Freguesia de Nogueira do Cravo e pretendemos transformá-lo no maior do género do concelho”, assegura António Cardoso, para quem os organizadores devem começar já a trabalhar no sentido de redesenhar o evento, para que cresça e tenha ainda uma dimensão ainda maior.

Alguns números da iniciativa Aldeia 1950:

– Mais de 700 participantes

– 271 pessoas a almoçar

– 80 motociclistas

– 5 grupos culturais

– 400 canecas e cerca de 150 brindes

– Mais 200 litros de vinho

– 250 quilos de carne de porco

– 50 broas

– 500 pães

– 70 quilos de batatas

– 50 quilos de legumes diversos

– 15 expositores

– 28 pessoas a trabalhar da LMAN, GAPO e BVOH

– 4 ovelhas

– 2 toneladas de madeira

– Mais 200 utensílios antigos

Fotos: GAPO e Cátia Joana Gonçalves.

LEIA TAMBÉM

José Carlos Alexandrino acusa Governo de discriminação na ajuda pós-incêndios

O presidente da câmara de Oliveira do Hospital acusou o Governo de estar a discriminar …

Presidente da CM de Oliveira do Hospital indignado por FPF esquecer Coimbra e quer jogo de solidariedade da selecção naquela cidade

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, criticou a Federação Portuguesa …

  • Aldeão

    Uma festa como deve ser, sem a interferência dos palhaços da CMOH.
    Parabéns.

  • o grande kilapy

    Isto é que é o futuro. Festarolas. Mas foi bonito ver toda esta gente a ajudar idosos, limpar valetas, fazer trabalho comunitário e as receitas a reverter para fins sociais ou com uma publicação .
    Tudo no melhor nível do que nestes 6 anos o concelho tem vivido!
    Que triste figura de munícipes que só se revelem em almoçaradas e festas.
    Deviam ter vergonha na cara desde estes incompetentes da camara a este tipo de iniciativas sem solidez.

  • Politicalex

    O Tó Zé é que os topa: É bonito ler que a festa é auto suficiente..! Antigamente faziam-se festas para angariar dinheiro.Agora saca-se dinheiro para fazer festas..Dá-lhe Tó Zé…Explica-lá aos cromos que dizem que não “bates bem” quando é que ganham juízo..! E ver se aprendem como é …

  • Adjunto de ordens

    Pelo menos a Graça Silva teve carácter. O que eu admiro são os que deitaram abaixo e ameaçaram agora, promovem a Deus, quem os enfrentou…Um Espanto.E quanto ao Alex, nem para comentar dá..! Eu, aqui é que os vou apanhando..E não posso dizer tudo…

  • Erasmo de Roterdão

    Previsão do estado do tempo:Céu muito nublado, com chuvas fortes, trovoadas fortes e muitas faíscas…

  • quercus roble

    carácter ????!!!!!!!!
    Palavra mágica agora tentada redescobrir . Meio ano depois do primeiro mandato puseram na gaveta a palavra . Era o bem bom e o faz de conta. os amigalhaços dos almoços e jantares dos que se vendiam e compravam a qualquer preço .Zangaram-se .A falsidade e o oportunismo imperou e continua a imperar.
    Decência e coerência senhores politicos locais .
    Como a não têm, a perderam ou a esqueceram andam por aqui no mesmo triste fado – incompetência , mediocridade, politiquices, mentiras e festins.