Alexandrino acusa PSD de Oliveira do Hospital de reacções de “extrema-direita” e de ter posições próximas de Hitler

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital apelidou de “extrema-direita” a reacção do PSD local sobre a proposta que o autarca apresentou ao Governo, em nome do município, para receber dez famílias de refugiados do Norte de África. José Carlos Alexandrino foi ainda mais longe e sublinhou que as posições expressas pelos sociais-democratas oliveirenses estão próximas das “de Hitler”.

“O PSD é Governo e, neste momento, tem um problema  que terá de aceitar porque vai haver uma distribuição. A posição do PSD de Oliveira do Hospital é de extrema-direita”, frisou José Carlos Alexandrino que falava numa gravação publicada ontem no Facebook do jornal Comarca de Arganil, quando questionado sobre o comunicado do PSD local sobre o anúncio do autarca em relação à recepção de refugiados. O autarca argumentou ainda que a população do seu concelho é solidária e que pelas conversas que tem mantido o apoio às suas ideias é claro. Ao mesmo tempo, acusou a estrutura presidida por Nuno Vilafanha de apenas demonstrar que “não conhece o concelho, um concelho que tem grande solidariedade”. E rematou defendendo que a posição dos seus adversários políticos está “muito próxima da de Hitler”.

O PSD de Oliveira do Hospital, recorde-se, reagiu ao anúncio de José Carlos Alexandrino sobre a disponibilidade do município receber dez famílias de refugiados, acusando o autarca de fazer um discurso “paternalista” que soava “a falso” e que não “é compaginável com a frágil situação do nosso país e muito menos do concelho”. Considerou ainda uma “ falta de coerência e de respeito para com os oliveirenses” a afirmação de que existe disponibilidade para ajudar os de fora quando “não se ajudam de forma efectiva as pessoas do concelho”, lembrando que “há muitas pessoas desempregadas” e “muitos idosos que mal sobrevivem” e onde o número de nascimentos é “reduzido por falta de condições económicas”. Sublinhavam ainda que aquela intervenção não passava de ânsia de protagonismo e propaganda política.

O Primeiro-ministro de Portugal também se mostrou ontem cauteloso quanto à medida de Bruxelas que poderá obrigar Portugal a receber de 2.400 imigrantes em dois anos. Passos Coelho alertou principalmente para a necessidade de ter em conta as condições económicas dos países e a capacidade de os integrar no mercado de trabalho. “Temos tido dificuldade em oferecer as melhores condições aos que são de cá, portanto temos de ter aqui algum equilíbrio para poder acolher outras pessoas. Não podemos exigir àqueles que têm nível de desemprego mais elevado um esforço maior de acolhimento”, explicou.

“Alguma coisa acontecerá” diz Alexandrino sobre as medidas que anunciou na luta pelas acessibilidades.

Já questionado sobre o facto de se estar a esgotar o prazo, final deste mês (hoje), do seu anúncio de tomar “medidas radicais”, caso o Governo não oferecesse soluções para as acessibilidades ao concelho, nomeadamente a conclusão do IC6 e a  reparação da EN17, José Carlos alexandrino limitou-se a reconhecer que o prazo está de facto a esgotar-se, mas que algo existirá. “Acontecerá qualquer coisa, porque Oliveira do Hospital é um concelho onde as coisas acontecem”, disse.

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, recorde-se que a 20 de Abril, admitiu “radicalizar” a luta por melhores acessos se não tivesse uma resposta por parte do Governo até ao final de Maio. O autarca apontou mesmo como medida o bloqueio da EN17 entre o limite do concelho de Gouveia e de Oliveira do Hospital. “Havia uma coisa tremenda que teria resultados enormes. Era bloquearmos a estrada. Bloqueada completamente. Dezenas de quilómetros de estrada bloqueada. É isso que defendo. Temos de fazer algo que nos diferencie no país para que Lisboa olhe para nós”, disse na altura. O prazo, porém, termina hoje. Resta saber quais as posições que José Carlos Alexandrino vai tomar.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • Adolfo Haickman

    Este vosso presidente anda a brincar com coisas sérias. Alguma vez eu perdia tempo com dez famílias..? As nossas “soluções” eram em massa. Eles dizem que encomendei 6 milhões a Deus mas, foram muitos mais. Ele o que anda a ver é se vem lá algum Drogbá para jogar na bola. Isso ainda vá. Nos distritais. Daí para cima esqueçam. O que vai acontecer é que este mandato da Câmara e do Governo vai acabar e ICs nem vê-los. Vem aí o PS e eu, garanto:Nem vê-los..! Vir comparar o Vilafanha ao Mein “Fuhrer”.é como comparar uma pedra com a Serra da Estrela. Se eu ainda cá andasse não ia pro forno. Amarrava-o em cruz ao sol, até que os corvos lhe limpassem os ossos, só por esta comparação. Nunca o Vilafanha esperou tal elogio. Ser Comparado a Hitler..!

    Nosso presidente não faz descontos.Eu acho que não vai acontecer nada porque o “exercito da Guerrilha” são meia dúzia de gatos que não fazem “dôr” nenhuma e muito menos sangue. O que eles dizem é que é preciso cortar um bocadinho da língua do presidente, que só os compromete.

    Um cavalheiro que faz cortes numa verba de 50 mil euros, para o ensino superior e num subsídio de natalidade de 33 mil euros, está em condições, sequer, de pensar numa solução destas..? É só demagogia e protagonismo. Ao menos que leia o artigo do Presidente de Travanca, que perceba as soluções e a forma de tratar os assuntos .E as lambadas de luva branca, também.Que nos faça rir mas com algo que tenha piada…

    Só a solução que está a protagonizar para a Caixa Agrícola, que ajudou a levar à falência, e a recuperação que fez dos “prós e dos contras”,que por lá andavam, todos para o mesmo saco, mostra bem a personalidade que tem…É preciso é agarrar o lugar,que na próxima, vai para onde dê dinheiro, como aliás está negociado…
    “Porque non te callas” ???

    • respeitoaoproximo

      Este homem está mesmo louco.Um presidente maluco como Hitler é ele.Quando discurso é igual,tal e qual, e andamos a aturar um louco. Ele sim tem atitudes de Hitler e mandam como ele. Este homem ainda não viu as figuras tristes que faz! Estamos entregues a um ditador louco,pois é louco há muito.

  • Presidente

    Caros leitores e restantes interessados;

    Devido à conquista da Taça de Portugal pelo SCP, sou obrigado a prolongar o prazo do corte das estradas por mais um mês de modo a que todos os adeptos sportinguistas possam deslocar-se para os festejos que se adivinham.
    Aproveito também para endereçar os parabéns a todos os sportinguistas, em especial os do concelho de Oliveira do Hospital

    Alex
    Presidente da Kembra

  • josé santos

    dá a tua casa pá!já disse isso no outro dia. é só paleio e conversa fiada.paga é do teu bolso para meteres cá os macacos.sempre a contar com a carteira dos outros.

  • atento

    Que vergonha. Queria fazer negócio com as casas. Mas quem manda é o Governo. Ditadura pura e dura

  • Zé do Telhado

    ESTA VIDA NÃO CHEGA A (SO)NETOS (Primeira entrega)

    Solidariedade muito fantástica

    O nosso mais ilustre conterrâneo

    Anunciou, com certo tom de mágoa

    Tomar migrantes do mediterrâneo

    Por ser sensível aos temas da água.

    Defensor dos malfadados,… desta vez,

    Num exemplo de política com ética

    Aos coitados leccionará Português

    Quanto a ele…terá aulas de aritmética.

    Mas não julguem que se lhe esmorece o ânimo

    Nesta luta à morte com a desgraça alheia

    Que faz dele todo um animal social.

    Pois a cabeça de “Alex, O magnânimo”

    Já pondera aceitar mais dúzia e meia

    Para a casa que possui no Ervedal.

    • respeitoaoproximo

      Pois é tem a casa vaga. Para lá com os refugiados.

  • Josef Goebbels

    Esta comparação ao Hitler até pode fazer algum sentido. Acho que, no fundo, se querem auto-comparar ao Josef Goebbels. Só que, nesse como com o Péron, está a milhas…Já houve um Camões pequeno e também há “Goebbels” pequenos…