Armando Vara condenado a cinco anos de prisão

Armando Vara detido no caso José Sócrates

O ex-ministro Armando Vara foi detido para interrogatório no âmbito da Operação Marquês, avança o jornal electrónico Observador. Segundo a Procuradoria Geral da República, refere aquela publicação, por detrás da detenção de Vara “estão em causa factos susceptíveis de integrarem os crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais”.

OObservador adianta ainda que Armando Vara, amigo pessoal de José Sócrates, está detido no Comando Metropolitano da PSP de Lisboa e será presente amanhã ao juiz Carlos Alexandre para interrogatório judicial e respectiva aplicação de medidas de coação. A mesma publicação diz que foram efectuadas buscas em escritórios de pessoas ligadas ao ex-primeiro-ministro José Sócrates, numa altura em que está a ser investigada a compra de 25% do empreendimento turístico de Vale do Lobo, no Algarve, pela Caixa-Geral de Depósitos, com perdas superiores a 100 milhões de euros. A operação financeira data de 2006, altura em que Vara era administrador da Caixa Geral de Depósitos.

O ministro da Administração Interna e Adjunto do Primeiro-Ministro nos Governos liderados por António Guterres esteve também envolvido no processo Face Oculta, tendo sido condenado a cinco anos de prisão efectiva.

LEIA TAMBÉM

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve 12 pessoas em Coimbra por suspeita de tráfico de droga

A Directoria do Centro da Polícia Judiciária anunciou hoje ter detido, na terça-feira, doze pessoas …

  • António Lopes

    Esta manhã passei à porta do Campo de Concentração do Tarrafal. Recordando 37 dos melhores filhos deste País,que ali perderam a vida em luta pela liberdade e democracia,não posso deixar de sentir repulsa pela vil tentativa em curso de transformar presos de de direito comum em vitimas políticas.Em política não vale tudo.Um pouco de pudor e respeito por quem lutou e morreu, era capaz de ficar bem .