Aldeia de Vale do Ferro renasceu com os estrangeiros, tem uma moderna galeria de arte, mas não possui água nem acessos decentes

Aldeia de Vale do Ferro renasceu com os estrangeiros, tem uma moderna galeria de arte, mas não possui água, nem acessos decentes

Um grupo de estrangeiros fez renascer uma aldeia que se encontrava praticamente deserta em Oliveira do Hospital: Vale do Ferro. Recuperaram as casas e um casal belga investiu mais de 500 mil euros numa galeria de arte e casa de turismo de habitação. Parte do caminho de acesso, porém, é quase intransitável. No Inverno, só mesmo de todo o terreno. Garantem ter recebido várias promessas da autarquia, desde 2009. Não há é maneira de verem o problema resolvido. O negócio de Herman só pode funcionar metade do ano. E os os turistas, por muita boa vontade que tenham, acabam por não visitar a aldeia. A autarquia diz estar de momento sem verbas para realizar a obra. Contudo, José Carlos Alexandrino garantiu ao CBS que a obra será feita ainda durante este mandato.

Quem diria que o renascer de Vale do Ferro se fica a dever a um fado? Foi a voz de Amália que, correndo o ano de 1968, deixou Herman Mertens com vontade irresistível de conhecer Portugal. Não descansou enquanto não conseguiu vir de férias. De percorrer o país de Norte a Sul. Chegou, já acompanhado pela esposa em 1974, precisamente uma semana após a Revolução do 25 de Abril. “Senti logo que gostava do país, que queria passar cá mais tempo”, conta. Voltou, mais tarde, para procurar um terreno e habitação para comprar. Acabou por investir numa quinta na aldeia já quase deserta de nome Vale do Ferro, no concelho de Oliveira do Hospital. Um local de acessos complicados, mas que Herman acreditava serem corrigidos por quem de direito. Aos poucos, foi recuperando a casa e os terrenos. Tomou a decisão definitiva de se mudar para aquela localidade em 2000. Pela sua saúde e tranquilidade era ali que queria viver. Para trás deixou um negócio de móveis perto de Antuérpia.

Aldeia de Vale do Ferro renasceu com os estrangeiros, tem uma moderna galeria de arte, mas não possui água nem acessos decentesO tempo foi passando. Parte dos acessos foram arranjados. Sobraram menos de três quilómetros por alcatroar. Uma distância praticamente intransitável. Nem o carteiro ou o padeiro se atrevem a enfrentar tal troço. Quem reside na localidade, que conta com quatro habitantes, todos estrangeiros, permanentes e cerca de dez sazonais, que se desenrasque. “Não temos água e o caminho é o que se vê”, conta Herman Mertens, surpreendido com a falta de empenho das autoridades em resolver o problema. “Estamos a ouvir promessas desde 2009, mas até hoje nada”, sublinha. Foi graças a essa promessa que o casal belga avançou para o investimento na moderna galeria de arte, Pátio-Velho, e numa casa de turismo rural com capacidade para oito hóspedes. “Passou 2009… em 2012 foi inaugurada a galeria e a única coisa que tivemos foram promessas, que se repetiram em 2013. Não quero acusar ninguém, mas a paciência tem limites. Somos pessoas e fizemos um investimento muito grande”, conta. No total, diz, mais de 500 mil euros.

“Merecíamos mais respeito. Temos um negócio que metade do ano está P-V 004_1_1fechado, porque ninguém cá pode vir e mesmo no Verão é difícil. Como se pode rentabilizar assim o investimento?”, questiona. Mesmo assim a galeria mantém uma actividade intensa. Com várias exposições e até peças de teatro. Amanhã, por exemplo, exibirá a peça Macbeth And His Lady, em flamengo, e até ao final do mês tem patente uma exposição de fotografia, escultura e pintura. Algo de fazer inveja à actividade cultural de muitas cidades.

P-V 003_1_1“Só que quando vamos falar destes problemas, dizem-nos sempre que não há dinheiro. Mas há dinheiro para rotundas e festas”, lamenta. Água também não têm. A das fontes locais não é controlada. “Quando fui pedir a caixa do correio, perguntaram-me onde a queria colocar. Disse-lhes que num local discreto, não junto às alminhas que estragavam a vista. Onde?, repetiu o chefe dos Correios. Em Vale do Ferro, respondi. O homem ficou estarrecido: o quêeee! Vale de Ferro? Nem pensar. Tivemos que ficar com um apartado”, conta este belga que estudou arte e publicidade na Holanda.

“Não entendo. Somos pessoas”, vai repetindo, enfatizando que só existem imagepromessas e fundos para festas e rotundas. Hermans considera que as pessoas não sabem aproveitar o potencial turístico que ali se encontra. Paisagístico e histórico. Como um Castro com mais de três mil anos. Para provar a riqueza cultural do local, Herman mostra fotos de escavações que está a realizar numa descoberta recente que acredita ser uma via romana. “Agora não aproveitam. Um dia, quando acordarem, será demasiado tarde”, avisa.

O presidente da união das freguesias de Ervedal e Vila Franca, Carlos Artur Maia, garante que tem feito tudo junto da Câmara para que, pelo menos, cerca de 2,5 quilómetros de um dos acessos seja realizado. Porém, esbarra sempre na mesma resposta: não há dinheiro. “A Junta, por si, só não tem meios para realizar essa obra. Fazemos a pressão possível junto da autarquia. Mas sabemos que as coisas estão más e sei que até havia obras marcadas que foram anuladas. Temos de esperar que exista algum fundo para que tudo se possa resolver”, conta, sublinhando que a respeito da colocação de placas de indicação da aldeia, parte que a vizinha freguesia de Seixo da Beira já fez, devem estar concluídas até ao final do mês. “Ninguém tinha sequer a indicação de como cá chegar”, conta Herman.on 015a_1_1

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital reconhece o problema. Diz, no entanto, que devido aos cortes de que a autarquia foi alvo está impossibilitado de momento de cumprir a promessa. “Temos noção do valor da galeria e de todo o investimento que estão a realizar lá. Mas estamos a falar de uma obra de alguma envergadura a qual não temos possibilidades de realizar de momento. Logo que tenhamos condições financeiras será feita”, explicou ao CBS José Carlos Alexandrino. “Foi uma promessa e a obra será feita ainda neste mandato”. Já quanto à água diz que será incomportável. Sublinha, no entanto, que a autarquia vai tentar encontrar uma solução com a abertura de um furo. “Temos de procurar alternativas viáveis”, frisa.

Quem não se conforma com esta situação é João Dinis, eleito para a Assembleia de Freguesia por parte da CDU. “Toda a estrada deveria estar já asfaltada há 20 anos. Seria de extrema importância para o Vale do Mondego. Até para 6equilibrar de alguma forma os investimentos com os que têm feitos no Vale do Alva”, conta. Repete, vezes sem conta, que não compreende como não se dá apoio a estrangeiros que se estão a instalar ali e a criar um Vale do Ferro renascido. “Como se pode abandonar todo aquele património histórico! Não se entende como não se dá atenção a pessoas que estão a investir ali há 20 anos”, refere. E acusa a junta de completa inacção. De não cortar as silvas, limpar as fontes ou colocar placas de indicação. “Mas permite-se a plantação de eucaliptos, o que é completamente ilegal. Sinto vergonha, como residente do concelho e autarca de Oliveira do Hospital, perante os estrangeiros”, rematou em jeito de conclusão da sua visão global de toda a situação. Carlos Maia, sobre este caso das silvas, explicou que houve falta de pessoal temporariamente e só por isso aconteceu esse caso que será rapidamente reparado, tal como a limpeza das fontes.

5Herman Mertens e a esposa Magda Vervloet, pintora, lá continuam. Apesar de lamentarem a forma como as autoridades os tratam, não se arrependem. “Esta tranquilidade e sossego… Aqui tenho mais tempo para a criatividade”. Continuam apostados em ajudar a comunidade, estando, agora, a recuperar o sino da capela da Nª Sr.ª das Necessidades. Criaram igualmente o blog: ValedoFerrotemhistoria.blogspot.com, para reunir as histórias da região.Resta-lhes esperar e acreditar que as promessas sejam cumpridas.

