“Ao fim de quatro anos o senhor presidente da Câmara resolveu incompatibilizar-se com a minha pessoa e prejudicou uma freguesia inteira”

A frase foi proferida esta sexta-feira, na assembleia municipal, pelo presidente da Junta de Freguesia de Aldeia das Dez, que não deixou de sublinhar que “em democracia isso não devia ter acontecido”.  

Considerando que “não adianta andar a enganar o povo”, António Dinis – o autarca do PSD já tinha anunciado há uns meses a sua intenção de não se recandidatar a um novo mandato –, lamentou que o executivo camarário do PSD não lhe tivesse dado “condições para trabalhar” e despediu-se, assim, da política.

Invocando um conjunto de situações que ficaram por resolver numa das mais belas freguesias do concelho de Oliveira do Hospital, como o caso das “fossas a céu aberto”, António Dinis lamentou que o presidente da Câmara se tenha esquecido de entregar à Irmandade da Nossa Senhora das Preces “um subsídio prometido em 2007”, e que se traduzia num apoio à recuperação das capelas – com imagens em tamanho natural – do santuário de Aldeia das Dez.

“Sentimo-nos muito defraudados”, referiu aquele membro da Assembleia Municipal, que aproveitou o tema para questionar o parágrafo de uma carta que o candidato do PSD às eleições autárquicas, Mário Alves, fez chegar a todas as caixas do correio, e no qual diz nunca ter enganado os oliveirenses.

Dinis terminou a sua intervenção, deixando um recado ao presidente da Câmara, que preferiu ignorar as críticas do autarca de Aldeia das Dez. “O que o 25 de Abril nos trouxe, deverá ser respeitado”, advertiu.

“O que dói é que há obra feita” 

Em sentido completamente inverso, interveio entretanto o presidente da Junta de Freguesia de S. Gião.

Num tom algo comiceiro, Manuel Dinis, que se recandidata a um terceiro mandato pelo PSD – em 1997, concorreu pelo PS –, elogiou demorada e eloquentemente os mandatos autárquico de Mário Alves. “Em oito anos muito foi feito por este concelho e por esta cidade… ou então andamos todos cegos”, referiu aquele autarca, sublinhando ainda que “o que dói é que há obra feita”.

Numa “gaffe” gestual – durante a sua intervenção, o dedo em riste estava apontado para Mário Alves –, Dinis provocou ainda alguns sorrisos ao considerar que “burro é aquele que não aprende”.

Deputado municipal do PS diz que presidentes de Junta “não são todos tratados da mesma maneira” 

Quem não deixou de aproveitar a intervenção dos dois autarcas do Vale do Alva, foi José Carlos Alexandrino.

Para o deputado municipal do PS, que se candidata à presidência da Câmara de Oliveira do Hospital, as palavras do presidente da Junta de Aldeia das Dez são reveladoras daquilo que acontece a alguns autarcas locais “por se terem incompatibilizado com o senhor presidente da Câmara”.

Alexandrino, que também invocou o caso da Lajeosa, não deixou de questionar Mário Alves sobre quais dos dois presidentes “é que falou verdade: o de S. Gião ou o de Aldeia das Dez?”.

Insistindo no que considerou ser uma “contradição”, Alexandrino voltou a insurgir-se contra a forma como a Câmara Municipal lida com os 21 presidentes de Junta do concelho, considerando que “não são todos tratados da mesma maneira”.

Sem responder – em concreto – às questões levantadas por António Dinis, o presidente da Câmara de Oliveira do Hospital preferiu invocar a existência de “pontos de vista diferentes”.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …