Atraso na renda do Café Central “ultrapassou todos os limites da razoabilidade”

 

Ao fim de 14 meses de atraso no pagamento das rendas à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, o Café Central continua a ser assunto recorrente nas reuniões do executivo. “ Isto já é um abuso e ultrapassou todos os limites da razoabilidade”, afirmou terça-feira o vereador do PSD, Paulo Rocha, por considerar “um absurdo” o atraso no pagamento das rendas por parte do concessionário do Café Central.

Estimando que em causa está uma dívida de”quase 26 mil Euros, fora os juros”, o social-democrata lembrou o presidente da Câmara de que a autarquia “não pode ter um equipamento concessionado e o explorador não pagar a renda há 14 meses”.

“Em situação normal são acionados mecanismos legais para repor a legalidade”, informou Paulo Rocha, pressionando o executivo liderado por José Carlos Alexandrino, para através dos serviços jurídicos, tomar uma “decisão imediata” sobre esta matéria. “Ou é resolvido o problema das dívidas, ou é resolvido o contrato”, advertiu o social-democrata, informando o presidente da Câmara sobre a “situação de desvantagem” em que se encontram “outros operadores similares”, que cumprem com “o pagamento de rendas ou amortizações”.

Paulo Rocha destacou ainda o mau estar que a situação gera junto dos concorrentes que não conseguiram a exploração do espaço. “Neste momento vêem o café ser explorado por um terceiro que, nem sequer, paga a renda”, verificou.

Tal como já tinha referido anteriormente, o presidente da Câmara Municipal informou que o assunto está a ser tratado por um jurista, o advogado Pinto Correia, em quem tem “confiança” e que, até agora, “nunca perdeu nenhum processo da autarquia”.

José Carlos Alexandrino aproveitou ainda para esclarecer que “é preciso tirar a suspeição relativamente a uma pessoa que não tem nada a ver isso e que é o pai do empresário”. “Tentou-se de forma indireta denegrir o Fernando Tavares Pereira, mas quem é responsável é o filho”, afirmou.

Quando estão em causa as rendas em atraso, Alexandrino não se escusa também em criticar a decisão do anterior executivo de avançar com a construção do Café Central no Largo Ribeiro do Amaral. “Para mim, ali seria criado um posto de turismo”, referiu, esclarecendo Paulo Rocha de que o desagrado dos operadores similares decorreu da abertura daquele espaço, em agosto de 2009.

Quem também não se conforma com o atraso das rendas é o ex-presidente da Câmara de Oliveira do Hospital que aconselhou Alexandrino a “dar um prazo” ao advogado para a resolução do problema. “Não pode o senhor presidente demitir-se disto”, considerou Mário Alves, informando da existência de outros mecanismos que possam ser acionados, porque “isto já ultrapassa tudo o que havia de razoabilidade neste processo”.

Mário Alves e Paulo Rocha “são os primeiros culpados da situação”

A explorar o Café Central desde 22 de agosto de 2009, Nuno Pereira recusa as críticas que lhe são dirigidas pelo vereador Paulo Rocha e chega a lembrar que, juntamente com o antigo presidente da autarquia oliveirense “é o primeiro culpado da situação”.

“Com a pressa das eleições, só se preocuparam em inaugurar o espaço, sem verificar as condições de utilização”, denuncia o empresário ao correiodabeiraserra.com, lembrando que “ainda antes de abrir”, já existiam buracos nos acessos exteriores e, logo após a abertura, foram detetadas as infiltrações.

A falta de exaustão foi outro problema identificado pelo explorador, mas que à semelhança de outros já foram solucionados pelo atual executivo camarário. Por resolver, está a questão das infiltrações, problema que continua a motivar o incumprimento do pagamento das rendas mensais no valor de cerca de 1500 Euros e que já se arrasta há 14 meses.

Nuno Pereira disse ainda compreender a “frustração” do vereador Paulo Rocha, porque, enquanto empresário “é um concorrente direto do espaço”.

De acordo com o explorador, o assunto que está nas mãos dos advogados que representam ambas as partes, carece apenas de entendimento relativamente ao valor a pagar pelo empresário e a indemnização de 100 Euros /dia que está a ser exigida à Câmara Municipal.

Em carta recentemente enviada ao jurista da autarquia, a advogada de Nuno Pereira solicita o agendamento de reunião para que o assunto seja resolvido. “ A bola está do lado da Câmara Municipal”, referiu o empresário a este diário digital, disponibilizando-se para, com base num acordo, resolver o problema das infiltrações que “deveria ser solucionado pelo empreiteiro”.

Nuno Pereira explica ainda que nunca optou por fechar o estabelecimento que explora, porque se o fizesse entraria em “litigio”, uma vez que o contrato indica que o espaço só pode fechar dois dias por ano . “Assim a Câmara teria motivo para me despejar”, continuou, explicando que o incumprimento no pagamento das rendas foi a solução encontrada para pressionar a autarquia a resolver os problemas de um espaço que ainda se encontra em período de garantia de construção.

LEIA TAMBÉM

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

O “Ciclone de Fogo” varreu aquela noite que o foi de (quase) todos os medos… Autor: João Dinis, Jano

Naquela noite de (quase) todos os Fogos e de (quase) todos os medos, morreu Gente …