Incêndio

Anda tudo a gozar connosco!!! Autor: Luís Lagos

Anda tudo a gozar connosco!!! Eu estou absolutamente farto!!! Fartinho!!! Haverá quem leia este post e pense: lá está o político a tentar tirar dividendos da desgraça alheia. Não, meus caros! Quem escreve não quer tirar dividendos nenhum da desgraça alheia. Até porque a desgraça é própria. Quem escreve não é o político. É o empresário, o marido, o filho, o familiar, o amigo e, sobretudo, sobretudo, meus amigos, o pai. Eu não admito, eu não me resigno, eu não consinto o que os meus filhos e os filhos de outros tiveram de passar. O trauma que tudo isto foi. Se nos calarmos, somos coniventes e solidários com a incompetência, a falta de ética, com a incapacidade, com tudo o que nos faz mal. E eu, enquanto achar que tenho razão, não me calo. Não me calo enquanto pai que teve os filhos quase a arder. É isso, em perigo de morrerem queimados, enquanto temos governantes que se queixam por não terem tido férias. Enquanto um secretário de estado acha que temos de ser mais proactivos a defender o que é nosso. Enquanto um primeiro ministro acha tudo isto normal e que temos de nos habituar.

E, por favor, não me digam que hoje ninguém limpa os matos, que hoje é só interesses em que arda a floresta, que os campos estão abandonados, que o clima é isto e aquilo, etc, etc, etc. É que isso para mim não chega. Não chega porque os responsáveis políticos sabem disso e não é de agora. Sabem bem o que temos. São é completamente incapazes de se prepararem para nos defender. Para defender o povo português. Não conseguem! São incompetentes. E o que é extraordinário é que nos pagamos-lhe e depositamos a nossa confiança colectiva neles para isso. As terras e agricultura não foram abandonadas ontem, os matos não se deixaram de limpar ontem, mas, hoje, continuamos a não ter meios e capacidade de responder ao que aconteceu. E o extraordinário é que no mesmo ano, sim, no mesmo ano, a desgraça já aconteceu em duplicado. É mesmo verdade, já morreram cento e tal pessoas. Sim, já morreram. Se isto é normal, se nos permitimos continuar a arranjar desculpas para o falhanço absoluto das funções do Estado, então já não somos um Estado. Tudo ultrapassa o razoável e o entendimento humano, na minha opinião.

E não se culpem os bombeiros que andaram no terreno. Uns heróis. Ofereceram tudo. Os políticos não lhes dão é mais para eles oferecerem. Não se culpe a GNR que fez o possível no meio do drama que se viveu.

Agora, chegarmos ao ridículo de não existir um gerador no Centro de Saúde de Oliveira do Hospital e o mesmo ficar sem energia. Ao cúmulo de os Bombeiros não terem um gerador para fornecer energia ao quartel numa situação como esta. De a Zona Industrial de Oliveira do Hospital, o pulmão económico do concelho, não ter umas bocas de incêndio espalhadas pela mesma que permitisse a defesa da mesma numa situação de emergência como esta. Onde é que está a protecção civil? Quando é se instalam umas bocas de incêndio e se dá formação às populações para defenderem as suas aldeias? Nada feito!!! Passam os anos e nada feito. Que vergonha. E agora vão chegar as chuvas, vamos ter inundações no país todo e também vão dizer que é das alterações climáticas e etc, etc, etc. E, no próximo ano, repetimos o cenário. Que vergonha! Que desilusão. Que incapacidade.

Este post não é escrito para arranjar uns likes. Eu não quero likes. Eu peço é consciência cívica às pessoas. Que sejamos um povo que não se resigna e acomoda na brandura da fatalidade. Ainda ontem a Galiza se levantou e contestou na rua exigindo aos seus governantes outra atitude, outro comportamento. Nós temos de exigir. Se nos calamos, perdemos a nossa dignidade. Basta!!!!

Autor: Luís Lagos, eleito da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital

Nota: Este texto foi retirado da página do facebook do autor.

LEIA TAMBÉM

IP reforça meios de prevenção e limpeza de gelo e neve nas estradas da Serra da Estrela com novo Silo de Sal-gema na Guarda

A Infra-estruturas de Portugal (IP) instalou na Guarda, um novo silo de sal-gema com capacidade …

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

  • António Lopes

    De facto não é o momento para as críticas e por mais que não seja essa a intenção, nunca de um duplo juízo nos livraremos.

    Mas, já foi depois de Pedrógão, que o Senhor Primeiro Ministro apontou Oliveira do Hospital como um exemplo do combate aos incêndios.”Têm lá uma solução para resolver o problema e com rentabilidade”… uma coisa parecida com isto, referindo-se à biorefinaria que nunca “biorefinou nada” e como tal não é nem foi solução para coisa nenhuma. De facto há quem não olhe a meios para atingir fins.

    Finalmente foi conseguido o desejo porque tanto lutaram.Oliveira do Hospital passou, efetivamente, para o mapa e para a história.Afina,l foi do Salão Nobre de Oliveira do Hospital que, Sua Excelência o Senhor Presidente da Republica disse que era tempo de acabar com a irresponsabilidade, a verborreia e a demagogia ,de que para já, temos uma ténue demissão…

    Quanto a geradores e outras precauções e prevenções, já disse tanto que não digo mais nada, até por não ser o momento. Espero que o Senhor Presidente da Proteção Civil local tenha aprendido alguma coisa, e que, coo sempre tenho dito, há mais Concelho para além das festas.
    Quanto aos necessários apoios, que se impõem,acompanho com expectativa o desempenho e a fresolução..!
    Entretanto, vou relendo o Marquês de Pombal, nos dias seguintes ao terramoto…

  • Oliveira

    O texto e o comentário anterior demonstram bem o caráter destas duas pessoas.

    • António Lopes

      Pelo menos, essas duas pessoas, assumem o que pensam identificando-se de forma que todos os conheçam.Quanto a caráter pelo que me toca, peço meças a qualquer.E porque assim é, enquanto uns choram e lamecham, eu, revolto-me.Hoje mesmo, dentro das funções que ainda tenho, perguntei a quem de direito, o porquê desta catástrofe e apresentei a razão por que ela teve estas dimensões.Na próxima semana, vou apresentar queixa crime por homícidio “involuntário”. contra o Senhor Presidente da Câmara, da Proteção Civil e da Comissão de Defesa da Floresta que, no caso são a mesma pessoa.Leia a lei 124/2006 e actualizações, até à 76/2017, que a nossa Câmara até “corrigiu” e depois falamos.E quando quiser fazer este tipo de criticas assuma-se.