Autarca de Travanca de Lagos “bate o pé” e não forma “executivo a três”

O independente António Soares, recém eleito presidente da Junta de Travanca de Lagos continua a resistir à constituição de um “executivo a três”. Menos votados acusam o independente de “voltar com palavra atrás” e alertam para os prejuízos que a falta de entendimento está a causar à população.

Depois de o resultado eleitoral autárquico do dia 29 de setembro se ter traduzido na conquista de três mandatos por parte de cada uma das três listas candidatas à Junta de Freguesia de Travanca de Lagos, com o movimento independente “Travanca Unida Sorri” a conseguir o maior número de votos, está instalada na freguesia a dificuldade de constituição do executivo.

É que apesar de o voto popular apontar para uma governação a “três forças”, o eleito presidente da Junta de Freguesia tem-se revelado resistente à constituição de um executivo com PS e PSD, centrando esforços na formação de um executivo 2-1.

“Não considero que estejam reunidas condições para ter um executivo com um elemento de cada lista”, referiu António Soares ao correiodabeiraserra.com que se recusou a a aceitar a proposta saída da reunião tida no último sábado com o presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, o presidente da Concelhia Socialista e os cabeças de lista do PS (Tomás Pedro) e do PSD (Fernando Viegas) e que ia no sentido de constituição do executivo a “três forças”.

Uma proposta que viria a cair logo por terra na reunião realizada esta terça feira entre os três cabeças de lista pela mão do eleito presidente António Soares. “Não aceito”, insiste o independente que, em declaração a este diário digital garante não recuar e continuar a bater-se por um executivo onde o movimento independente esteja representado por dois elementos, considerando indiferente a força que seja representada no terceiro elemento. “Quero ter uma equipa que me dê garantias de estabilidade”, diz ainda António Soares, assegurando estar empenhado para que o impasse se ultrapasse o mais rapidamente possível.

Apesar de não ter executivo formado, Soares regista que assegurando a gestão da Junta de Freguesia com os vogais – tesoureiro e secretário – do executivo que geriu a Junta no mandato anterior. O cenário de repetição do ato eleitoral é por esta altura uma solução que Soares coloca de parte até que se esgotem todas as possibilidade de resolução do impasse. “o processo não está encerrado”, refere o autarca, fazendo questão de notar que o que se passa em Travanca de Lagos “não é caso único no país”.

A resistência na formação de um executivo a três forças tem vindo a merecer a constestação das duas forças políticas menos votadas na eleição para aquela Junta de Freguesia. A prová-lo está o voto contra do PS e PSD às 11 propostas que numa primeira reunião de assembleia foram apresentadas por António Soares que, em nenhum momento, avançou com proposta que juntasse os três cabeças de lista. Numa altura em todas as juntas de freguesia eleitas trabalham o início de mandato, António Soares manifesta dificuldade em chegar a acordo quer com socialistas, quer com social-democratas.

Por variadas vezes contactado por este diário digital, o cabeça de lista da segunda força mais votada (PS) não se mostrou até ao momento disponível para prestar declarações sobre este caso. Porém, sabe este jornal que Tomás Pedro estará longe de aceitar um executivo, onde o movimento independente esteja duplamente representado e onde o próprio não se faça representar.

Indisponível para chegar a acordo com António Soares, está também o cabeça de lista do PSD – força menos votada – já que no entendimento de Fernando Viegas, por respeito àquela que é a vontade do povo expressa em urna eleitoral, o acordo possível é o que determine a presença dos três cabeças de lista no executivo. “Esta é a melhor solução para a freguesia”, referiu o social democrata, notando que tal composição seria vantajosa pelo facto de os três serem da sede de freguesia, não se verificando assim a situação de uns puxarem mais para uma anexa do que para outra.

Crítico em relação à postura do independente, Fernando Viegas entende que Soares “não está a respeitar a decisão do povo”, assim como também “voltou com a palavra atrás” no que se refere ao que ficou acordado na reunião realizada com o presidente da Câmara Municipal. “Na reunião aceitou formar executivo com um elemento de cada lista e na terça feira voltou com a palavra atrás”, criticou, alertando para o facto de o presidente eleito estar a “prejudicar a freguesia”, porque “já deveria estar a preparar o orçamento e trabalhar com a Câmara as verbas que deverão ser canalizadas para a freguesia”. Por esta altura, Fernando Viegas deseja que o problema seja ultrapassado o quanto antes. “Se tiver que haver novas eleições que haja”, conclui.

Volvido mais de um mês desde o ato eleitoral, António Soares foi o único eleito a tomar posse na Junta de Freguesia de Travanca de Lagos. Uma situação que não se deverá arrastar por mais do que seis meses. Não havendo entendimento entre as três forças, tudo aponta para que a repetição de eleições venha a ser o cenário mais provável.

LEIA TAMBÉM

João Dinis acusa CM de Oliveira do Hospital de “negligência continuada” em estrada municipal

O membro da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

  • Erasmo de Roterdao

    Este senhor presidente tem dificuldade em perceber o método de hondt.Para se decidir como se pretende, é preciso conseguir um pequeno pormenor. MAIORIA ABSOLUTA. 50%+1

  • Curioso

    Posso estar a escrever uma barbaridade, mas também poderá existir um iluminado que me esclareça. O metodo de Hondt clarifica quantos mandatos tem direito cada partido em função dos votos que obtiveram numas eleições. Certo! Agora transporto isto para a nossa situação actual, o PSD não ganhou o governo com maioria! Mas essa situação reflectiu-se na Assembleia da republica (mandatos). certo! O Passos constituiu o governo com os seus PSD’s e apenas abriu porta ao Portas por uma questão de conveniência para conseguir a maioria na Assembleia (onde estariam representados os seus mandatos) e para conseguir aprovar as suas medidas….
    Então porque não temos um governo com elementos PSD, PS e CDS?
    Estará o meu raciocinio errado?

  • Erasmo de Roterdão

    Não.Não é nada curioso.O PSD, se quis ser governo, teve que negociar com o CDS, dar-lhe os ministros e secretários de estado que o CDS pediu e comprometer-se com determinadas políticas.Só assim conseguiu a maioria.

  • Atenta

    Erasmo de Roterdão Então a coligação foi com um partido não com dois. Então o Presidente eleito terá razão em só querer coligar-se com um. Ainda mais estes dois senhores já foram duas vezes a eleições e perderam tomas pedro em (2001e2013)e Fernando Viegas (2009e2013).Eu se fosse eles nem queria ir para lá e deixava o Presidente eleito trabalhar para daqui a quatro anos pedir contas do que ele fez.

  • Joao 8:32

    Exmos Srs.

    Esclareçamos o seguinte, uma vez que estamos a falar aqui da Freguesia de Travanca, penso eu: O método de Hondt foi aplicado na distribuição de mandatos para a Assembleia de Freguesia, tal como a lei obriga. Como resultado, foram atribuídos 3 mandatos para cada lista, para a assembleia de freguesia.
    Depois, e como certamente deverá saber, Sr, Erasmo de Roterdão (se tiverem dúvidas poderão confirmar; a internet terá certamente imenso sítio onde possam fazê-lo), o cabeça da lista mais votada será o presidente da junta. E este é que escolhe quem quer para o seu executivo, seja de que lista for. Para isso, apresenta as pessoas à assembleia de freguesia, que vota sim ou não a quem ele escolhe. Ele faz as propostas que quiser e entender. Se não forem aceites, fica com os vogais anteriores e a junta pratica actos de gestão corrente.
    O engraçado – eu estive nessa assembleia e assisti – foi a proposta em que são propostos para o executivo o 2.º da lista do PS com o 1.º da lista do PSD ter sido rejeitada por 8-1… Se as pessoas do PS e PSD tivessem pensado um bocadinho, teriam votado “sim” e depois o 2.ª do PS diria que não queria fazer parte do executivo, o que obrigava a entrar o seguinte, melhor posicionado da sua lista, que era o cabeça de lista do PS…

    Seja como for, o método de Hondt não tem nada a ver com a formação do executivo mas sim e apenas com a constituição da assembleia de freguesia. Vejam a lei eleitoral.

    Seja como for, e como já deverão ter percebido, SEI como tudo se passou. E não foi como alguns têm dito, especialmente à jornalista que fez o artigo.
    Vejamos: até ao dia da assembleia de freguesia, o PS quis fazer um acordo com o movimento independente. foi o PS que roeu a corda, porque não aceitava ficar sem a presidência da assembleia de freguesia, mesmo que ficasse com um lugar no executivo.
    E manteve não fazer acordo mesmo quando o presidente da junta lhes dava o lugar de presidente da assembleia da freguesia.
    Depois, percebeu-se na assembleia de freguesia que PS e PSD tinham feito um acordo entre si. Viu toda a gente que lá esteve.

