António Costa acusa poder local e central de não cumprir uma lei de limpeza com 12 anos

O primeiro-ministro sublinhou hoje que as obrigações legais de limpeza de mato existem desde 2006. Lembrando que apesar de ser uma obrigação dos proprietários “a nível local e ministerial”, António Costa disse que todos lavaram “as mãos” do seu cumprimento.

“Não conseguimos alterar as condições climáticas, mas conseguimos alterar as condições no terreno e o mínimo que podemos fazer é forçar o cumprimento de uma lei que está em vigor há 12 anos e que há 12 anos está por cumprir, porque quer ao nível ministerial, quer ao nível local toda a gente foi lavando as mãos de fazer cumprir a lei”, afirmou António Costa.

O primeiro-ministro, que foi ministro da Administração Interna no primeiro Governo de José Sócrates, respondia à presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, ex-ministra da Agricultura no executivo de Passos Coelho, no debate quinzenal no parlamento. A líder centrista perguntou o que está a ser feito para resolver “o problema limpeza de matos à volta das casas e das aldeias quando particulares e autarcas se queixam da inexequibilidade da legislação” porque “não há maquinaria e não há empresas em número suficiente para poder cumprir a lei”.

“O que é que o Governo planeia fazer nessa matéria? Que formação está a ser dada aos 500 militares da GNR? Está a ser dada em tempo de poder ter utilidade no combate aos fogos e que outros estão a ser formados para tomar o lugar deles? Que formação e que trabalho está a ser feito com as corporações de bombeiros?”, questionou Assunção Cristas.

António Costa respondeu que o Governo criou “uma linha de crédito de 15 milhões de euros para qualquer proprietário poder proceder a essa limpeza” e de 50 milhões de euros para que as autarquias o possam fazer no caso de os proprietários não o fazerem”. Neste último caso, vincou, “a autarquia ficar com o terreno e ficar com o proveito dos seus rendimentos enquanto os proprietários não cumprirem as suas obrigações”.

 

LEIA TAMBÉM

João Dinis acusa CM de Oliveira do Hospital de “negligência continuada” em estrada municipal

O membro da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

  • António Lopes

    Ficar com o terreno? Mas o homem já assimilou as teorias do PCP? Eu bem lhes digo quais são as boas soluções. O governo pode começar já por limpar as minhas.Está autorizado..!