António Lopes assegura que deu do seu bolso quase tudo para Alvoco ter um centro de saúde, mas a Câmara não comparticipou com a parte que faltava

O ex-presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital eleito nas listas do PS António Lopes responsabilizou, na apresentação do programa eleitoral do PSD em Alvoco, Câmara liderada por José Carlos Alexandrino por hoje não existir um centro de saúde naquela localidade. António Lopes explicou que doou do seu património um lote de terreno (que neste momento é propriedade da Junta de Freguesia) para a construção daquela infra-estrutura orçada em 76 mil euros. Para comparticipar neste custos estava disposto a oferecer um outro lote no valor aproximado de 30 mil euros. O projecto, assegurou, apenas não avançou porque o executivo de José Carlos Alexandrino se recusou a financiar os restantes 46 mil euros.

“Eu dei do meu bolso, eles recusaram-se a financiar a obra com o dinheiro que é de todos nós. E depois sou eu que não gosto do concelho. Não houve dinheiro para esta obra, mas existiu para se construírem dois campos de futebol relvados e para as festas”, afirmou António Lopes num discurso algo emocionado, salientando que nunca falou naquilo que deu ou deixou de dar ao concelho, mas que esta parte tinha de ser contada. “Não nasci aqui, mas vim para este concelho com três anos. O concelho foi generoso comigo e quando a vida me sorriu vim cá retribuir”, sublinhou.

António Lopes respondeu também àqueles que o acusam de saltar de um partido para o outro. Frisando que é comunista, salientou que se encontrava ali para apoiar o candidato à Câmara Municipal João Paulo Albuquerque, porque este lhe assegurou desde a primeira hora que poderia contar com o seu apoio quando numa primeira fase se mostrou disponível para avançar por uma candidatura. “Estou aqui pelo João Paulo Albuquerque, porque quando eu disse que poderia ser candidato, ele disse logo que estava comigo. Por motivos vários não pude concretizar essa candidatura, mas quando João Paulo resolveu avançar só me restava retribuir-lhe a confiança. Também estou aqui para me procurar redimir da situação que ajudei a criar para Oliveira do Hospital e pela qual tenho de pedir desculpa a quem depositou confiança em mim. O Mário Alves está aqui e tenho de reconhecer que arranjei uma solução bem pior que aquela que lá estava. Tenho o dever moral de a tentar corrigir. Estou onde entender que está a verdade a defesa da população”, explicou que a eleição de José Carlos Alexandrino foi uma desilusão e que pouco daquilo que estava no programa eleitoral há oito anos foi cumprido.

“Prometemos o IC6 e a requalificação da Zona Histórica, pela qual muito critiquei o Mário Alves, e nada foi feito. O novo edifício da ESTGOH também foi prometido, mas não foi realizado. Mas fizeram-se dois campos relvados. Não tenho nada contra o futebol, mas é uma questão de prioridades e o que me preocupa é o melhor para o meu concelho”, rematou.

LEIA TAMBÉM

José Carlos Alexandrino acusa Governo de discriminação na ajuda pós-incêndios

O presidente da câmara de Oliveira do Hospital acusou o Governo de estar a discriminar …

Presidente da CM de Oliveira do Hospital indignado por FPF esquecer Coimbra e quer jogo de solidariedade da selecção naquela cidade

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, criticou a Federação Portuguesa …

  • António Lopes

    Não obstante disseram-me lá (também foi só um e PS) “que já não consigo enganar ninguém”..! Respondi se eram os que andavam a tocar a saúde pelas festas é que andavam a falar verdade e preocupados com os problemas das pessoas..!