Câmara Municipal de Oliveira do Hospital cobra dois mil euros de água a casa desabitada na aldeia de Andorinha

António Lopes vai propor recomendação para que a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital reduza 20 por cento na factura de água e saneamento das famílias

Depois de algumas contas feitas, o eleito António Lopes chegou à conclusão que autarquia de Oliveira do Hospital está em condições de baixar a factura da água e saneamento que mensalmente apresenta aos munícipes em, pelo menos, 20 por cento. O deputado vai levar o assunto à Assembleia Municipal da próxima sexta-feira no sentido de ser aprovada uma recomendação no sentido de baixar em pelo menos 20 por cento os actuais preços. Segundo as contas de António Lopes, a autarquia está neste momento a ganhar cerca de 250 mil euros por ano com estes serviços.

António Lopes entende que a água não pode ser um custo, nem uma receita para a autarquia, defendendo que os munícipes devem pagar o preço de custo a que fica à autarquia o fornecimento da água, o tratamento do saneamento básico e a recolha do lixo. “Em meu entender e até que me demonstrem o contrário, há todas as condições para haver uma redução de 20 por cento nas tarifas e a devolução em crédito na facturação futura do desconto retroactivo que a Câmara vai receber e que ronda o milhão e quatrocentos mil euros [o acordo estabelecido com as Águas do Zêzere e Côa permitiram baixar o metro cúbico do saneamento de 76 para 54 cêntimos, com efeitos retroactivos a 2010]”, conta António Lopes, sublinhando que em seu entender a autarquia já deveria ter tomado a iniciativa de fazer esta correcção há muito tempo. Só este acordo, explica António Lopes, permite à autarquia reduzir no custo da factura em 160 mil euros ano.

O homem que foi eleito para presidir à Assembleia Municipal acentua ainda a defesa desta correcção com o acordo nacional de racionalização de preços que permitiu às autarquias deixarem de pagar o caudal de águas pluviais que antes, em dia de muita chuva, era pago pela capacidade máxima das ETAR’S e agora passou a ser cobrado pelo valor de 70 por cento da água comprada.“No caso de Oliveira do Hospital anda em cerca de um milhão e cem mil metros cúbicos por ano. Com este acordo o esgoto pago passou a ser de cerca de 800 mil metros cúbicos”, defende, frisando que a uniformização dos preços da água proposto pelo actual Governo que aumenta os preços nos grandes aglomerados, permitindo uma redução nos municípios menos populosos, especialmente os do interior.

Estes novos elementos vieram confirmar a convicção de António Lopes de que o negócio da água estar a permitir um lucro próximo dos 250 mil euros à autarquia. “Desde a primeira hora que denunciámos isso. Aliás um aumento de 67 por cento de uma só vez num momento de crise, só mesmo quem não tem sensibilidade para as dificuldades que as famílias vivem”, explica, sublinhando que é “ainda mais escandaloso quando a principal rubrica do orçamento da Câmara é para cultura, desporto e tempos livres (leia-se festas e bola) num valor superior a 1,2 milhões de euros”, remata.

Quadro com as contas

água

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …

  • António Lopes

    Afinal, o Sr.Presidente da Câmara até sabe quanto custa o correio e a “envelopagem”.Qual é a dificuldade em mandarem as contas certas? O Senhor Presidente da Câmara conhecerá a recomendação 1/2015 de 7 de janeiro, deste ano, do Conselho da Prevenção da Corrupção? Manda que os orgãos de fiscalização estejam particularmente atentos.Será por isso que os executivos não gostam de ser fiscalizados? Congratulo-me com as conclusões da ERSAR.É dos serviços que estão bem entregues.Aproveito para deixar os parabéns ao Sr.Paulo Marques e a toda a sua equipa.Bom seria se arranjassem mais Paulos Marques, para o estaleiro, as obras e mais uns serviços .! (E vou fazer de contas que não sei dos dois concursos do apoio técnico à rede das condutas).Às tantas até pode ser por uma boa causa)..! Também quero deixar os parabéns ao Dr.João Ramalhete pelo esforço na Fundação Cabral Metelo.O Sr. presidente já anda para falar, e já falou, mais de uma dúzia de vezes com o Sr.presidente da Fundação.O problema chama-se coragem para fazer o que tem que ser feito.Essa “coisa” é que tem faltado..! (Ler acta de 6 de Agosto passado da Câmara Municipal).

    2.2.2 – ERSAR – ENTIDADE REGULADORA DO SERVIÇO DE ÁGUAS E RESÍDUOS —
    E.M.S.A.S./DOC.2
    O Presidente da Câmara, no seguimento do Of.º O-005759/2015, de 10 de julho do ano em curso, remetido pela ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, conforme documento que se anexa e que fica a fazer parte integrante desta ata, informou que, no âmbito da definição de um plano de ação com vista à melhoria da qualidade e para realização de uma fiscalização para verificação do cumprimento do Decreto-Lei n.º 306/2007, de 27 de agosto, foi realizada uma auditoria aos serviços por aquela entidade, tendo a mesma constatado a inexistência de infrações, situação que apraz registar e é reveladora da atenção que esta entidade gestora (autarquia) atribui ao cumprimento da legislação em vigor. A entidade reguladora indica as medidas
    e as orientações que a esta autarquia deve adotar e ao respetivo planeamento para o ano de 2015. O Presidente da Câmara prosseguiu dizendo que o trabalho que tem sido desenvolvido no setor de águas com vista à simplificação dos processos tem sido muito importante, por se tratar de uma área muito exigente e nuclear em termos financeiros para a Câmara Municipal. Deu ainda conta que, a autarquia só com custos de expedição e comissões nos meses de processamento de janeiro a dezembro de 2014 (todas as cobranças de água – CTT, Bancos e envelopagem), gasta anualmente,
    aproximadamente, 87.042,96€ (oitenta e sete mil quarenta e dois euros e noventa e seis cêntimos).
    A este valor ainda acresce o montante de 24.629,68€ (vinte e quatro mil seiscentos e vinte e nove euros e sessenta e oito cêntimos) referente aos custos das análises, sendo que, os encargos totais ascendem a 111.672,64€ (cento e onze mil seiscentos e setenta e dois euros e sessenta e quatro cêntimos), referentes aos meses de processamento de janeiro a dezembro de 2014. Deste modo, julga que no ano em curso será atingido o objetivo máximo em termos da qualidade da água. ——–
    ——–

    • Guerra Junqueiro

      Caro Sr. António Lopes;

      Então não há de dar porquê? Dá para reduzir mais de 20%, pois se dá para contratar a H2Org e renovar contrato, se dá para pagar à BLC3 um trabalho que nunca vimos, se dá para formar uma equipa multidisciplinar com perto de duas dezenas de elementos e renovar por mais um ano aumentando-lhes os ordenados tendo um deles levado um aumento de 600€ mensais, qual é o problema de reduzir 20%? Só se querem usar a água para financiar as festas.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • Descontos? Nem pensar.

    Reduções? E depois quem paga os Quinzinhos, os Carlões, as altas frequências que nos envolvem? Quem paga as estradas para os amigos? Quem paga o pessoal que se mete por aí? Nem pense nisso, ainda agora tiveram que fazer um empréstimo, sabe que para se andar constantemente em festa não se podem fazer descontos nem reduções. É taxar até o povo urrar.

  • António Lopes

    Esta tarde reuniram na Câmara Municipal os candidatos Distritais da coligação governamental e o executivo camarário. Foi coisa linda de ver.O executivo lamenta-se e pede o que andou a ameaçar para conseguir. ICs, por quem prometeu criar uma guerrilha,boicotar as eleições europeias,que ninguém boicotou, fazer sangue e dor.Na saúde, onde se ia fazer um “Projecto Revolucionário” de que a única notícia que chega é que já fecharam 5 postos médicos.Para esta convocou-se uma manifestação, a dois meses das eleições, para que Oliveira nunca mais fosse como dantes,De facto muita coisa está, preocupantemente a mudar. Mas não é para melhor.
    Não tendo conseguido nada, nada como lamentar-se aos senhores deputados, como se eles ou Governo, tivessem condições e poderes para decidir os ICs.Poderes, até podem ter. Dinheiro é que não.E quem o tem , já lhes disse há tempos que tinha-mos estradas a mais.Quando não conseguem arranjar uns trocos para colocar , cá,médicos, vão arranjar para fazer a estrada?
    Eleições à porta seja Deus louvado.O que me repugna é pensarem que só vivemos nas épocas eleitorais, e que somos todos trouxas.
    Por mim, dia 4, logo lhes digo onde voto…Eu gostava de os ver, cá, era uns dias depois das eleições a fazer uma reunião de trabalho e a resolver os problemas.Promessas…
    O que eu vejo é uns que já comunicaram a Bruxelas que vão cortar 600 milhões nas pensões e outros dizer que prometem congelar os aumentos em 1 600.Ganhe quem ganhar os reformados vão ser as principais vítimas, como já o estão a ser, agora.

  • Santo André

    SIM. Não é tempo de se deixarem de festas à nossa custa e nos devolverem o que nos levaram?

    • Fedilidade

      Preparam-se é para nos gamarem o dobro.

  • Curiosidade

    É sábado.
    É por isso que não há notícia do sucedido na última (des)Assembleia Municipal?
    – Pois, tivesses lá ido!

    • Nice weekend

      Deixem os homens respirar um pouco, na segunda levam com o rescaldo.
      Têm que gozar o fim de semana.

    • António Lopes

      Os direitos dos trabalhadores são sagrados.Depois a Assembleia acabou pelas 05 00 horas. O Jornalista vive para os lados da Guarda. Convém descansar um pouco para escrever com o habitual rigor e isenção. E como a matéria é vasta, 9 horas de discussão é muita hora, e para as ouvir a todas e selecionar a matéria não se compadece com pressas…