Autarca denuncia “extorsão vampiresca” no cemitério de Vila Franca da Beira

 

Depois de, em novembro passado, o presidente da Junta de Freguesia de Vila Franca da Beira se ter insurgido contra a taxa audiovisual que a EDP cobrava ao cemitério local, João Dinis volta à carga por não aceitar os argumentos apresentados pela empresa, que justifica a cobrança com o facto de o consumo de eletricidade, no cemitério, ser superior a 400 Kwh por ano.

A aplicação da taxa que, desde aquela data passou de 1,84 Euros para 2,39 Euros mensais, continua a não colher o aval do autarca de Vila Franca da Beira que considera “absurdo um pagamento deste tipo, independentemente do consumo de energia da baixada eléctrica de um (pequeno) cemitério onde, ainda por cima, não há instalações com audiovisuais”.

Em nota de imprensa enviada ao correiodabeiraserra.com, João Dinis garante que no cemitério local o consumo de energia “nem de longe se aproxima do valor indicado pelos serviços da EDP, que persistem em erros crónicos de avaliação, por estimativa, desse mesmo consumo”.

Considerando estar em face de um “ataque” ao cemitério da freguesia – “mas, que é lá isso de “sacar” oficialmente 2, 39 Euros por mês de Taxa de Áudio-Visual num pequeno cemitério?” , questiona João Dinis – o presidente da junta considera que o caso já não se trata de “humor negro”, mas antes de uma “verdadeira extorsão”.

“É a aplicação cega e abusiva de uma lei já de si discutível”, sustenta o autarca que, apesar de entender estar perante uma “extorsão relativamente pequena considerando o seu valor, mas muito grande dado o seu simbolismo”, chega a considerar que se trata de uma “extorsão vampiresca”.

Para Dinis a aplicação da taxa “não respeita nem os mortos, nem os vivos” e “nem o chão sagrado do nosso e de outros cemitérios”.

O autarca que também lembra que a Taxa do Áudio-Visual resulta de uma imposição do Orçamento de Estado, endereçou um apelo aos órgãos de soberania, com o objetivo de ser introduzida uma exceção na lei, de forma a isentar as baixadas elétricas dos cemitérios do pagamento daquela contribuição.

LEIA TAMBÉM

Igreja de São Pedro de Lourosa comemora 100 anos de classificação como Monumento Nacional

A Igreja de São Pedro de Lourosa, concelho de Oliveira do Hospital, assinala no próximo …

“Conseguirmos provar que aqui, no interior de Portugal, também sabemos organizar, recriar e principalmente homenagear”

“Os objectivos foram alcançados. Quisemos afirmar o festival enquanto certame da região e o número …