António Lopes volta a apelar ao “clima de diálogo e de negociação”

O reconduzido presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital não se desvia daquela que considera ter sido a maior vitória do mandato anterior. No momento da tomada de posse, António Lopes voltou a apelar “ao clima de diálogo e de negociação”.

“Todos ouvindo, todos respeitando e com todos construindo”. É esta a postura que o reconduzido presidente da Mesa da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital espera ver continuada nos próximos quatro anos, período em que deve imperar “o diálogo e a negociação” e em que a “bandeira do concelho estará à frente da bandeira partidária que aqui nos trouxe”.

António Lopes falava assim naquela que foi a sua primeira intervenção oficial após tomar posse como presidente da Assembleia Municipal onde não deixou de avaliar o trabalho feito por aquele órgão nos últimos quatro anos, chegando até a notar que “se algo correu mal, tal responsabilidade não pode ser assacada à oposição que nos locais próprios soube estar à altura das responsabilidades, algumas vezes em desacordo com as lideranças partidárias”.

Uma postura que o autarca espera ver continuada nos próximos quatro anos, não querendo contudo uma Assembleia e Câmara “amorfas”. Contra o “conformismo e o desânimo”, Lopes entende que só uma “oposição empenhada, crítica e construtiva pode ajudar a uma boa governação.

“O dever da maioria é governar de preferência bem. O dever da oposição é opor-se de preferência muito bem”, registou ainda o presidente da Assembleia que encara o respeito pelos votos da oposição como “um dever” e não um “favor”.

Neste domínio, o reconduzido autarca que muito agradeceu a confiança que lhe foi depositada pelos eleitores no dia 29 de setembro e pelos deputados que na 1ª reunião da Assembleia o reconduziram na presidência de Mesa, disse também esperar que os que “teimam em fazer da arrogância e arruaça uma forma de estar na política” compreendam que “outros terão que ser os caminhos”. “O eleitorado demonstrou que sabe o que quer e é dono do seu voto. Não há tempo, nem lugar para discussões estéreis, nem partidarites agudas e muito menos para satisfação de egos”, registou António Lopes, notando que “os tempos são de responsabilidade, empreendedorismo e solidariedade”.

Primeiras declarações proferidas pelo presidente da Assembleia naquela que foi a primeira reunião daquele órgão e onde foi dada voz a cada um dos partidos que ali ganharam assento.

“A quem tem um resultado destes tudo lhe é exigido e tudo ou quase tudo deve ser cumprido”OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A recuperar para o CDS-PP um lugar perdido há já 12 anos, Luís Lagos apreciou a “grande vitória” conseguida por José Carlos Alexandrino – “esta vitória do PS não será repetível sem a sua figura”, frisou – chamando porém a atenção do reconduzido presidente de Câmara para as responsabilidades acrescidas que resultam da expressiva confiança manifestada pelo eleitorado. “A quem tem um resultado destes tudo lhe é exigido e tudo ou quase tudo deve ser cumprido”, referiu o jovem centrista, manifestando a disponibilidade do CDS-PP para se afirmar como uma “oposição empenhada” e para regressar a um órgão autárquico para defender o emprego e os empresários, ajudar a crescer as IPSS, defender os os jovens e todos “e não apenas os que votaram em nós”.

“Propor e não apenas criticar, unir e não dividir”é o propósito de Luís Lagos, certo de que o CDS-PP “merece” regressar à Assembleia Municipal, ainda que naquele fórum o seu partido passe a ser o concelho. Uma postura que espera venha a ser adotada por todos os deputados, por entender que “esta Assembleia não deve ser de partidos, mas de homens bons e justos que lutam pela sua terra”.

“Governarmos com todos é juntarmos todos e não começar os discursos de uma forma agressiva que não contribui para um concelho mais justo”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

“Queremos fazer parte das soluções e não dos problemas”, disse por sua vez o social democrata Luís Correia que apesar de “novato” na vida autárquica, assegurou que os oliveirenses poderão esperar dos deputados do PSD “uma dedicação permanente”. “Estaremos sempre prontos para os ouvir e dar seguimento aos seus anseios e preocupações”, continuou o eleito que sem deixar de felicitar o presidente da Câmara Municipal pelo resultado obtido nas eleições de 29 de setembro, também fez questão de lamentar o facto de a oposição não ter sido convidada a fazer parte da Mesa da Assembleia.

“Era assim que as palavras corresponderiam aos atos. Governarmos com todos é juntarmos todos e não começar os discursos de uma forma agressiva que não contribui para um concelho mais justo”, observou o social democrata. Um lamento a que António Lopes não deixou de dar resposta, notando que também ele há quatro anos defendeu a presença da oposição na Mesa mas a sugestão não foi aceite pela Assembleia.

“Não se pode pedir ao executivo que faça milagres”

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Reconhecendo o mérito que os protagonistas António Lopes e José Carlos Alexandrino e cada um dos outros intervenientes na campanha tiveram na conquista da expressiva maioria absoluta, Rodrigues Gonçalves agradeceu a confiança depositada pelo eleitorado. Contudo, à entrada de um novo mandato autárquico, o deputado e eleito pela assembleia 2º secretário da Mesa alertou para o momento em que decorreram as eleições autárquicas – “no meio de uma crise profunda”, frisou – para notar que com a chegada de mais medidas recessivas por parte do governo “o futuro é uma incerteza que a todos deve preocupar”.

“Não se pode pedir ao executivo que faça milagres”, advertiu o socialista, notando que pese embora a maioria absoluta conseguida também não se pode exigir ao novo executivo que “inverta processos indignos para o concelho” e de que é “exemplo acabado a constituição de um mega agrupamento que é único no país”. “constrangimentos que, ainda assim, garante Rodrigues Gonçalves, não vão impedir a Câmara de continuar “cada vez mais próxima das pessoas”.

LEIA TAMBÉM

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …

Um morto e dois feridos em acidente em Viseu

Uma colisão entre dois veículos ligeiros hoje de manhã, em Sátão, distrito de Viseu, provocou …