António Campos desafia Federação do PS a tomar posição “contra” presidente do IPC

Depois de já ter defendido, em carta aberta que enviou ao secretário de Estado do Ensino Superior, a integração do IPC na Universidade de Coimbra, o fundador do PS e membro do Conselho de Administração da BLC3 desafiou ontem a Federação Distrital do PS a “tomar posição contra um tipo que se diz socialista”.

António Campos está em “pé de guerra” com o Instituto Politécnico de Coimbra e o seu presidente, Rui Antunes. Passados poucos dias desde que foi tornada pública a carta aberta que o Conselho de Administração da BLC3, de que faz parte, dirigiu ao Secretário de Estado do Ensino Superior, António Campos voltou ontem a defender a integração do IPC na Universidade de Coimbra, com benefícios claros para a segunda e para a própria cidade.

A participar no debate do Orçamento de Estado para 2014 que trouxe a Oliveira do Hospital os deputados da Assembleia da República, Paulo Campos e João Galamba, o fundador do Partido Socialista disse não ser contra a reforma do ensino superior que está a ser levada a cabo pelo governo, mas antes contra a forma como está a decorrer no seio do IPC e com claros prejuízos para Oliveira do Hospital.

“O Politécnico tem fechado os cursos aqui, para levar os menino para Coimbra. A nossa posição é muito clara. A grande estrutura da cidade é a universidade e o IPC prejudica a cidade”, afirmou António Campos, verificando que o possível fecho do IPC faria com que a Universidade, que hoje tem 20 mil alunos , passasse a ter 30 mil alunos, ganhando com isso “maior importância” porque “hoje não é grande universidade nacional”.

Nada satisfeito com “ataque” que tem sido feito contra a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH), António Campos reage com a proposta de agregação do IPC pela Universidade de Coimbra. Para tal, o responsável pela BLC3 e socialista vale-se da proximidade geográfica das escolas e da duplicação da oferta formativa na cidade. “Os cursos estão a 100 metros uns dos outros e os professores são os mesmos”, sustentou, exortando a que por esta altura se tome uma “posição forte a favor do fecho do Politécnico”.

Um desafio que António Campos dirigiu ao presidente da Federação Distrital do PS a quem pediu uma “posição clara”, por se tratar de uma “questão de justiça” e representar “uma vantagem para a cidade”. Na prática, o que António Campos defende é o fecho do IPC e abertura de “outros cursos” na ESTGOH que “tenham interesse no interior”, porque “estamos a 70, 80 quilómetros de qualquer universidade”.

A posição de Campos não se esgota porém no fecho do IPC. Em causa está também o desagrado do socialista relativamente à atuação do presidente daquela instituição de ensino superior, pelo que do mesmo modo desafiou a Federação do PS a tomar “posição” contra Rui Antunes. “A Federação tem obrigação de tomar posição contra um tipo que se diz socialista e que, no fim de contas, não tem sensibilidade do que é estar à frente de uma instituição de serviço público”, referiu António Campos.

O correiodabeiraserra.com aguarda por reação de Rui Antunes às declarações proferidas por António Campos.

LEIA TAMBÉM

Vítimas dos fogos podem pedir indemnizações até Janeiro de 2019

As vítimas dos incêndios de 2017 que não tenham sido já indemnizados podem requerer, até …

Incêndio

Autarquias sem prazo para se substituírem aos proprietários que não limpem os terrenos

O parlamento aprovou hoje na generalidade dois projectos de lei do PCP sobre faixas de …

  • Ricardo Araujo

    Ai agora!?!?!?! Mas AC é parvo ó come m… à colherada?? O diplomata tratou-o de incendiário, como tratou MA de crápula, como tratou CO por gaja de boa pernoco mas burra!!
    Isto é a representação de OHP no seu pior…