PS

Arnaut abandona processo eleitoral do PS Coimbra e acusa órgãos nacionais de falta de resposta

O advogado António Manuel Arnaut anunciou ontem, em comunicado, a “suspensão” da sua candidatura à liderança da Federação Distrital de Coimbra do PS, requerendo em simultâneo à Comissão Nacional de Jurisdição do partido que suspenda o processo eleitoral, por considerar que este foi “viciado” para garantir uma nova vitória ao seu adversário, Pedro Coimbra, nas eleições do próximo dia 21. “Suspendo imediatamente a minha candidatura não só à Presidência da Federação, como também quanto à apresentação de listas ao seu congresso. Cabe agora aos Órgãos Nacionais a última palavra”, conclui António Manuel Arnaut.

O advogado (filho do histórico socialista António Arnaut, responsável pelo diploma legal que instituiu o Serviço Nacional de Saúde) defende que “o processo eleitoral para as eleições federativas de Coimbra encontra-se viciado, não garantindo as mínimas condições de legalidade e transparência, tratando de forma desigual as candidaturas existentes” argumentou ainda o ex-candidato, sublinhando que não pode pactuar “ou dar legitimidade a um acto” que considera “indigno e ilegítimo”.

O problema prende-se, em grande parte, com a Comissão Organizadora do Congresso (COC), que organiza e fiscaliza o processo eleitoral. A COC é a mesma que estava constituída antes de o Secretariado Nacional do PS, em reacção a um despacho do Ministério Público que deu por provada a falsificação massiva de fichas de filiação de militantes, ter decidido suspender 18 elementos do partido e adiado as eleições em Coimbra.

António Manuel Arnaut acusa ainda os Órgãos Federativos e Nacionais do Partido Socialista de não terem respondido às denúncias que foi realizando a partir do momento em que se apresentou como candidato. “Desde logo apresentei a minha candidatura a Presidente da Federação sob protesto, tendo, de seguida, impugnado a Comissão Organizadora do Congresso, pela circunstância de não ter qualquer legitimidade por não ter sido eleita pelo órgão próprio”, conta sublinhando que desta “impugnação, e de outras apresentadas”, não obteve, “até ao momento, qualquer resposta dos órgãos competentes”.

“Apresentei-me a candidato a Presidente da Federação de Coimbra do PS exactamente para combater o “satus quo” reinante, unir o Partido e reabilitá-lo na sua imagem e dignidade, duramente afectadas com os recentes acontecimentos. No decorrer da campanha fui entendendo as mensagens que me foram chegando pelos militantes e dirigentes distritais quanto à sua saturação no que respeita ao ambiente interno do PS, tendo igualmente constatado que se não encontravam reunidas as condições mínimas para umas eleições democráticas, transparentes e isentas, onde os militantes socialistas pudessem exercer em liberdade e consciência o seu direito de voto”, nota.

“Não sou de desistir das empresas a que me abalanço, mas também não posso permitir que dentro do meu próprio partido, cuja linha principal é a luta pela liberdade, tolerância, democracia, isenção e transparência da vida politica, se subvertam tais valores com interpretações enviesadas das decisões legitimamente tomadas”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Fogo em duas localidades do concelho de Oliveira do Hospital já foi dominado

Situação em Góis “é preocupante” e pode agravar-se

O comandante operacional da Protecção Civil, Vítor Vaz Pinto, disse hoje que o incêndio de …

PSD e CDS/PP de Oliveira do Hospital solidários com vítimas da tragédia de Pedrogão Grande

O Partido Social Democrata de Oliveira do Hospital e o CDS/PP manifestaram–se ontem solidários com …

  • António Lopes

    Está mais ou menos provado que, o PS, tem muita dificuldade em viver dentro da legalidade e das regras democráticas..!

    • JP

      Estás a falar de ti ??
      Quem te conhece que te compre, até parece que já não foste julgado.

      • Ambrósio

        Mas porquê, sempre, neste tipo de eleições(?), tanta “ordem”?
        Afinal, o que é que faz girar este “orbe”?

      • Guerra Junqueiro

        Ora aqui temos mais um xuxa ressabiado.
        Tem calma homem, brevemente terás mais notícias.

        Cumprimentos
        Guerra Junqueiro

        • Mama

          O JP é mais xuxa, o JPA Guerra é mais mama 🙂 🙂

      • António Lopes

        FUI mas o PS, como te digo não é para muitos puridos .Mesmo depois disso e de os ter informado, não viram qualquer problema em me convidar…O crime não deve ter sido muito grave.além de ter sido inventado por um proeminente socialista. È chapelada em cima de chapelada..

  • Sei quem és

    Como eu te topo à légua, sem óculos.

  • óculo

    Óculo

    “Sei quem ele é — ele é bom rapaz(ão) — um pouco tímido até – vivia na ilusão — de encontrar um amor — pois seu coração pedia mais, mais calor ! — Ela apareceu — e a beleza dela desde logo o venceu — gostam um do outro e agora ele diz — que encontrou na vida o maior bem, é feliz – Só pensa nela a toda a hora………….”. Ah! Madalena Iglésias…
    Focalizem. Anda por aí um inspetor que dava para trescrever (por analogia com tresler) uma outra Caverna platónico-agostiniana. Focalizem. Ele, o inspetor, sabe quem tu és. Quase que diz: “sei-te de cor” – como diz o outro, naquela canção pavorosa cuja letra deve ter sido escrita por um espião do SIS, ou da santa inquisição.Ele diz que não precisa de óculos. Pudera. Tem duas palas laterais..:Só vê prá frente,. E, mesmo assim, só vê o que nós quisermos que ele veja. Guiamos-lhe a vista.
    Focalizem. Nós somos camaleónicos, somos virtuais, não existimos de facto. Criamos reflexos de fantasmas. Jogamos com a vossa imaginação para vos inocularmos o vírus da dúvida, da intriga que vos apaixona. Nós somos maus…para quem merece que o sejamos. Mas não se excitem com a procura. Focalizem o nada. Nada mais há. Focalizem outra vez. Eu, quando muito, gosto de ser o “zero” do vosso sistema decimal. Pesquisem lá porquê…

  • oculum

    Oculum sum
    Tou a gostar deste palavreado. Também quero entrar no chat. Até nem seria mau que criássemos uma espécie de confraria de especuladores bem intencionados. A “focalizar” para além do que, como dizia o “Óculo”, se vê à vista desarmada. Para fazermos uma espécie de endoscopia aos interiores destes artistas…embora, sempre, tapando o nariz por causa dos cheiros nauseabundos que esses interiores defecam…
    Proponho então que se crie o obsevatório do “oculum” – por vir a ser de mais do que um “óculo”. Seja oculum quem lhe apetecer. Fogo à peça…que eles até chiam…como chiam aqueles diabitos que fritam nos infernos.
    oculum

  • Vermelhão

    E pelos vistos, é para manter tudo. Quem sabe se o filho do papá não arranja um lugarzinho cá por as nossas bandas.