António Lopes

António Lopes garante que promessa de fardamento para a Filarmónica Sangianense foi feita pelo presidente da Câmara e lamenta atitude do presidente da colectividade

O eleito à Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital António Lopes mostrou-se surpreendido com as queixas apresentadas hoje de manhã pelo presidente da Filarmónica Sangianense em reunião do executivo autárquico, nas quais responsabiliza àquele deputado pelas dificuldades que a instituição a que preside atravessa. Manuel Garcia terá referido na reunião da autarquia que os problemas foram causados por uma “promessa” de António Lopes em custear o novo fardamento do grupo (que já foi adquirido e custou 8870 euros) e que, até ao momento, não terá sido cumprida. António Lopes, porém, diz que a promessa foi feita por José Carlos Alexandrino, embora estivesse “a pensar” na sua “carteira para pagar”.

“Quem prometeu foi o actual presidente, só que, como acontecia em muitos jantares, com a carteira do António Lopes. Era uma situação recorrente”, explica o deputado municipal, lamentando ainda que Manuel Garcia se tenha prestado a esta encenação. “O senhor presidente anda a sentir-se muito preocupado com o António Lopes e depois promove estes números. Lamento é que o senhor Manuel Garcia se tenha prestado a este papel”, acusa.

Para reforçar a sua tese, António Lopes faz questão de mostrar osMail 1 mails que trocou hoje ao início da tarde (a partir das 13h00), ao que tudo indica já depois da reunião do executivo, sobre este assunto com o presidente da filarmónica Sangianense. “Não fazia ideia era que o assunto tinha sido discutido. Fui surpreendido com a notícia da Rádio Boa Nova”, frisa António Lopes que, na troca de correio com o responsável da colectividade, até tinha assumido que, uma vez que a autarquia não pagava, iria ele suportar os custos do fardamento. “Aquilo que

mail 222prometo é para cumprir, não posso é pagar as promessas que os outros fazem com a minha carteira. Mas tinha assumido hoje num dos mail’s que seria eu a pagar”, sublinha.

O executivo autárquico, entretanto, acabou por aprovar por unanimidade um subsídio de “emergência” de três mil euros, no sentido de suprir as necessidades da Filarmónica devido ao investimento no fardamento. Ao mesmo tempo ficou ainda prevista a atribuição de mais dois mil euros, perfazendo um total de cinco mil euros, para ajudar a colectividade a superar este momento. Com isto, o presidente da Câmara Municipal, segundo a Rádio Boa Nova, não pretende “pagar as promessas de outros”. Mas, segundo a mesma rádio, José Carlos Alexandrino diz sentir-se “na obrigação” de ajudar a Filarmónica, sob pena de “qualquer dia penhorarem a filarmónica por causa das fardas”. Curiosamente, nos mails trocados com António Lopes, Manuel Garcia não faz qualquer referência à reunião do mail 3executivo que decorreu pela manhã.

LEIA TAMBÉM

Caça praticamente proibida no concelho de Oliveira do Hospital até Maio de 2018

A caça está proibida até 31 de Maio de 2018 nas zonas consumidas pelos fogos, …

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

  • José Severino

    Ou muito me engano ou houve teatro na autarquia…. ai como as coisas estão a ficar…

  • Mais uma palhaçada

    O malandro não avisou o Lopes que já tinha ido fazer a palhaçada. Eu mandava-o ir receber ao Totta.

  • António Lopes

    “Isto só visto”..! Atente-se nos mails, acima. Eu sabia tanto de três propostas e que a farda estreou no Mercado Municipal, como sabia de mais este número, em que se estão a transformar as reuniões da Câmara Muncipal. Alguém me viu na inauguração da estrutura a que chamam Mercado? Denunciei, há tempos, o estado de abandono em que se encontram as Fundações doadas, com gosto, altruísmo e bairrismo, por muitos dos melhores filhos de Oliveira do Hospital..Não me fica bem falar no que fiz e faço.Mas custa que o nosso amor ao Concelho e o esforço que fazemos em prol dele, seja assim usado e abusado, por quem tem as mais altas responsabilidades no Município.Custa ver a forma como não se cuida e não se respeita a memória dos melhores filhas da nossa terra.O Senhor Presidente da Câmara, não consegue distinguir a Câmara dele próprio e, violenta-nos, a todos, com esta infame forma de gerir o Concelho. Com a agravante que, para já, envolveu duas das mais prestigiadas e antigas instituições do . A Sociedade Recreativa Ervedalense e , agora, a Filarmónica Sangianese.
    Não queria e não quero, descer a este nível.Dizer só que há quem, em negócios, que não em promessas, tenha mandado elaborar escrituras abaixo do preço acordado e, mais grave, não tenha pago a diferênça.Se calhar, lá teremos que fazer mais uma denuncia..! Há quem nunca tenha devolvido o empréstimo duas vezes feito, e que serviu de passaporte para se sentarem na cadeira que tanta arrogância e falta de educação gera.Até há quem me diga(lá de dentro), que serviu para proveitos próprios de alguns!!! Há quem,fazendo promessas para outros pagarem, tenha concedido subsídios avultados, que outros adiantaram, entregando em troca cheques pré-datados, com datas do mesmo dia…que jamais subestituiram..! Há quem diga, agora, em resposta às solicitações dos advogados, que nada devem, que nada fizeram, que nada viram.Não obstante, os documentos existem, as discussões em reunião de Câmara também.Finalmente, atravessando as dificuldades que o comum dos Portugueses atravessam, era esperável que pessoas a quem tanto se ajudou, tivessem um acto de solidariedade.Mas, cada um é como é. O Gáudio é expor e explorar as dificulades alheias, inclusive das pessoas que os fizeram gente, demonstrando assim, a sua ignorância quanto à real situação do País..Sempre viveram de impostos, não sabem quanto custa paga-los..!. E porque sou católico e estamos na Páscoa: “Perdoai-lhes Senhor”. Como homem, dou a outra face. Como político, não perderão por esperar. O que eu estava à espera, era que tivessem discutido a correção das actas da “algraviada” de números diferentes em que se tornou a bandalheira dos números Municipais. O que eu esperava, era que se tivesse discutido a comissão proposta pelo próprio presidente na última AM e por mim reclamada, na última comunicação, ao Senhor Presidente da Assembleia, em exercício. Não..! Vêm com estes “números” pensando que me afectam em alguma coisa, ou pensando que me distraem dos meus objectivos.Eu, não cobro impostos senhor presidente.Dou o que posso a quem eu quero, quando posso.O pouco que recebo da política ofereço-o.Ando na política por causas.Quando cá cheguei vim para servir.Não vim para me servir.E foi isso que, perante todos os candidatos, afirnei na Casa da Cultura, na apresentação de todas as listas.Esqueceram-se..? Eu não..! .Ninguém, ali, disse que estava para se servir… A continuar assim, vou ter que publicar a lista dos que se estão a servir…Eu, honro aquilo que me comprometi.Exijo que quem comigo esteve, honre de igual forma.Se não podiam, não se comprometessem. Se não podem , desimpeçam a porta..! A política é, ou dever ser, uma ARTE NOBRE..! Quando entrar a porta da Câmara tente lembrar-se que representa, ali, 22 mil cidadãos que labutam por um Concelho digno, que dispensam, muito bem, esta infame forma de estar na política.

    António Lopes

    • Guerra Junqueiro

      Sr António Lopes;

      Era bom que mostrassem o documento que a Filarmónica Sangianense remeteu ao executivo e que serviu de base à aprovação por unanimidade de um subsídio de emergência de 3000€ com um reforço no futuro (quando a CMOH estiver mais aliviada) de 2000€.
      Gostaríamos de ver quem o assinou, não vá por lá ser assinado por algum vogal da direcção, e comprovar que em lado algum nesse documento está o nome de António Lopes, muito menos como o causador desta desgraça.
      As palhaçadas são agora gerais, não se remetem exclusivamente para as Assembleias Municipais, tendo as da Câmara reclamado o maior protagonismo, desta vez veio um “artista de fora” participar no numero, ainda me estou a rir.
      Sr Lopes não se esqueça que todas as filarmónicas do concelho atravessam enormes dificuldades, como tal não se lhe pode agora ser negado um subsídio extra de 5000€. Não se admire também que se achem no direito de receberem de si um fardamento novo, mas que o avisem antes da factura chegar.
      Ouvimos e lemos o Sr Presidente da Câmara chamar de incompetentes alguns dirigentes de instituições. O que podemos dizer agora disto? Onde um vereador da sua equipa faz uma despesa sem que a possa pagar e remete depois para a boa vontade do Sr António Lopes?
      O numero foi primário e muito pobre, ao nível das palhaçadas dos miúdos das escolas primárias e enojou as pessoas de bem, se tinha combinado com a Direcção da Filarmónica resolver-lhes o problema, fazia-o de uma forma coerente, não era preciso vir com esta música, pois soou muito mal e não vai evitar que as outras filarmónicas se sintam injustiçadas.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

      • Mal vestido

        Vou meter um requerimento à CMOH. O António Lopes prometeu-me um fato, já o mandei fazer. Passem para cá 250€

      • Politicalex

        Pois… a boca não era que era preciso descapitalizar os capitalistas? Era tudo à grande… o outro pagava..! A única vez que disse que pagava, constou-me, passados uns dias, estava o Adjunto a perguntar quem tinha estado no almoço, para pôr os nomes por detrás da factura..!

        • Afasta de mim este cálice

          150 anos de história, e vai de mandar fazer as fardas sem perguntarem se lhas pagavam! Ou estava doido, ou tinha outras promessas. Como tem que mamar, prestou-se a este papel.

          Eloí, Eloí, lamá sabactâni? Foram as palavras do Senhor. Parece que não serviram de muito para certa gente.

    • alvalade

      Ou muito me engano, ou estás a tirar o rabinho a seringa. Se prometeste dá.

      • Politicalex

        Sim sim… vai pagar para ser ofendido..?

  • Politicalex

    Bem isto nem apetece comentar…Este Preisdente de facto, não se enxerga..! Então é por 3 mil euros que a filarmónica vai para a insolvência..? Isto é uma ajuda ou uma difamação? Não há em SGião, “a bonita freguesia em que tiveram o privilégio de nascer”, parafraseando o António Lopes, ninguem que se indigne com isto e exija uma reparação? Que diabo, a Filarmónica tem 150 anos.Sempre sobreviveu .Ainda a 5ª geração, ascendente, do Alexandrino não tinha nascido já a Filarmónica o era…A 5ª geração descendente, vai acabar e a filarmónica ainda lá estará…Só dá bacocos…

    • Adjunto de ordens

      Para se ser rigoroso são 173 anos..! Acho que é uma idade que devia merecer respeito aos pressupostos responsáveis..! O comportamento dos mesmos deixa antever a falta de uma prótese…(i) responsáveis

  • o grande kilapy

    Ao ponto ridículo a que se chegou. a demonstração da mediocridade, a demonstração que não se resolvem assuntos de fundo com mecenazinhos. Estes politiqueiros locais donos de diversas quintarolas onde exercem poder e influencia mostram ao nível a que desceram as instituições e o poder local. Os partidos e os políticos no seu melhor nível e a por cá fora o sentido da sua intervenção publica- o faz de conta e a incompetência

    • Adjunto de ordens

      subsídio de emergência ou pagamento do “número”… a Câmara já não consegue pagar um subsídio de 5 mil, de uma só vez? Afinal. quem é o falido..? SIm se as instituições estão à espera dos mecenas.E se não houvesse, como não houve, a promessa? Tocavam com a roupa normal? E as outras bandas, como é..?

  • CMOH – Circo Municipal de OH

    Qual vai ser o espectáculo da próxima reunião de câmara?
    Estou para ver quando for subsídios para a BLC3, pode ser que evoquem o Lopes para pagar os “Vistos Gold”.

  • Lírica Terapia

    Analisando ao pormenor: Senhor Manuel Garcia, ganhe vergonha na cara! Então quer dizer, primeiro vai à reunião de câmara para dar inicio ao circo, depois fica com o nariz no bolso e continua o dia todo?

    Caro Presidente de Câmara Professor José Carlos Alexandrino, deixe-se destes joguinhos, deixe de fazer politica politiqueira…faça algo pelo concelho, já vai tarde, mas ainda vai a tempo…

    Senhor Manuel Garcia, então primeiro faz os fatos e só depois pergunta se há dinheiro para pagar? È que é um artista….

    Senhor António Lopes, deixe a politica, até pode ter ideias, que as tem, mas esta gente, estes mercenários, querem-lhe é o dinheiro…diga que não há e veja quantos amigos xuxas continuará a ter…

  • Trabalho por Tunos

    Òoh Artolas!! Inicialmente e, mesmo à bobo da corte, vais para reunião de câmara dizer que não te pagam os fardamentos, e só depois avisas quem queres que te os pague. Congrats, Não me vou esquecer desta, o cromo do ano está encontrado…e pensar por cabeça própria, dá? topas? que dizes? Manuel Garcia…

    • Apelando

      “A pelando uma vez mais à sua melhor atenção.” diz ele ao Lopes. Já estavam a pensar tirar-lhe a pele, a deixarem-no sem nada. Se pudessem…

  • Assurancetourix Das Beiras

    Algumas observações, descartando a celeuma dos números…

    Então prevê-se que o Sr. Manuel Garcia assuma um lugar como vereador? A ser verdade, qual dos actuais vereadores é que está em vias de se retirar? Qual deles vai “defraudar os oliveirenses”, como dizia o Sr. Maia a propósito da saída da vereadora da oposição?

    Não seria de bom tom que os presidentes das colectividades (e, neste caso, ex-presidente de junta) soubessem escrever em português correcto? Apelar-mos? Fardas estriadas? Beneficiencia? A pelando?

    Fazem-se pedidos deste calibre em nome dos filarmónicos? Será que estes tiveram conhecimento desta comunicação?É este o respeito que se demonstra pelas pessoas que colocam o seu tempo, a sua disponibilidade e os seus conhecimentos ao serviço da comunidade?

    Ao atribuir o tal subsídio de emergência, não estará a CMOH a criar um precedente grave, dadas as dificuldades de outras associações do Concelho? Que impede agora outras entidades de exigir o mesmo? As dificuldades financeiras não se esgotam na Filarmónica Sangianense.

    Esta situação põe em evidência uma falta de cultura cívica que é cada vez mais evidente. Se no campo da política, esta situação já se tornou banal, no campo do associativismo é ainda mais preocupante. As filarmónicas, e as associações em geral cumprem, pelo menos desde a década de 1830, um papel fundamental na sociedade portuguesa. Não só por questões culturais e artísticas, mas também porque sempre foram bastiões de resistência contra os poderes instituídos e possibilitaram a constituição de núcleos democráticos, ao nível local. Transformar as associações do meu Concelho em terreno de caça ao voto é degradante, e contribui para o descrédito de todos os que trabalham em prol da cultura.

    A continuar assim, veremos as associações a esmorecer num futuro próximo, e a massa crítica do Concelho a desaparecer nas próximas gerações.

