As Tradicionais deixas de Lagares da Beira (em vídeo)

Quarta-feira de cinzas. Em Lagares da Beira, na hora do costume, o cerimonial pagão do tradicional Enterro do Entrudo voltou a quebrar a monotonia de uma pacata vila enregelada pelo frio de uma noite de Inverno.

É uma tradição com mais de 40 anos de história que em tempos idos chegou a realizar-se já de madrugada, uma vez que a polícia política do Estado Novo – a Pide – não era mesmo nada adepta deste tipo de festejos onde imperam o escárnio e a maledicência.

Durante muitos e muitos anos a organização da “corrida do entrudo” – era assim que antigamente se designava – estava a cargo de grupos de lagarenses que, de ano para ano, se iam revezando na preparação daquele castiço festejo. Hoje, é a Associação Humanitária dos Bombeiros de Lagares da Beira que insiste em mater a tradição de pé.

Tendo como ponto alto a leitura das “Deixas” – ou seja, o testamento deixado pelo Entrudo aos lagarenses –, este ritual pagão constitui uma crítica social a determinados comportamentos e atitudes que merecem a reprovação dos organizadores do evento.

Quando o testamento começa a ser lido – este ano a tarefa coube ao antigo presidente da Junta da Lajeosa, Alberto Cadima –, soltam-se as gargalhadas e, no meio da assistência, não falta quem identifique de imediato os visados da “piada”. É o reflexo de uma sociedade “voyeurista” que, ao longo do ano, vai compilando as desventuras da “vizinhança”. 

E ninguém escapa… há deixas para os mais diversos quadrantes: desde o presidente da Câmara a um agente da GNR que alegadamente terá andado no desfile do corso carnavalesco de Lagares “de cerveja na mão”.

Lidas numa linguagem vernácula, a desculpa é no entanto sempre a mesma: “É Carnaval, ninguém leva a mal”.

O correiodabeiraserra.com registou ontem em vídeo algumas das principais passagens desta tradição lagarense. Entre aqui no canal de Youtube deste diário digital e confira se também foi contemplado no testamento do Entrudo.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …