Alexandrino acusa alguns médicos de “boicote” ao SAP “numa tentativa de ele fechar” e coloca em causa qualificação de um clínico

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital teceu hoje duras críticas a “alguns médicos” do Centro de Saúde que se recusam a fazer horas extraordinárias no SAP, optando por “as fazer noutro lado com segundas intenções”. Em declarações recolhidas pela Rádio Boa Nova, José Carlos Alexandrino denunciou aquilo que classifica como uma situação de “boicote” por parte de médicos ao Serviço de Atendimento Permanente (SAP) “numa tentativa de ele fechar” e chega mesmo a colocar em causa as qualificação de um médico ali colocado.

“A colocação de alguns médicos é inadmissível. Foi colocado aqui um, sobre o qual temos dúvidas sobre a sua qualificação”, diz o autarca, acusando depois a atitude alguns clínicos de fazerem de tudo para encerrar aquele serviço. “Uns têm feito para que funcione, mas há alguns que hoje boicotam o SAP de Oliveira do Hospital numa tentativa de ele fechar”, acusa, frisando que há médicos que se recusam a fazer ali horas extraordinárias e as vão realizar noutros locais. “E isso com segundas intenções”.

“Por várias vezes o SAP tem estado na iminência de não ter médico na escala de serviço”, lamenta José Carlos Alexandrino que defende a independência do SAP do Centro de Saúde. “Tem de haver outro modelo de colocação dos médicos no SAP e temos de lutar por umas urgências a sério, 24 horas por dia, com raio X, análises e exames complementares. Isso é fundamental para o concelho”, frisou adiantando que está a negociar com o ministro da Saúde e que este lhe prometeu que virá brevemente a Oliveira do Hospital para visitar o Centro de Saúde, a FAAD e para realizar uma reunião de trabalho na Câmara Municipal. “Precisamos de ir mais longe na área da saúde. O SAP não pode ser um entreposto para Coimbra”, referiu.

O autarca explicou ainda que não aceita o facto de os oliveirenses terem que se deslocar para Arganil e depois para Coimbra. “É contra isto que me revolto”, frisa, sublinhando, porém que nada tem contra o Serviço de Urgência Básico (SUB) de Arganil, mas sempre deu a entender que se fosse ele presidente de Câmara naquela altura, aquele serviço teria ficado em Oliveira do Hospital.

LEIA TAMBÉM

Incêndio

Anda tudo a gozar connosco!!! Autor: Luís Lagos

Anda tudo a gozar connosco!!! Eu estou absolutamente farto!!! Fartinho!!! Haverá quem leia este post …

Marcelo Rebelo de Sousa visita Zona Industrial de Oliveira do Hospital devastada pelos incêndios

O Presidente da República já está em Oliveira do Hospital e visitou a zona industrial que …

  • Utente

    O presidente que se reduza à sua insignificância.
    É como o elefante, por onde passa, estraga.

    • António Lopes

      Até já avalia os médicos..! Uma inteligência..! Discurso para o Povoléu… Farto-me de dizer que é com este boquismo e por causa dele, que andamos a sofrer..!
      Espero que alguém me ouça..!

  • ATENTO

    “É contra isto que me revolto”, frisa, sublinhando, porém que nada tem
    contra o Serviço de Urgência Básico (SUB) de Arganil, mas sempre deu a
    entender que se fosse ele presidente de Câmara naquela altura, aquele
    serviço teria ficado em Oliveira do Hospital.

    Este presidente apenas exercia bem este cargo no PASSADO, (IC6 já estava concluído, o SAP tinha médicos em excesso, as etars estavam todas construídas, etc).

    No PRESENTE é aquilo que todos constatamos.

  • Espanta Médicos

    É preciso não ter vergonha. Tiraram o nono. Foram para o magistério. Aproveitaram o 25 de Abril chegam a diretores de agrupamento e a senhores doutores. Depois vêm por em causa profissionais da profissão que exige a mais alta classificação no acesso à Universidade.
    Há tempos vinham dois médicos. Uma “estava grávida o outro era tetraplégico mas eram bons médicos”. Resultado, nenhum apareceu cá. Mais recentemente foi com um médico Cubano. Depois houve-se em surdina: “Para Oliveira do Hospital aturar aquele louco”?
    Depois, quer que o aturem!