    • Guerra Junqueiro

      Caro Bardo, dou-lhe os parabéns pelo modo como pegou na questão, sem entrar em politiquices e centrando-se na questão do associativismo, e nas filarmónicas concretamente.
      A maneira cacique utilizada por estes nossos agentes políticos para arranjarem um subsídio extra a uma filarmónica e ao mesmo tempo tentarem denegrir um benemérito, recorrendo à mentira, diz bem como estamos ao nível do poder autárquico. Pois o que esperava deste novo vereador, ex-presidente de junta, músico e director associativo, era que trouxesse ideias novas para os problemas concelhios , que assolam o associativismo, nomeadamente no que se refere a bandas filarmónicas, tunas, coros, ranchos, etc, que ajudassem a resolver os problemas e projectassem estes grupos para outro patamar qualitativo. Mas não, entrou na política do Sr Presidente, mais vocacionada para andarem a correr atrás da bola, e dar porrada em bombos. Como já disseram, transformaram a Câmara num Circo, sem desprimor para os profissionais que no circo actuam.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

    • António Lopes

      Subscrevo, dou os parabéns e, repito,conforta saber que há munícipes atentos e preocupados com o rumo que o nosso Concelho está a levar.Às vezes, não raro, perante o que vamos assistindo, com a ausência de quem, como nós, foi eleito para se preocupar,interroga-mo-nos se valerá a pena. Mas, acreditando na verdade da frase, eu não acredito, de que Cristo terá dito que um só justo seria bastante para poupar Sodoma e Gomorra, também, um só munícipe que seja, é estimulo bastante para continuar.Felizmente, sabemos que são muitos mais.
      E porque sou um amante da verdade, e porque isso foi dito publicamente, não sei se será cumprido, o Sr Presidente afirmou, em campanha, que todos os vereadores o seriam de forma efectiva.É minha convicção que os vereadores suplentes farão um ano cada um.E, assim o espero,.se esta ainda for a Câmara…Sou dos que gosto de ver as promessas cumpridas.Daí a minha referência ao assunto.
      Quanto ao tratamento equitativo das Associações e colectividades, como se verifica,as que tiverem possibilidades de apoucar “as duas almas penadas”, de que me reclamo uma, é garantia para o financiamento.Por ser assim,pelas associações tudo.Senhores presidentes das Associações: a fórmula está encontrada.Não se acanhem..! O grave é que o emprego acontece em Tábua e Nelas. As políticas sociais , o apoio à natalidade ao ensino superior o apoio aos mais necessitados vai cedendo a festas e a esta ignóbil forma de fazer política .

  • Sempreatento

    Evoquem lá também um “subsídio de emergência” para eu ir ali a Barcelona contar estas histórias nas Ramblas. Lindos projetos onde a promiscuidade de favores governa. Ah, e já agora, aprendam a escrever português e a ler um pouco, talvez, seja útil…

  • Liga dos Carrinhos da Tapada

    A Liga dos Amigos dos Carrinhos da Tapada também está em dificuldades porque o Sr. António Santos Lopes nos prometeu um Bugatti Veyron e a nossa instituição avançou para a compra e ainda não cumpriu a promessa. Estamos a falar de mais de um milhão de euros, não é brincadeira nenhuma. O sr. presidente José Carlos Alexandrino terá de nos dar uma mão….quer dizer um subsidiozinho. E já agora, se sobrar alguma coisa depois de arranjar os caminhos de alguns, dava um jeito na nossa estrada. O Bugatti agradecia.

    • António Lopes

      “É pá”…vejam lá… isto não anda nada bom..! Se for muito urgente e resolver o problema, o que tenho para ali, com alguma ferrugem, pois, não fica bem andar naquelas coisas com salários em atraso, é um Rols, um Bentley e dois Buicks.Não os vendi porque não encontro quem os compre,Para uma emergência, se precisarem mesmo, já sabem.Pelo Concelho, tudo…

      Olhem que o assunto é sério..! É do nosso futuro que andamos a falar..

      • A Liga dos Carrinho da Tapada

        Sr. Lopes com esta gente só podemos levar as coisas a brincar… Sei que o assunto é sério, mas explique-me como se pode levar esta gente a sério?

  • Sr. Viegas

    Caríssimos amigos, aqui vos encontro para discutirmos este novo ponto! Ordem de trabalhos: Analise temporal; Analise politica; Analise financeira; Outras observações. Quanto ao “timing”, quase perfeito, pecou pelo quase e ficou desfeito! Senhor Manuel Garcia, como consegue proferir pela manhã “não me pagam as fardas” se só pede que para as pagarem à tarde?! Apanhem boleia. Já cá estão? Bem vindos à maquina do tempo: estavam quase 200 pessoas em são Gião, será que nenhuma se lembrará de quem, de facto, prometeu as fardas? Amnésia geral?… Politicamente é feio, é muito feio, observar uma reunião de Câmara em que o nosso presidente, descurando todo e qualquer sentido de compromisso profissional e representativo, passe para a caça ao homem. Caça esta, que só a ele lhe diz respeito, não aos Oliveirenses que lhe confiaram tal honra. Acusar uma pessoa pelo não pagamento de fardas?!! Está tudo louco?, Então quer dizer, o José Maria Pincel, bebe uns martelos, de seguida enfarda uns tilícos, apanha varada e meia e promete um Hospital. No dia seguinte o Manuel manda construir um Hospital, mas o José Maria Pincel que prometeu (bêbado) não pode pagar, quem paga? Vai-se à CMOH, das duas uma, ou paga quem prometeu ou toma lá um subsidio…Já é a republica das bananas? Ou já tratam da CMOH com o sentimento de posse? como se tivessem a tratar da lide doméstica…Financeiramente se ainda andamos bem, vamos acabar mal! Que gestão é esta? Caras instituições, tomem como exemplo o iluminado Manuel Garcia, se querem e não têm, mandem fazer! Pagar, alguém paga! É lamentável que o associativismo local já só ande ao trote do beijo mão…prestigio, história, honra…já não os há! Vergam por ossos, vergam apenas para alegrar quem os faz vergar.
    Os iluminados chegaram ao poder, iluminam o povo com palavras vãs, o pão nosso de cada dia passou a ser a mentira, porém, e vá-se lá perceber, há quem goste de compactuar com a desgovernação concelhia. Mas nós não nos esquecemos… Sócrates foi presidente e acabou em Évora, alguns também o são, vamos ver onde irão acabar…

  • Amadeu dos Tremoços

    Alto e para o baile! Òh camaradas, mandei vir um casaco pele de piça bordado à mão com pedaços de corno de rinoceronte, dos States, fui lá ao bordel e aproveitei para mandar vir para a Maria. Agora não tenho como pagar, mas tenho duas testemunhas como o Mudo me disse que o pagava. Também entro nos fundos Comunitários do Concelho?

  • Politicalex

    Isto, de facto,não se parece com nada. O “Sr .Viegas” diz bem. Isto da Câmara é como se fosse a sala lá de casa. Esta gente tem alguma noção do que é gerir uma Câmara? Sabendo-se que todas as instituições têm dificuldades, como é que vão gerir este problema? A Sociedade Ervedalense, foi decido por unanimidade reparar o teatro, custasse o que custasse, tendo sido falada a verba de 300 mil euros, Ver uma acta da Câmara de 2011. O PS estava em minoria. Nem sequer pode reclamar a paternidade do acto, nem a responsabilidade da decisão. .Em maio do ano passado, para a festa do foral, mandaram avançar as obras e fizeram uma declaração de compromisso para pagar as verbas. Vieram ofender o presidente da Sociedade, porque não lhes apara os golpes e decidem 25 mil euros, para “não falir”..! Agora arranjam um número ainda mais esfarrapado porque querem denegrir outro opositor. Mas isto é política, É responsabilidade? E os que beijam a mão, vão ficar sem nada? Sim é que isto não vai dar para todos. A Câmara, e nós todos, é que temos que pagar as inimizades ou falta de democracia do Senhor presidente da Câmara e dos adversários do Partido Socialista? Mas onde é que chegámos? Ensandeceram..?

  • NORBERTO SILVA

    Ora porra! Só para vestir o presidente da banda fica caro. Só para ele são precisos 5 metros de xita! Que coma menos…,

  • pilares

    O gordo comeu a gramática na escola, só pode. Faz confusão ver um indivíduo que se diz licenciado, ex-presidente da junta e presidente de coletividades a violar a língua dessa maneira. Pobre Camões.

  • Volta Mário

    O Problema é que nesta Câmara não há lá ninguém que lhe diga o que lhe dizia o Mário Alves e ia mantendo algum equilibrio. “é um direito que lhe assiste, agora não estou é para ouvir fantasias” VOLTA MÀRIO:ESTÁS PERDOADO.

    O pedido de informação sobre o Barreto foi feito, só 12 vezes…É muita transparência…e não foi mais porque o Paulo Rocha foi para o executivo…

    1.2.1 – APRESENTAÇÃO DE CONTAS DAS ENTIDADES DE QUE O MUNICÍPIO
    É ASSOCIADO —————————————————————————————————
    ——–O Vereador Paulo Rocha reiterou o pedido de entrega de cópia da prestação de contas da ADEPTOLIVA e bem assim de cópia do restante do processo respeitante às contas da Plataforma para o Desenvolvimento da Região Interior Centro, uma vez que, até á data, ainda não lhes foi entregue. Reiterou igualmente o pedido de esclarecimento relativamente à ligação funcional e hierárquica do Sr. Henrique Barreto àquela estrutura e bem assim sobre as funções que desempenha e ainda quanto é que aufere pelas tarefas que lhe estão cometidas. Reiterou ainda o pedido de informação acerca do estudo e respetivo custo desenvolvido pelo Engº Paulo Serra e Silva que como referiu “terá sido «alegadamente» para o remunerar pelas funções desenvolvidas naquela
    entidade”. Sobre o assunto, o Presidente da Câmara referiu que, “caso os senhores vereadores estivessem de acordo, iria convidar o Sr. Presidente da Plataforma para o Desenvolvimento Integrado da Região Interior Centro a estar presente numa das reuniões da Câmara Municipal para prestar os esclarecimentos solicitados e bem assim fazer um ponto de situação das atividades desenvolvidas por aquela entidade, à semelhança do que é feito nas Comissões de Especialidade da Assembleia da República”. —————————————————————————————
    ——–O Vereador Mário Alves respondeu que “isso não cabe no âmbito das reuniões do
    executivo”, referindo que “o Sr. Presidente da Plataforma para o Desenvolvimento Integrado da Região Interior Centro pode é vir a uma reunião pública da Câmara Municipal e fazer uma intervenção no período “antes da ordem do dia”, sublinhando que “é um direito que lhe assiste, agora, não estou é para ouvir fantasias”

  • Tomás Teixeira

    PONTO DE SITUAÇÃO:

    1 – Para o Dr. Manuel Garcia (pelo menos de título
    honorífico, porque na prática é o que se lê) criar toda esta confusão, das duas
    uma:

    – Tem que mamar como tem feito toda a vida, para alcançar
    rendimentos extra com o suor do Zé Povinho;

    – Tem que mamar para conseguir um lugar como vereador;

    – Tem que mamar para conseguir arranjar emprego fácil para a
    esposa.

    – Ou simplesmente mama porque gosta e lhe apetece mamar! Pelo
    gozo que lhe dá passar a imagem de homem da política cego pelo poder e mandar num
    povo de gente rústica e de fracos recursos culturais. Porque se assim não
    fosse, já há muito que tinha sido afastado das coletividades que preside.

    2 – A Banda está em insolvência?? Vamos a contas.

    – Qual é a direção de qualquer que seja a coletividade, que assume
    compromissos com credores, com promessas politicas e sem ter ativos suficientes
    para saldar a dívida.

    – Como é possível uma banda Filarmónica pequena e em dificuldades
    financeiras, contratar semanalmente uma empresa de transportes para efetuar 5
    ou 6 serviços. Mesmo quando viajam no autocarro cedido pelo município no qual
    cabiam lá 2 bandas pelo menos, um dos táxis desta empresa acompanha logo atrás esse
    autocarro, transportando alguns dos senhores diretores?

    Não podem viajar ou conviver todos juntos?

    – Como é possível que sempre que se há uma reunião de
    direção da Filarmónica, todos os elementos da mesma vão jantar na Fundação
    Albino Mendes da Silva e que alguns deles não paguem o jantar? Quem paga? A
    Fundação, a Banda, ou o Zé Povinho?

    – Como é possível uma banda tão pequena, com apenas 30
    elementos ter 16 diretores. Entre tantos diretores, não surgem novas ideias e
    forma de se autofinanciarem? Ou estão todos subjugados ao Dr. Manuel?

    – Como é possível, deixar chegar uma colectividade com 173
    anos de existência a uma situação destas? Envergonhando todos os sócios e
    amigos. Que carácter têm as pessoas que dirigem esta associação, que
    competência tem o conselho fiscal de contas? Que imagem deixam passar cá para
    fora? Antes quase sem subsídios nunca a Filarmónica Sangianense esteve em
    situação de insolvência e sempre os sócios e amigos lhe deitaram a mão!

    – Aconselham-se menos gastos, menos passeios, menos
    jantaradas, mais responsabilidade, mais profissionalismo, mais caráter e
    humildade, mais respeito para com a instituição centenária. Não é de todo
    dignificante para os Sangianenses, sócios e amigos verem a sua “joia da freguesia”
    ser tratada com esta falta de sensibilidade na comunicação social.

  • luis antunes

    Ó Senhor professor, ó Senhor Doutor o que andam vocês a tramar???

  • quercus roble

    Ressuscitar defuntos que não foram exemplo para ninguém enquanto poder.
    e ainda escrevem—–É muita transparência…e não foi mais porque o Paulo Rocha foi para o executivo…—-

    Acrescente-se que normalmente quem tem perfil de hábitos iguais acaba por comer com a bitola que utiliza . Esse Mário foi um dos coveiros do concelho e um prepotente . O do restaurante o Rocha foi o que se viu e igual . Este então um grande exemplo de coerência ideológica do PSD e para o PSD . Eram as escarretas e os crápulas, tudo servia se chamaram uns aos outros .Os outros passavam a vida em tribunais. Estes vão no fundo na mesma tristeza. É é isto que tem governado o concelho . Gente sem vergonha de um lado e de outro .Parece uma feira onde se compra o que está à venda por qualquer preço. Incompetência ao mais alto nivel .O concelho é hoje um dos concelhos sem futuro à vista .O que devia era dizer-se VOLTA SERIEDADE e BEM PUBLICO .Mas não, há que insistir no cinzentão pró negro . Pedir de volta o que não tem cor nem prestou. Mas isso era coisa impossível de acontecer. Infelizmente o Prof. Marcelo Caetano,tinha razão , nem para porteiros deviam servir .Todos.

    • Oliveirense

      Concordo a 100%, Oliveira precisa desinfectar-se destes vírus que tomaram os partidos políticos. Neste momento não há ninguém no PSD nem no PS que tenham capacidade de governar o concelho, muito menos no CDS e na CDU.
      Está na hora de aparecer uma verdadeira lista de independentes, com capacidades e esclarecidos e completamente libertos de ligações a qualquer partido.
      Entregar Oliveira aos oliveirenses. Cortar com os partidos e já.

  • Volta Mário

    O Problema já é antigo…Isto das contas da EXPO H, são um mistério…VOLTA MÁRIO

    4.3.4 – EXPOH/2012 – CUSTOS FINANCEIROS D.A.G.F.
    O vereador Paulo Rocha deu conhecimento à Câmara Municipal, que o investimento da
    autarquia na última edição da EXPOH foi de cerca de 51.673,00 € (cinquenta e um mil, seiscentos e setenta e três euros), ao que o vereador Mário Alves disse que aquilo que precisa de saber é quanto é que, globalmente, custou a EXPOH de 2012, considerando os financiamentos.
    A Câmara Municipal tomou conhecimento. —–

  • Volta Mário

    VOLTA MÁRIO. No teu tempo a lei era igual para todos…Isto de fornecer os documentos sempre foi muito difícil , para esta gente…

    1.2.1 – LISTAGEM DE AUTOS DE CONTRAORDENAÇÃO —————————————
    ——–O vereador Mário Alves referiu que já em anteriores reuniões tinha solicitado a listagem dos autos de contraordenação, que ainda não lhe foi facultada, visto que não lhe foi dada qualquer relação nem deste mandato nem do mandato anterior. Mais referiu que, “num mero espaço de 500m há duas ilegalidades sem qualquer sancionamento, a primeira junto ao restaurante “O Dinis”, uma construção que foi embargada ainda no mandato anterior e que não era possível legalizar. A solução que apontei na altura também não foi possível adotar devido ao Loteamento, mas a construção continuou, tem um telhado em chapa de sanduíche aplicado em cima do que lá existia que eram apenas uns pilares. Mais à frente existe à esquerda uma moradia cuja legalização foi problemática e em que posteriormente foi construído um anexo encostado ao muro de vedação junto à estrada.” –

  • quercus roble

    Era , Era , tão igual que até teve foguetes na saída . Caso unico na história do poder local .Tão justo que até abdicou da reforma aos 47 anos de mais de 2000 euros

    • Volta Mário

      Responde ao que está escrito.Faz debate político…Sempre o ataque pessoal…quando não há argumentos..! Os do PS deixam lá a reforma? Nem a reforma nem o que não é deles. depois dá 44s…Tem mais na forja…

  • Volta Mário

    VOLTA MÁRIO: Agora estão à vontade , fazem o que querem. Ao lopes deixam-no falar 5 minutos e não lge respondem…

    3.1 – ADI – AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE TÁBUA E
    OLIVEIRA DO HOSPITAL D.A.G.F./Proc.53/4
    -O Presidente da Câmara propôs à Câmara Municipal que atribua à ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, um subsídio no montante de 35.000,00 € (Trinta e cinco mil euros), para fazer face a despesas de funcionamento relacionadas com a realização da EXPOH/2010, manifestando a sua disponibilidade para fazer chegar as contas do referido evento aos senhores vereadores.

    Em virtude do Vereador José Francisco Rolo ser em simultâneo o Presidente da
    Direcção da ADI, ausentou-se da sala de reuniões no momento da discussão, apreciação e votação da presente proposta Posto à votação o assunto, a Câmara Municipal deliberou, por maioria, com os votos favoráveis do Presidente da Câmara e dos Vereadores Graça Silva, José Carlos Mendes e a abstenção do Vereador Mário Alves, nos termos do disposto na alínea b) do nº 4 do artº 64º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, na actual redacção, aprovar a presente proposta.

    Ainda sobre este assunto, o Vereador Mário Alves manifestou interesse em ter acesso às contas da EXPOH, questionando o Presidente da Câmara relativamente ao número de facturas que foram pagas pela autarquia para a realização desta actividade, sublinhando que “isto não tem a ver só com subsídios, mas sim com facturas que eu sei que foram pagas através do município e que tiveram a ver directamente com a EXPOH, e portanto, temos aqui um duplo financiamento”. Referiu igualmente tratar-se de uma questão extremamente importante e que no seu entender importa esclarecer.
    -Os vereadores eleitos pelo Grupo de Cidadãos eleitos pelo Oliveira do Hospital Sempre
    OHS manifestaram igualmente interesse em ter acesso às contas da EXPOH.

    -Sobre o assunto, o Presidente da Câmara questionou igualmente o Vereador Mário Alves sobre quantas vezes é que relativamente à realização das Festas de Verão prestou contas ao executivo.O Vereador Mário Alves deu conta que o único espectáculo promovido pela ADI, aquando da realização das Festas de Verão, foi o de “Tony Carreira”. O Presidente da Câmara esclareceu que os pagamentos efectuados pela Câmara Municipal no âmbito da EXPOH foram sobretudo relacionados com trabalho extraordinário desenvolvido por funcionários do Município que estiveram ao serviço durante a realização daquele evento, e que não foram lançados nas contas da ADI
    O Vereador Mário Alves esclareceu que não estava a querer por em causa a realização do evento mas sim obter esclarecimentos sobre os custos do mesmo, uma vez que, depois de ter interpelado o Presidente da Câmara sobre o assunto, em reunião de 20 de Julho de 2010, informou que “a organização da EXPOH era conjunta da ADI e da Câmara Municipal, sendo que, a organização financeira era da responsabilidade da ADI” O Vereador Mário Alves referiu que “na prática, aquilo que o executivo em permanência
    pretende dar a entender é que a EXPOH custou 60.000,00 € (Sessenta mil euros), e isso não corresponde à realidade. E portanto, aquilo que eu quero saber é, quanto é que custou a EXPOH, porque, para mim, custou muito mais que isso”.
    ——–O Presidente da Câmara dirigindo-se ao Vereador Mário Alves disse desconhecer a identidade dos seus “informadores”, garantindo no entanto que as “informações” que lhe foram transmitidas, não batem certo.O Vereador Mário Alves esclareceu que nada tem a ver com “informadores”, mas sim de muitos anos de experiência que lhe permitem perceber que a EXPOH não se fez só com 60.000 euros. .

  • António Lopes

    Ontem, o Dr.António Costa, criticando o governo , dizia que o voto do Povo era soberano e que era este que decidia.(mais ou menos isto)..! Quando esteve cá, em Oliveira, alguém lhe disse qual era o respeito que, por estas bandas, se dá ao voto do Povo..? De resto ele recorda-se como respeitou o voto do próprio partido, relativamente ao anterior Secretário Geral..? Como eu gosto de retórica..!
    Hoje, foi um grande dia.Finalmente, houve um impoluto que se candidatou à Presidência da Republica. Sendo que nada tenho contra Henrique Neto. Antes pelo contrário.

  • José Guilhas

    Com a dança de vereadores que se faz nesta Câmara é fácil de antever pelo menos a saída de dois, pois este vale por dois! Realmente é triste andar uma vida à procura do bichinho! isto é: onde chega o oportunismo e o compadrio neste país! já nada se consegue por mérito. Por isso chegámos à situação em que estamos. A começar pelo Poder Local! é uma vergonha. Tenham vergonha! há muitos jovens com potencial que estão nas caixas dos supermercados.

  • R. Alves

    Ora
    então alguém me consegue explicar o que vai na cabeça destes dirigentes?!

    Compram á grande sem dinheiro e alguém ha-de pagar?

    Fiam-se em promessas politicas quando eles são os primeiros a
    aldrabar o povo?

    Como já estoiraram tudo dão-se mais uns euros e sabe-se lá onde
    irão parar!

    Todasas coletividades necessitam de verbas mas só há dinheiro para algumas e várias
    vezes ao ano!

    Porfavor expliquem-me o que se passa??????

  • Promessas

    ó Sr. R. Alves á coisas que não têm nem convém que tenham explicação, isto só visto porque contado ninguém acredita ao estado que chegou esta câmara e esta coletividade.

  • António Luis C. Mendes

    Caro amigo! a mim sempre me ensinaram que “dinheiro adiantado é dinheiro malparado! ora, se a Câmara não adiantou logo é porque não confiou. Porque o dinheiro assim como vem assim vai! e ele é mais fácil de gastar que ganhar. Isto para dizer que as agremiações ou pequenas associações das localidades têm formas de se auto sustentarem! têm é de ter uma gestão séria e que saiba rentabilizar o que se vai angariando daqui e acolá. Não se está nas instituíções da terra por ambição própria ou pessoal. Está-se pela carolice, pela amizade às pessoas e pelo bem! as filarmonicas como outras entidades ligadas ao lazer e à cultura popular são bens que existem nas terras, são por isso aquilo que os nossos pais e avós nos legaram, para dizer que são como uma herança que gostamos de preservar e à qual impomos o nosso esforço com orgulho. De preservar algo que é nosso. Eu fico particularmente infeliz ao ver que são valores que nos nossos jovens se estão cada vez mais a perder e hoje tudo é visto como plataforma ou rampa de lançamento para usufruto próprio. Entristece e causa raiva ver como estes jovens maltratam a nossa cultura. Isto são coisas de responsabilidade partilhada! são coisas do povo! da terra! não é brincadeira nenhuma. É como se fosse bem comum. A mim custa-me particularmente estar longe e ver estas tristes novas da aldeia dos meus avós.

    • António Lopes

      Eu, não diria melhor. Quando me disponho a ajudar é, precisamente , dentro do espírito que acaba de enunciar.Mais o faço, convencido que as dificuldades porque todos passamos, às vezes,não nos permitem os objectivos que descreveu.E, é nesses casos, só nesses casos, que um apoio encoraja quem se esforça. É verdade que,os políticos, começaram a procurar os dirigentes porque, prestigiados, ajudavam ao sucesso político.E porque eram pessoas prestigiadas , conhecedoras e com espírito de missão, contribuíram para o sucesso de políticos que não cultivavam, nem cultivam, nenhum desses valores.Com o andar dos tempos, os oportunistas, descobriram que as associações eram um elemento de promoção, acelerado.Vai daí, inverteu-se tudo..! Ainda assim ,curvo-me perante todos aqueles que dão o seu melhor, em prol das Associações.Não obstante, o atrás dito, os puros, felizmente, ainda são a esmagadora maioria, nos quais incluo a Filarmónica Sangianense.

  • Alentejano

    Ora então o município de Oliveira do Hospital não tem dinheiro, a Banda de São Gião está falida e agora em breve a câmara vai financiar o transporte para a banda ir passear até ao Alentejo. Haja paciência pensem no futuro e sejam poupados!!!! Afinal há dinheiro ou não há???

    • Alentejano Oliveirense

      Há ali um Alentejo perto. Deve ser para lá.