    Não percebo aqui porque é que do PS concelhio ninguém fez nada, porque supostamente o PS não queria acordo com o PSD. O Presidente da Câmara disse-o várias vezes em comícios. Apenas saiu o Francisco Rolo, que eram um dos responsáveis pelas negociações falhadas. Coincidências…

    Entretanto,o Presidente da Câmara reuniu-se com os 3 cabeças de lista e na reunião (sei-o porque sou amigo de vários dos intervenientes na reunião e de outras pessoas),os cabeças de lista do PS e do PSD disseram ter um acordo entre si e ameaçaram renunciar ao mandato se não fizessem parte do executivo, o que levava a eleições. A parte mais engraçada é que SEI que se do PS quiserem renunciar em bloco, isso não vai acontecer porque há pessoas da própria lista do PS descontentes com toda a situação e postura do PS que não querem nem irão renunciar. E SEI que ninguém do PS ou do PSD irá fazer isso porque ambos os cabeças de lista querem “tacho”.

    O presidente da junta não se comprometeu com nada perante ninguém e nesse mesmo dia à noite reuniu com todas as pessoas da sua lista para decidirem se aceitavam ou não um de cada lista no executivo.

    Como a resposta unânime foi “não”, foi essa que transmitiu aos cabeças de lista do PS e do PSD.
    E melhor ainda: pessoas das listas do PS e do PSD além de virem fazer desinformação e dizer – no caso do cabeça de lista – que o presidente da junta voltou atrás numa decisão, que nunca tomou – andam agora a fazer “campanha” na freguesia, com ameaças ao presidente da junta e a difamá-lo junto de outras, como se isso viesse fazer com que houvesse mais vontade em fazer um executivo a três…

    Assim, com quem o presidente da junta faria um executivo? Com aqueles que vêm dizer coisas que não são verdadeiras acerca do que se passou? Ou com aqueles que o ameaçam, que o difamam? Ou com aqueles que têm na sua lista a antiga Presidente da Assembleia de Freguesia de Travanca de Lagos que até actas rasgou em plena assembleia?

    “Os maiores males infiltram-se na vida dos homens sob a ilusória aparência do bem”, não é, Sr. Erasmo?

  • Joao 8:32

    Ah, só mais uma coisa…
    É dito no artigo que o presidente devia estar a preparar o orçamento.. Mas quem o diz revela total falta de informação acerca do assunto. é que a junta está em regime de gestão corrente! Logo não tem que preparar orçamento nenhum. Vive do que existe e o resto será por duodécimos vindos da câmara…

  • Jacob

    Oh João 8:32,
    Isso parece “conversa de padre”.
    Sabes muito! E sabes porque mordes no Alexandrino e no PS.
    Fico-me por aqui porque os próximos capítulos vêm a seguir…

    • Joao 8:32

      Conversa de padre? Livra!
      Não sou nada disso nem pertenço a lista nenhuma. Sou da freguesia de Travanca e sei de tudo que se lá passa e como realmente aconteceu, nada mais. E não sou apoiante dos independentes. Votei PS! Mordo é em todos os que não dizem a verdade, seja em alguns do PS, seja no Alexandrino, seja noutros do PSD ou quem for…ou mesmo até naqueles “meninos” (porque homens não são) das listas derrotadas – são alguns, não todos – porque como não ganharam e têm mal a perder têm tentam jogar sujo para destabilizar.
      Eu não posso é com o que se está a passar na nossa terra.
      Mas porquê achares que sei muito, Jacob? Também não sabes? Ou é a verdade que te doi?
      Sim, aguardaremos pelos capítulos seguintes…

  • João 8:32

    Lá está a novo episódio com o comunicado do PS.Não me surpreende. Até porque no dia de ontem vi o Sr. Tomás a sair do edifício da Câmara de Oliveira…Deve ter sido para o ajudarem a escrever o comunicado…Quem o ajudou não sei, mas não acredito ter sido o Alexandrino, que tem mais que fazer.
    É pena o comunicado só ter uma coisa verdadeira: que o Sr Tomás propôs um de cada lista para o executivo no dia da assembleia…Mas não disse que isso foi depois do presidente da junta ter proposto por duas vezes um de cada lista para o executivo e ambas terem sido recusadas por 8-1 e 9-0…
    E é pena que o Sr. Tomás tenha estado envolvido no comunicado… Tinha-o como uma pessoa diferente daquilo que mostrou ser com “aquilo” que saiu para o jornal…

  • rita pedro

    TOMÁS PEDRO É O MAIORRRRR….É ASSIM MESMO PAIZÃO.FORÇA AI.ESTOU CONTIGO E EM TUDO,CARAGO….EHEHEHEHEHH