 

 

 

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • António Lopes

    Sugiro que o acesso seja feito a partir das Seixas.Sei que é mais longe, mas acompanha mais o Rio Mondego e o desenvolvimento que isso pode patrocinar, em termos turísticos.Pelo Vieiro não, porque li aqui anteontem que o antigo presidente da AM se andava a “esfregar” para fazerem este caminho. Por Vila Franca também não, porque tem que passar na rua António Santos Lopes..! Pelas Seixas..! Se por uma acaso do destino, que não prevejo, pois sei de muitas mais promessas que dão mais votos, logo mais gente a “chatear”, que estão na frente,se por um acaso do destino dizia, a autarquia decidir fazer pelo Vieiro, não quero confusões.Mesmo falido, até ao Vieiro, vou ver o que posso fazer.Considerando que espero umas indemnizações, por difamação, que espero não sejam pequenas, mais alguma coisa, para metade do caminho já se arranja.Se se fizer um cortezito nas festas e na propaganda balofa, penso que se arranja o resto…Fica a proposta..!

    • Pessoal do Cadastro

      O quê?
      Não tem nada lá para os lados das Seixas? Está mesmo falido.

      • joao

        eu gostei do comentario do asterix em relação á promessa do vieiro …. não vi o sr lopes a comentar isso …… se não for pedir muito …e uma vez que o sr. é o dono da propriedade …. só por curiosidade, o que pretende fazer dessa sua propriedade …. ????

  • Jogador de Olhão

    O Senhor Herman da próxima vez, pergunte ao Senhor Presidente quanto gasta com as bolas e as festas por ano, e qunto já gastou desde que lhe prometeu o caminho.Pegunte-lhe se isto é que é o “tudo pelas pessoas”, e quantos turistas isso lhe traz? Com o que gasta num ano dava para fazer dois caminhos. A culpa é de quem elege jogadores de bola para certas funções. É do que sabe, é onde gasta…

    • alcatroador

      Digam-me só onde é o início que eu vou lá…

  • Asterix

    As notícias de encomenda continuam, e lá vem o “patrãozinho” comentar uma, duas e se for preciso 20 vezes. E o Jano a mandar uns bitaites…
    E viva o Vale do Ferro. É só heróis mas é de paleio. Ora ataca de ENCOMENDA o Presidente por causa do Nogueirense, agora ataca-o por ser da bola!! Oh senhor Lopes a sua “banalidade política” é isto: chatear! Nada para fazer vida de reformado, chatear e encomendar notícias. Desde o Braçal, em Alvoco, ao Vale do Ferro.
    Olhe e se fosse mandar roçar silvas para o Vieiro, essa grande aldeia onde PROMETEU um Grande Alojamento Turístico!!
    Esqueceu a promessa ou sai desculpa?
    Banalidades e vazio. O Sr ao Herman DAR, DADO só dá paleio. Conversa.
    Sigam-me no blog aspromessasalopes.blogspot.com

  • António Lopes

    Pois…fui eu que prometi ao Senhor.Fui eu que me queixei.Qual é a promessa que não cumpri? Quando o juiz fizer melhor trabalho que o carteiro, já vês para onde vai o dinheiro.Com o Blog podias entrar logo com o teu que até é a mior parte…Fica mais uma proposta Promessa.Abre uma conta a favor de obras sociais.Mesmo falido, por cada euro que lá cair, de eleitos, eu ponho dois.Vale? O presidente, no Nogueirense, se tivesse os mínimos demitia-se…

  • Só me Gozam

    Só tenho quem me goze.Vêm estes senhores dizer que não têm mais turistas porque o caminho não o permite, e desmobiliza muitos de fazer uma visita.Vamos ao site da Câmara , a abrir as festas de Lourosa, mais uma,as três notícias que lá estão, é um concurso para um monumento às queijeiras (do leite espanhol),porque o do queijo da serra, com a promoção da feira do queijo cada vez é menos.Uma exposição de fotografia na praia Fluvial de Alvôco, e espante-se, um vídeo promocional da oferta turística!!! Ora e onde ficam os turistas? Na Ponte das Três Entradas, no Hotel que está à espera dos esgotos e da água,ou em Santo António do Alva no hotel que retardaram a licença e está à espera de indemnização? Esta gente anda a gozar connosco ou perderam a noção do ridículo??? Vamos à festa que o desenvolvimento pode esperar…

  • enverganhado

    envergonhado
    Ao pessoal do Cadastro.
    Mas quem é essa gente?…
    Outros arranjos do mestre Zé,gente boa,não há dúvida.
    Quantos são…? quantos são…?Mais ordenados acima da média.
    Andaram todos na Faculdade da noite, lá por Coimbra.
    Os peniqueiros e da Cordinha levam a palma.E os da minha zona,não têm nada?

  • Só me Gozam

    Ó João você é de cá? O mal deste Concelho e deste País é que os cidadãos vivem noutra.Levam porrada todos os dias e ficam felizes com o dizer mal. Os aldeamentos turísticos, não é alojamentos, vivem de condições e pessoas. Não se tem dado conta que voltámos a ser um País de emigrantes? O Senhor tem banca, em Portugal? Faz projectos como? Para quem? Acha que António Lopes, depois da forma como o tratam tem vontade de investir alguma coisa aqui? Só se for doido.Não tenho procuração mas não é preciso ser muito inteligente. Não sabe o porquê da conversa do Astérix? O grande medo do Sr.Presidente da Câmara é que o Lopes volte a distribuir dinheiro.Não viu o que se passou no Nogueirense? Porque acha que convidaram o Lopes? Que fazem os detractores? Falido, para ver se não o convidam e não influencia…com gente desta no poder…Hotel das Caldas de S.Paulo,complicar. Ponte das Três Entradas: água e saneamento,esquece.Vieiro e Vale de Ferro:promessas. Festas, vá dar uma volta e diga quantas são,hoje.Quem paga? Nós. Sabe quanto custa o projecto do Vieiro? Estrada? Água e esgotos? Os projectos são para ganhar dinheiro ou para satisfazer Astérixs que nem o nome colocam?

  • gentesemcaracter

    estes cavalheiros e cavalheiras políticos/politicas que comiam e comem na grande gamela, sem uma pinga de carácter e coerência , que venderam a alma a troco de uns dinheiros e lentilhas festins que não se cansam em andar e estimular festas e conluios financeiros e de grupelho agrícola- financeiro , nada fazendo para desenvolver, onde o principal objectivo era e é colocar amigos e comilões de festas e romarias em lugares que vão desde associações a escolas , hospitais e Arcial ainda se prestam a escrever nesta coisa chamada jornal ?
    Que falta de pudor atingiu o concelho e o país com tantos mediocres, “inter-seiros”, hipocritas, mentirosos, incapazes, incompetentes e falsos que orbitam em todas as cores que vão do CDS ao PCP e dos outros partidos .
    Faziam melhor se vissem a postura que têm tido e tiveram desde que lhes foi dado um poder em 2009 que nada mereceram .
    Nem estes nem os parasitas que lá estavam e que o poder os ajudou a destruir .
    Os Senhores da Casa Branca actual vão ter um fim pior que o MA e cª, .
    Este ainda tem meia duzia de fieís da sueca e copos e outros com chouriços em Angola ; estes vão dar o fora pela porta mais pequena com umas barrigadas de vinhaça, peixe e febras alimentada por uns jornalistas frustrados e que se vendem com facilidade e que há um bons anos defendiam precisamente o contrário .
    Mesmo os que agora aparecem a dizer não ,e que tiveram o mérito de tirar ao seu património e dar a causas publicas , esqueceram-se de terem sido colaboracionistas -revanchistas .!.
    Senhores,todos, respeitem para serem respeitados porque os leitores não vos elegeram para demonstrarem tanto ódio e corrupção , cobardia, falsidade, golpes palacianos de destituição de poder com fórmulas maçónicas e onde impera a mentira e hipocrisia.
    Vir a este jornal e ver noticias deste tipo é o espelho em que puseram o concelho e as pessoas que o gerem .
    Percebem porque a maioria dos oliveirenses ” que pensam ” e não andam em jantaradas de restaurantes, festas e quintas, vos manda em bom português de “gaiola dourada “à M**a , seus vig***s e não escrevem aqui uma linha ou uma palavra?
    Deve ser areia demais .