  • Pretuguês

    Os médicos “boicoitam-no”.
    Oito anos para nós dizer que era “boicoitado”.
    Coitado, tem sido uma vítima de médicos “boicoitantes”, e alguns deles, com cursos “boicoitados”.
    Vamos fazer uma marcha lenta para “boicoitarmos” os “boicoitantes” que o “boicoitaram”.

  • Xela

    Alexandrino afirma que se fosse presidente da câmara quando o SUB de Arganil foi criado, este teria ficado em Oliveira do Hospital.
    Pelo resultados que obtivemos no IC6, no Centro de Saúde, na EN17, na zona industrial, no aumento populacional, não temos quais quer duvidas.
    Vinha para Oliveira, se ele fosse o presidente da câmara de Arganil.
    Enfim, este personagem enferma de tamanha ignorância que nem sabe quem é João Pedro Travassos de Carvalho Pimentel, nem o que era este homem na altura.
    Deixo o link para lhe ensinar mais qualquer coisita.

    http://www.cm-arganil.pt/municipio/vereacao/joao-pedro-travassos-de-carvalho-pimentel/

  • João Dinis, Jano

    João Dinjs, Jano

    Alto lá que isto é assunto demasiado sério para ser tratado com oportunismos ainda que presidenciais…

    Em primeiro lugar, culpar médicos pelos problemas do SAP e do Centro de Saúde é desviar a atenção do essencial. Ao Ministério da Saúde compete resolver este tipo de problemas e sabemos bem o Ministério da Saúde tem tido pouca vontade política para os resolver a contento das Populações.

    Depois, até seremos capazes de ir reler a declaração primeira que sobre isto fez o Presidente da Câmara já lá vão quase oito anos. Para lembrar os compromissos “verbais” – as promessas – que então fez sobre a matéria mas que NÃO cumpriu. Como aliás acabou por não cumpriu várias outras.

    Há una anos até se fez mais uma manifestação, em Oliveira do Hospital, em que o Presidente da Câmara participou, e bem, a reivindicar soluções para o Centro de Saúde. Então, Senhor Presidente da Câmara, por que não se volta à rua em luta se os problemas se mantêm TAMBÉM na Saúde ?

    Quanto à teoria de que é necessário outro sistema para o SAP com outras condições etc, em geral podemos concordar. Porém :
    — Sabe-se bem que o Presidente da Câmara está a mandar a bola para as instalações do Hospital de Fundação para nelas passar a funcionar o SAP-Urgências…
    NÃO CONCORDAMOS COM ISSO !

    O Hospital da Fundação até pode vir a ter boas condições mas é PRIVADO – embora o Administrador seja de nomeação política por parte do Presidente da Câmara – e o Serviço Nacional de Saúde deve manter-se público e não privado.

    Se o SAP – público — não tem as melhores condições, pois que o Ministério da Saúde as ponha lá ! Até porque, sabido é também que se se fechar o SAP é todo o Centro de Saúde que fica em risco. E isso é o pior que mos pode acontecer ! É o pior que pode acontecer a quem não tiver (muito) dinheiro para pagar os serviços de saúde de que necessite!

    A seguir, são serviços relacionados com o próprio SAP-Urgências, mas não só, que vão encarecer no Hospital da Fundação. E alguém tem dúvidas quanto a isso ? Reparem os “ingénuos” que uma consulta de especialidade, no Hospital da Fundação custa caro enquanto que os mesmos médicos não “chegam” para reduzir os inadmissíveis longos prazos de marcação dessas consultas, “grátis”, pelo Serviço Nacional de Saúde… E devia ser no combate a esta injustiça gritante que até o Senhor Presidente da Câmara se deveria envolver mas que se não tem envolvido…

    Depois, temos o exemplo daquilo que aconteceu com as tarifas da própria Câmara em que a privatização de serviços de água, de.lixo e de saneamento levou a que, em média, esses Serviços tenham aumentado – e depressa – na ordem de 100% !!! Portanto, também por aqui podemos antever que a privatização dos Serviços de Saúde levará ao encarecimento do custo desses mesmos Serviços. Como já dizia o “outro”, —
    “quem quiser saúde pois que a pague !”. Mas se tiver dinheiro para isso, dizemos nós, E se não tiver dinheiro pois que morra ao abandono ! Será a consequência dramática das privatizações!

    João Dinis, Jano