O autor da impugnação às eleições que no passado sábado deram a vitória a Carlos Veloso (114 votos), que derrotou a lista adversária liderada por Nuno Caetano (99 votos) revelou ao Correio da Beira Serra estar “em guerra com a distrital da JSD”.

Autor da impugnação diz-se em “guerra com a JSD distrital”

Imagem vazia padrãoAssegurando “não ter nada contra o candidato vencedor” e aproveitando para “parabenizar toda a lista vencedora e apelar a todos os jotas para que se unam por uma JSD melhor”, Jorge Carvalho acusa a estrutura distrital de “parcialidade tremenda no tratamento das duas listas”. Sublinhe-se que o militante aguardou apenas pelo encerramento da mesa de voto para impugnar o acto eleitoral junto do presidente da mesa e vice-presidente da JSD distrital, Roberto Barbosa.

Em carta entregue àquele responsável, Carvalho justifica a impugnação com “algumas incoerências” detectadas por ocasião da entrega das listas, no dia 23 de Abril, notando que a lista A liderada por Carlos Veloso se antecipou na entrega, não o fazendo entre as 21h e as 24h00 como é definido estatutariamente. Aponta também o dedo ao facto de os militantes terem sido “enganados”, por no folheto que lhes foi entregue pela lista A constarem quatro vice-presidentes, quando só são permitidos no máximo três, embora nas eleições a situação já estivesse alterada. Mas, é sobretudo no facto de a Comissão Política Distrital não se fazer acompanhar pelos cadernos eleitorais, que Jorge Carvalho centra o seu descontentamento, considerando tratar-se da “prova cabal de falta de rigor demonstrada” pela estrutura distrital e que – como explicou – foi solucionada pela concelhia local que cedeu uma listagem para que os militantes pudessem ser reconhecidos.

“A impugnação foi reforçada”

Aos argumentos constantes da carta de impugnação, Jorge Carvalho – como referiu ao CBS – já acrescentou outros, com base em novos dados a que teve acesso depois das eleições. “A impugnação foi reforçada”, garantiu, confiante de que a mesma vai ser aceite pelas estruturas superiores. Visivelmente insatisfeito com a forma como decorreu todo o processo, Carvalho revelou também que por esta altura, a impugnação já ultrapassou os patamares das estruturas concelhia e distrital. “Há grandes possibilidades de impugnação” revelou o jovem militante social-democrata, acrescentando que, ainda durante esta semana, terá oportunidade de em conferência de imprensa explicar melhor os motivos da impugnação. Por agora, a certeza é de que está “em guerra com a JSD distrital”.

“O acto decorreu dentro dos parâmetros mínimos da normalidade”

Contactado por este jornal, o vice-presidente da JSD distrital, na altura presidente da mesa de voto, disse estar confiante de que o acto vai ser validado, por ter decorrido “dentro dos parâmetros mínimos da normalidade”, embora reconheça que se há alguma questão a apontar, é apenas a relacionada com a falta do caderno eleitoral. Mas, explicou que o mesmo já se verificou outras vezes, pelo facto de nem sempre o secretariado-geral da Comissão Nacional do partido conseguir enviar o caderno atempadamente. “Inclusivamente falei com os dois candidatos e não levantaram objecção nenhuma”, contou ao CBS, acrescentando que até lhes mostrou o e-mail enviado pelo secretariado-geral a reconhecer as listas como oficiais.

Sobre a entrega antecipada da lista liderada por Carlos Veloso, Roberto Barbosa referiu que a definição de um período horário para a entrega das candidaturas funciona como uma “segurança”, mas “não invalida que possam ser entregues antes”. “Tinha explicado isto mesmo a ambas as listas”, contou o vice-presidente da JSD distrital, que “pelo conhecimento dos estatutos” acredita que o “acto vai ser validado”. “Compete ao Conselho de Jurisdição decidir”, rematou.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …