Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) conseguiu captar este ano mais do triplo dos alunos que no ano passado, passando de 13 novas caras para mais de 40 no ano que agora começa a dar os primeiros passos. Mas ainda ficaram muitas vagas por ocupar. O CBS foi conversar com os alunos e confirmou que o estabelecimento é importante para dar a conhecer a cidade. Muitos dos alunos que chegam de fora admitem que pensavam que Oliveira do Hospital era uma “rua de Coimbra”. Mas algum tempo depois não escondem que é fácil adaptarem-se à cidade e ganhar afecto pelas suas gentes. O futuro deste polo, reconhecem, depende da capacidade de promoção que deve ser feita, da captação de novos cursos e da reabertura de alguns que foram encerrados.

IMG_4763 (Small)Joana Olaio, natural de Pombal, Leiria, que se encontra actualmente no terceiro ano de Administração e Marketing, por exemplo, está convencida que a abertura do curso de Desenvolvimento Regional do Ordenamento do Território no ano passado já ajudou a fazer alguma diferença. “No primeiro ano houve poucos interessados, mas este ano já entraram três vezes mais alunos nesta licenciatura. Há que dar tempo ao tempo”, sublinha esta estudante. Mas o encerramento de algumas áreas de estudo mais significativas não tem ajudado ao desenvolvimento. O caso mais citado é o encerramento do curso de Administração e Marketing. “Era importante que reabrisse, já que, juntamente com Administração e Finanças, era dos cursos que mais alunos trazia para a ESTGOH”. O encerramento causou alguns problemas aos alunos que só têm a certeza deIMG_4759 (Small) que este ano lectivo ainda há a possibilidade de terminar o curso em Oliveira do Hospital. “Os alunos que já frequentavam Administração e Marketing têm a oportunidade de o acabar cá. A escola dá a oportunidade de se inscreverem a todas as cadeiras este ano, a fim de poderem concluir o curso. Caso não consigam concluir o mesmo este ano não sabemos se teremos ou não de o concluir noutra instituição de ensino”, refere a aluna Andreia Henriques.

O representante da Associação de Estudantes André Castro, pela sua experiência, não tem dúvidas que outro entrave para a captação de mais alunos tem a ver com a falta de divulgação do estabelecimento de ensino. Sublinha mesmo que um pequeno vídeo promocional feito em Maio já deu os seus resultados. “Foi realizado com o objectivo de divulgar a escola, procurando demonstrar a vida de estudante desde a sua inscrição, passando pela praxe, pela procura de casa e pela finalização do curso”, frisa, sublinhando que “não é pelo facto de Oliveira do Hospital ser uma cidade pequena que não há espírito académico e bons resultados académicos”.

O período de tempo que o CBS esteve em contacto com os alunos deu para perceber que muitos deles antes deIMG_4734 (Small) chegarem mal tinham noção de onde ficava e como era na realidade a cidade de Oliveira do Hospital. “Eu, como 90 por cento dos alunos, pensava que Oliveira do Hospital era uma rua de Coimbra”, revela Joana Olaio admitindo que “no início” estranhou a existência de uma Escola Superior num meio tão pequeno. “Mas adoro isto, o espírito académico é fantástico e a integração que existe é muito boa. Não é por acaso que depois de chegarmos, cerca de 85 por cento dos alunos, optam por cá ficar”, diz.

Natural de Esposende, Hugo Fonseca, caloiro de Administração e Finanças confirma este sentimento. “Também pensava que Oliveira do Hospital ficava em Coimbra”, conta, adiantando que chegou ainda concorrer à 2º fase de acesso ao Ensino Superior para ir para mais próximo da família, mas sem êxito. “A verdade é que estou a gostar dos primeiros dias que estou a passar nesta cidade”. Uma opinião partilhada por Edgar Miguel, natural de Oliveira de Azeméis e aluno do 3º ano de Administração e Marketing. “A integração é óptima, o que nos faz cá ficar é o espírito. Quando vinha para cá pela primeira vez estranhei, não estava habituado a ver paisagens do interior, mas rapidamente fiquei um fã de Oliveira do Hospital, tanto pelos antigos alunos, como pela população. Oliveira do Hospital é uma cidade acolhedora”.

IMG_4725 (Small)Dado o número de alunos existentes, os estudantes nem consideram que sejam necessárias novas infra-estruturas. “As actuais são adequadas para a comunidade estudantil e respectivos docentes”, sublinham os membros da Associação de Estudantes que não escondem alguma admiração pelo director da escola e pela actuação da Câmara Municipal. “Se não fosse a CMOH a escola já estaria fechada”.

O representante da A.E, André Castro, adianta ainda que a Recepção ao Caloiro já tem data, está marcada para os dias 6,7 e 8 de Novembro e o cartaz oficial deve ser divulgado dentro de uma semana. Sublinha que “o objectivo é atrair toda a comunidade, temos pena que não haja uma maior adesão por parte dos populares locais, no entanto, esperamos que já nesta próxima Recepção ao Caloiro tal se venha a contrariar e possamosIMG_4738 (Small) ter uma grande moldura humana”. Aqui fica uma das poucas críticas à população. “Vê os estudantes de forma um pouco recriminatória, têm uma mentalidade demasiado conservadora”, dizem lembrando que há poucos dias, numa festa académica, realizada num bar no centro da cidade, lhes foram arremessados pedaços de fruta vindas de habitações. “E não foi um caso pontual”, concluem.

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

António Lopes apresenta denúncia no MP contra as autoridades do concelho oliveirense por entender que pode existir “crime de homicídio por negligência” na tragédia dos incêndios

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital, António Lopes, apresentou ontem uma denúncia …

  • Erasmo de Roterdão

    Lá está o CBS a dizer mal..! Então os alunos não sabiam onde era Oliveira do Hospital? Pensavam que era uma rua de Coimbra? Com as horas de televisão da volta, e das festas
    da Expo que o nosso “Alcaide”diz que são um investimento na divulgação de Oliveira, vêm estes jovens dizer uma barbaridade destas..? Isto, cá para mim, é encomenda de uma pessoa que eu conheço…

    • Linguarudo

      Lopes, bem diz a tua santa mulher. Língua não te falta. Mas lembra-te que pela boca morre o peixe.

      • Erasmo de Roterdão

        Tem o “irmão” toda a razão. O nosso presidente não diz que o dinheiro gasto divulga o Concelho? Aí tem a prova..! Efectivamente, pela “boca morre o peixe”..! E contra factos…tenho a certeza que se a “compahia” do “irmão” falasse com ele ia dizer a mesma coisa…ia apreciar os dotes de “oratória”..!

        • A Canhota

          Irmão? Mas que história é essa Lopes? Estás a falar de que irmandade? de Tavanca? Sempre tiveste essa mania dos dotes de oratória. Mas os teus dotes de oratória também só existem quando puxas pelas LECAS. Porque quando não há guito, lá ficas a falar sozinho com a IRMÃ CANHOTA. Estás a ver, que pela boca morre o peixe. Aprende que eu não duro sempre.

  • Leandro Santos

    Realmente é bastante cómico, tanto dinheiro estoirado a promover o concelho com voltas e festas e ainda há muita gente que não sabe onde é Oliveira do Hospital! QUando o dinheiro não é nosso…

  • Politicalex

    Bem… para não bater mais no ceguinho, porque, porque o é, dificilmente vai abrir os olhos, sempre gostava de deixar dito: Num “torrão” à beira mar plantado, com 92 mil Km 2 ´epressuposto que um estudante universitário, pelo menos no Mapa, e depois de escolher, sabe onde é Oliveira do Hospital.Mas, como depois de formados aceitam empregos de 5oo euros, é sinal que nnão se sentem confortáveis para exigir mais.Entretanto já dão aulas de Kama Sutra já “cheiraram” tudo o que havia para “cheirar”.Só não sabem o que lhes faz falta para a vida.O resto sabem tudo..Fruta da época..!

  • Guerra Junqueiro

    A qualidade dos alunos deve ser compatível com os curso ministrados. Só deram conta que Oliveira do Hospital é uma cidade do interior quando chegaram, queriam Coimbra! Estamos conversados.
    Acho que depois de formados não têm curriculum para ombrear com a Directora de Comunicação.
    Aqueles 6 alunos, são os finalistas? Valha-me Deus, deixem-se de brincar, para ser assim, vale mais fechar. Mas lá perdiam os empregos algumas bandeirinhas.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • ESTGOH

    Boa Noite ! antes de mais queria começar por dizer que sou aluno da ESTGOH e não consigo ficar indiferente com as criticas aqui a baixo ditas, pois criticar toda a gente sabe e ao ler estes comentários concluo que todas as pessoas que comentaram devem ter só lido apenas o primeiro excerto da noticia, pois todos reclamam APENAS com o facto de termos dito que Oliveira era uma rua de Coimbra, acho que a entrevista não se resume a essa frase mas pronto o povo Português é assim mesmo, para criticar está lá sempre. Em vez de criticarem deviam era ficar felizes por a Universidade ainda estar de pé e assim sempre dá vida a está cidade, isto sem falar que uma das fontes de rendimento de Oliveira é a ESTGOH que em média por mês cada aluno gasta 500 euros em Oliveira, agora acho que deviam de pensar duas vezes antes de perderem o vosso tempo e vir criticar uma frase que foi dita, porque sim, o que está a ser criticado é só essa frase e nada mais e se leram bem o resto da entrevista ninguém fala mal de Oliveira antes pelo contrário quem cá está, gosta de cá estar !

    ESTGOH É NOSSA E HÁ-DE SER !
    Cumprimentos

  • Erasmo de Roterdão

    Meu bom jovem. Gozai vossos verdes anos e não vos preocupeis, mais que o necessário, com assuntos de somenos. Também podeis ganhar um pouco mais de humildade. Não precisais justificar quão útil e proveitosa é a vossa presença. Se mais não fora pela juventude e vivacidade que transmitis a esta hospitalária e hospitaleira cidade A frase, em boa hora dita, só foi retirada do contexto para fazer sobressair as falacias de nosso “Alcaide” que esbanja em festas o que devia mobilizar para o enriquecimento de vossos estudos. Debalde, Oliveira não é assim tão conhecida. Essa é a questão. Diverti-vos, estudai. Não vos flageleis por causa do “lapsus linguage”

  • AlunaEstgoh

    Boa noite. Sou aluna da ESTGOH e sinceramente fiquei estupefacta
    com tanta barbaridade dita nos comentários anteriores. Para começar, não irei
    admitir que ninguém, mesmo NINGUÉM, me venha dizer que respeito e humildade me
    faltaram nas palavras que irei citar. Porque simplesmente se as pessoas não sabem
    respeitam os alunos desta instituição, também não merecem o devido respeito. Inicialmente
    li um comentário que dizia algo como: “Mas, como depois de formados aceitam
    empregos de 500 euros, é sinal que não se sentem confortáveis para exigir mais
    .Entretanto já dão aulas de Kama Sutra já “cheiraram” tudo o que há
    para “cheirar”..!.Só não sabem o que lhes faz falta para a vida. O
    resto sabem tudo..! Facilismo… a fruta da época..!”. Amigo(a), se é uma
    pessoa tão culta e tão convicta das suas palavras, certamente saberá que o pais
    está em crise. Sabe que qualquer licenciado, de qualquer instituição, não terá
    facilidades em arranjar emprego. Não é por ser da ESTGOH! Sabe que cada vez
    mais o “factor cunha” não resulta, como em tempos resultou. Quando há falta de
    melhor, é bom aceitar algo. Em vez de estar sentado com o rabinho no sofá sem
    fazer absolutamente nada. Deveria de pesquisar sobre a taxa de empregabilidade da
    ESTGOH, certamente iria engolir cada palavra que escreveu. Quanto ao :” Entretanto
    já dão aulas de Kama Sutra já “cheiraram” tudo o que há para
    “cheirar”..!.” desculpe?! Qual é mesmo o seu problema? Porque é que
    tem que criticar tanto os alunos desta instituição? Porque é quem tem que estar
    a meter tudo no mesmo saco?! Sim, porque deve de ser só agora que existem “rufias”
    que fazem esse tipo de coisas. Sim, em tempos passados nunca houve alguns que
    fizessem o mesmo. Opah, por favor. Poupe-me! Fruta da época?! Sinceramente não
    sei se você será futa da época ou fruta podre ;). Outro comentário também
    bastante interessante de analisar será o seguinte: “Só deram conta que Oliveira
    do Hospital é uma cidade do interior quando chegaram, queriam Coimbra! Estamos
    conversados.

    Acho que depois de formados não têm curriculum para ombrear com a Directora de
    Comunicação.

    Aqueles 6 alunos, são os finalistas? Valha-me Deus, deixem-se de brincar…” .
    Bem cara colega, se você alguma vez se tivesse candidato online, certamente
    iria entender a razão de muitas pessoas pensarem que é Coimbra. Quando
    escolhemos o Instituto Politécnico de Coimbra, aparece-nos a ESTGOH. Visitamos
    o site desta instituição e acabamos por nos candidatar. Muitos colocam como
    1ªopção, sem saber se entram. Outros colocam como 2º/3ª/4ª opção e nem imaginam
    ir lá parar. Quando são apresentados os resultados, vamos ver onde fica a
    escola… Acho que faz todo o sentido. Ou seria mais correto quando cada aluno se
    candidata, ir verificar as 6 moradas das instituições que escolheu? Pois, é uma
    questão curiosa… Quanto ao resto, está nos a chamar de incultos e sem
    qualificações suficientes, mas no entanto é a senhora que vê 6alunos trajados e
    diz que são finalistas. Por amor da santa! Se quer fazer um comentário
    construtivo, tem obrigatoriamente que se instruir primeiro. É que nem me vou
    dar ao trabalho de lhe explicar a barbaridade que acabou de dizer, já que
    também sou uma pessoa sem qualificações ;). Enfim, sempre me disseram que mais
    vale parecer um idiota de boca fechada do que abrir a boca e dar toda a
    certeza. Sim, eu sei que sou uma mal educada, não sou humilde etc. Mas olhem,
    continuem a criticar… Vão nos tornando mais fortes a cada dia.

    A ESTGOH É NOSSA E HÁ-DE SER!!

    Cumprimentos

    • Amigo

      Amiga, posso concordar com tudo menos com a ultima parte. Borraste a pintura toda. Mas então, ao fazeres a candidatura, mesmo que em 6ª opção, por muito remota que seja a probabilidade de ires parar a Oliveira, não pesquisas minimamente para onde vais? Não faz sentido pesquisares a instituição? Ir ao mapa? O Google é nosso amigo… Ver as acessibilidades? Há autocarros? Comboio? Avião? São só 3 anos (no mínimo) que lá vais passar! Se calhar para tomares uma decisão responsável não basta fazer uma cruzinha na plataforma.

      • AlunaEstgoh

        Se leu o que eu disse, eu disse que entravamos no site na instituição quando efectuavamos a candidatura. Então vai me dizer que quando se candidatou em Julho, foi ver todos os meios de transporte e todas as moradas das instituições que se increveu? Ou só quando saiu o resultado?

  • Guerra Junqueiro

    Desculpem lá caros alunos, mas só mesmo quem nunca pôs os pés numa faculdade pode falar como vós.
    Caso faltem 3 ou 4 alunos numa aula, têm quórum para continuar?
    Digo mais: Não faltando ninguém têm quórum para que um professor que se preze
    dê uma aula?
    Para além das aulas, fazem campeonatos do que quer que seja entre cursos?
    Falam os de engenharia com os de letras, e os de direito com os de medicina?
    Por amor de Deus, façam lá de conta que são alunos de uma Universidade, que nós fazemos de conta que a ESTHOG é uma Faculdade.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Aluna

    Sim, nota-se que você meteu os pés numa Faculdade. Nem sabe
    distinguir finalistas de meros trajados. Para que saiba, sim se faltarem 3 ou 4
    alunos há aulas. Para além disso temos professores com bastantes qualificações
    a darem-nos aulas. Porque certamente se não gostassem, não continuariam a exercer
    a profissão na ESTGOH.
    Ah, já entendi tudo agora… Nós não “… têm curriculum para
    ombrear com a Directora de Comunicação.” porque não fazemos campeonatos entre
    engenharia e letras ou entre direito e medicina. Sim, peço desculpa. Você tem
    toda a razão. Poupe-me! Existe muito mais espirito académico em Oliveira que em
    cidades grandes. Mas se falam tanto é porque se sentem incomodados. Porque
    ninguém fala de algo que não lhe “faz comichão” 😉
    Saudações Académicas

  • Elite do Ervedal

    Há um engenheiro que foi tão bom aluno numa faculdade que ficou desempregado sabe-se lá porquê!

    Depois disso passou a destilar ódio contra tudo e contra todos para se sentir um verdadeiro “Guerra Junqueiro” e assim aliviar a sua própria culpa.

    Fica lá por África que aqui em Portugal, com as tuas qualificações e capacidade de trabalho não há emprego para ti. Esse pensamento elitista conduziu-te aquilo que é hoje a tua vida.

    Sabes há engenheiros formados na ESTGOH que estão a trabalhar e, por sinal, os patrões estão satisfeitos. Queres exemplos?

    Alunos da ESTGOH força, tenham orgulho da vossa Escola, o resto vem por acréscimo.

  • Pombo-Hibrído

    Alunos e Amigos da ESTGOH, muito bem, defendam a Escola com unhas e dentes e nunca deixem que 2 frustrados e derrotados que para aqui andam sempre, de quem ninguém gosta, vos desanimem com os seus comentários de baixo nível, fruto das suas frustrações e derrotas pessoais.
    Lutem sempre pelo que acreditam e lutem sempre pela a ESTGOH, pois ela é nossa e há-de ser, sempre.

    Cumprimentos

  • Patilhas

    Zé do rio
    Élite do Ervedal Mais logo prepara-te que vão saber quem são :Alex, Engº Maia,So..ares,Presidente de um certo Agrupamento e até um tal que faz teatro,pois bem o vi cá na casa da cultura. Estes dias vou preparar e saber mais para vos elucidar. Todos bons rapazes,quando lhes está a correr tudo pelo melhor,depois ai meu Deus que víboras do pior .

  • Politicalex

    Cara “aluna da ESTGOH”: Não retiro uma virgula ao que escrevi. Com o “rabinho sentado” quero dizer-lhe que nem para estar nesse estado, aceito os tais 500 euros. A ver se nos entendemos. Essa crítica não é para e ESTGOH. E para todos os senhores doutores e engenheiros que aceitam essa “gorjeta”, sejam eles formados em que escola seja. Porque para defender a ESTGOH, peço meças a um qualquer. Quem mata e matou a ESTGOH, são os que se viram contra os professores e inda não há muito tempo foi aprovada, na Assembleia Municipal, uma moção contra o Senhor Director. Se procurar, deve encontrar escrito por mim, que o poder instalado prefer fazer campos de futebbol e mercado para estar às moscas em prejuízo de uma ESTGOH condigna. Por certo encontrará palavras minhas a defender a opção ESTGOH. Como se diz na bíblia: “Não são os que dizem Senhor,Senhor, que entram no reino de meu pai”. Para dizer que andam por aqui muitos defensores da ESTGOH que só a matam. Quanto ao resto só a falta de imaginação e bom senso que se vê na exposição pública de algumas praxes, denotam bem o que anda nestas cabecinhas. O que me confronto diariamente é com Senhores doutores e Eng. que se entendem muito mal com a língua e história Pátria. E quando assim é, argumentando, todos temos razão. Não terão razão e é o sinal dos tempos, que critico, os que metam para lá pessoal, ao abrigo de todas as lógicas e interesses, menos os dos estudantes e do bom ensino..

  • Corto Maltese

    O Elite do Ervedal deve
    ter um nó cego no cérebro e acaba a confundir tudo. Confunde coluna vertebral e
    carácter com pensamento elitista. Confunde pensamento próprio e de seguir
    cegamente uma bandeirinha com incapacidade profissional. Confunde o caos em que
    o Governo Sócrates deixou este país com incompetência ao referir as
    dificuldades de um engenheiro extremamente qualificado encontrar emprego. No
    final, oferece-se para dar exemplos de engenheiros que estão empregados, após
    tirarem o curso na ESTGOH e com os patrões satisfeitos.
    Sem querer ofender as capacidades dos alunos da ESTGOH, que como em todas as
    faculdades haverá competentes e incompetentes, seria melhor o Elite do Ervedal explicar
    as qualificações que justificaram a subida meteórica de uma senhora que do
    nada, ou melhor, começou pelas unhas e acabou no alto cargo na ESTGOH. Terá sido por competência ou por estar ligada a
    determinado manda-chuva cá do burgo? Explique, por favor. Pois, num país destes,
    talvez o Guerra Junqueiro só tivesse duas opções: baixar a cabeça e seguir a
    manda ou manter-se independente e lutar a nível internacional. Escolheu a
    segunda. Com êxito. Qual o demérito de ser em África? Ai, Elite do Ervedal, Deus
    te recolha. E desconfio que partes dos tostões que te vão caindo no bolso me
    vão saindo da carteira. Triste Burgo este em que o povo paga a estes
    comentadores de vão de escada…

  • JPCRUZ

    é pena só pensarem na ESTGOH quando ja estavam a roubar os melhores cursos a CDU ja andava a alertar á vários anos para descalabro que ia acontecer e mais se não fosse os CET´s que curiosamente foi um ex vice presidente que teve essa ideia que que nunca o apoiaram nessa altura, a ESTGOH já teria o fim determinado para o próximo ano. Por isso quando criticavam essas ideias parece que não eram tão más quanto isso. devia-se era de fazer uns estudo para saber qual o impacto é que teve a saída dos 3 melhores cursos da ESTGOH á economia regional. E mais vos digo constasse e disse por ai que o presidente da ESTGOH e o Presidente da Associação de estudantes da ESTGOH já tem lugar garantido na BLC3 assim sendo se isto for verdade será que se preocupam com a instituição ou preocupam só com eles? Qual foi a vantagem DE a doutora Cristina Oliveira para o concelho ?

  • Patilhas

    Patilhas
    Bravo Corto Maltese, assim é que é falar.Estes palermas de trazer por casa. Reg Agrícolas que não sabem falar só berrar para lhe dar altura uma 1ª dama com vasto curriculum…no corte de unhas, como Directora de Comunicação ,um Alex que só faz malabarices e jogatanas,no Agrupamento a maior inteligente do país,na caixa o homem com o maior grau académico do Concelho…Tudo Élite..Po.ra antes quero o meu Vale do Alva.