Ano novo, vida velha. Autor: Nuno Pereira

Antes de mais bom ano para todos os Oliveirenses, para todos os Portugueses e para todo o mundo.

Passada que está, esta época natalícia é tempo de deixar de estar à espera do Pai Natal ou dos Reis Magos.

A população local tem ouvido sempre, com a crença de que a culpa é dos outros, que nada se faz por causa do tipo A, B, ou C ou do partido A, B, ou C.

Temos neste momento um Governo do PS/BE/PCP, temos uma Comunidade Intermunicipal com presidência do PS e temos as estruturas regionais com 99% de liderança de esquerda.

Estamos a falar de associações, organismos e municípios como os de: Oliveira do Hospital, Tábua, Seia, Nelas, Carregal do Sal ou Penacova.

Depois de constantemente desde 2011 haver sempre uma desculpa aqui ou ali, agora acabou essa desculpa. “A esquerda tem tudo para poder executar e nada para se desculpar.”

Esperámos nós até ao dia dos Reis (6 de Janeiro), que em Oliveira do Hospital fosse anunciada a manutenção do Centro de Saúde e a chegada dos novos médicos, a reabertura do tribunal, a abertura de pelo menos mais 2 agrupamentos de Escolas, já para não falar das obras que têm de ser feitas nas escolas, a execução do IC6/7/37, a reformulação das piscinas, a reformulação do pavilhão, a reformulação do estaleiro, a criação de emprego, etc, etc, etc.

Tudo o que esperávamos não aconteceu… Até o PCP já diz que a culpa é dos outros…

Nitidamente o buraco que a esquerda vai escavar com o esbanjamento do dinheiro público nos transportes nas áreas metropolitanas e pelo país fora, fazem querer dar a entender, que, como já referi várias vezes, nos querem aqui na Reserva Natural para muitos anos.

O poder local está por demais acomodado e por demais desinteressado de ir a reuniões negociar o que é preciso para a “terra”. Se for para ir a umas entrevistas, palestras, ou manifestações, aí sim. Se for preciso vão carros com todo o executivo e ainda pode ir o carro do PCP e do CDS. Só não vai o BE, porque ainda “não tem carro”. Até chamam os deputados para dar um ar mais sério à coisa.

Tudo de resume a uma assumida campanha de ilusão para com os Oliveirenses e sobretudo para com os Portugueses.

Todos sabem que não há dinheiro, que o investimento está parado e como alguém já disse para os lados do “prédio da luta”… …se utilizarem os mecanismos que têm ao seu dispor podem resolver muitos problemas que a tutela não resolve. As festas nunca deixarão de existir, mas faz sentido gastar milhares de euros em festas promocionais sem retorno e que poderiam ser feitas por outros montantes? Esses valores podiam ser aplicados nessas lacunas.

Estará o executivo agarrado à tentação de não fazer execução de “quase nada”, para dizer que nada gastou e esbanjar em obras/eventos disparatados?

O emprego, o bem-estar social, onde está tudo isso?

A cidade da moda, mudou-se, sem sequer ter chegado.

Agora que temos um governo de esquerda, um município de esquerda, um distrito de esquerda, uma educação de esquerda, onde está a resolução do que os pregadores da palavra davam como certo, deitando areia nos olhos de toda a população. Tudo não passa de um convite ao engano, sem data marcada e com um único propósito que é dizer que a culpa é dos outros.

O PS, o PCP e o BE têm de dar uma resposta, pois embora não pareça, mas já temos um novo governo que ainda vive das estatísticas do antigo governo.

O futuro aqui ficou-se pelo dia de Natal e dos Reis Magos.

Oliveira do Hospital e Portugal precisa de executantes, que conheçam a situação real e que não façam promessas e iludam as pessoas.

Precisamos de mais trabalho e menos folclore.

Precisamos de mais emprego e menos submissão.

Precisamos de mais funcionários públicos e menos funcionários políticos.

Precisamos de mais dinheiro na economia e menos economia na ajuda.

Precisamos de ser social em vez de se parecer social.

Enfim precisamos de todos.

 

Nuno PereiraAutor: Nuno Pereira

 

LEIA TAMBÉM

Rotunda em Ervedal da Beira, uma armadilha fatal para pneus e jantes

A rotunda da Rua da Lagarteira, na Avenida Nova, em Ervedal da Beira, concelho de …

Conversa e mais conversa mas… mas alunos e outros rapam frio nas principais escolas do concelho! Autor: João Dinis, Jano

De facto, o que mais tem aparecido de vez em quando é muita “conversa” por …