Alves desconhece perda de serviços da Segurança Social e garante “bater-se até ao limite” pelo SAP

“Eu ouvi hoje e pela primeira vez”, referiu Mário Alves em reunião pública do executivo, depois de questionado pela vereadora socialista que – “sem querer levantar alarme”, disse Maria José Freixinho – disse ter ouvido falar que “o serviço local da Segurança Social estará em vias de ser reestruturado, conduzindo ao afastamento em relação aos cidadãos”.

“Fala-se que o serviço será transformado num posto de recepção de documentos e deixará de proporcionar serviços de tesouraria e de atendimento ao público”, alertou a eleita socialista, considerando que “a ser assim será muito penoso para nós”, por entender que nem todos os oliveirenses estarão à vontade para fazer uso dos serviços disponíveis online.

Coube, contudo, ao próprio colega de partido informar a vereadora de que aquele serviço “está firme e capacitado no concelho”. “Cria-se a intoxicação junto da população com objectivos alarmistas e calculistas”, observou José Francisco Rolo, garantindo que se trata de um “boato”.

O socialista lembrou, inclusivamente, que a Segurança Social já apoiou a constituição de um Gabinete de Inserção Profissional junto do município, bem como o Contrato Local de Desenvolvimento Social.

“Eu espero e desejo que isto não passe efectivamente de um boato como diz o José Francisco Rolo. Mas, tem que andar à procura dos boateiros porque não é o presidente da Câmara”, retorquiu Mário Alves, garantindo que “ainda não tinha tido conhecimento de absolutamente nada”.

“Bater-me-ei até ao limite e farei uma manifestação e todas as que forem necessárias, se o governo quiser fechar o SAP”

A questão da perda dos serviços acabou, contudo por acender os ânimos na reunião do executivo, com o vereador José Francisco Rolo a acusar o presidente da câmara de andar a “alimentar o espantalho do encerramento do SAP”. “Até o utiliza nas discursatas políticas”, acrescentou, questionando o autarca se “já algum serviço fechou?”.

Surgiu a intervenção de Rolo, na sequência da posição defendida por Mário Alves de que os oliveirenses não ganharam “nada” com a criação da Unidade Básica de Saúde de Arganil. O Socialista não hesitou, porém, em verificar que Alves “não se bate por ter cá nada, mas critica o que aparece nos outros sítios”.

“O senhor cavalga isto há anos”, insistiu Rolo numa intervenção bastante inflamada e com tom de voz elevado, recordando que “o SAP já esteve para fechar à noite, no anterior mandato”. “No tempo do governo do seu próprio partido”, especificou, contando que o problema acabou por ser ultrapassado com a vinda de dois médicos de Arganil e “até agora não há SAP encerrado”.

Quem pareceu também ter uma posição bem definida em relação ao SAP foi o presidente da câmara, que convidou o vereador da oposição a fixar o dia – 4 de Agosto –  em que lhe disse: “eu bater-me-ei até ao limite e farei uma manifestação e todas as que forem necessárias, se o governo quiser fechar o SAP”.

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …