Avô e Ervedal da Beira vão ter novas extensões de saúde

Ao fim de 12 anos, a freguesia de Avô vai deixar de sonhar com a desejada extensão de saúde. A obra que constitui uma reivindicação antiga da freguesia – o primeiro ofício redigido pela autarquia a dar conta da necessidade é datado de 28 de junho de 1999 – obteve hoje o primeiro sinal para sua execução prática: a assinatura do contrato programa entre a Administração Regional de Saúde do Centro e a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

O novo projeto, estimado em 200 mil Euros e que prevê a construção um edifício de raiz no terreno contíguo ao lar de acamados da freguesia, vai substituir o atual espaço localizado no primeiro piso dos antigos paços do município de Avô.

O presidente da Junta de Freguesia de Avô interpretou o ato realizado esta manhã como sendo “um momento de grande importância para Avô e para as regiões Norte e Sul do concelho”. “Só podemos ter palavras de agradecimento e louvor para com os que ultrapassaram obstáculos para hoje estarmos a viver este momento”, frisou Aristides Gonçalves.

Com um historial de reivindicações bem mais curto, também a freguesia de Ervedal da Beira vê cumprido o desejo de novas instalações para a prestação de cuidados de saúde.

A funcionar no primeiro piso de uma casa de habitação que foi adaptada para o efeito, a extensão de saúde vai passar a funcionar no edifício inicialmente pensado para acolher a Casa do Povo da freguesia.

O projeto realizado no mandato do atual presidente Carlos Maia estima um investimento na ordem dos 150 mil Euros. “Não estamos habituados a baixar os braços e metemos pés ao caminho”, contou o autarca, referindo que o atual edifício “não tem dignidade e não é o que a população merece”.

Em condições para serem sujeitas a concurso público, ambas as obras têm apoio de 45 mil Euros de PIDDAC e vão ser sujeitas a candidaturas ao QREN. O presidente da Administração Regional de Saúde do Centro valorizou o empenho da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital em cada um dos projetos.

“Sem a colaboração da autarquia e das Juntas de Freguesia não haveria qual hipótese de avançar com os projetos”, referiu João Pedro Pimentel que, primando por uma intervenção destinada a dar conta da preocupação da ARS em “equilibrar o país” para “não estar tombado para o mar”, sublinhou a importância da prestação de cuidados de saúde a uma população “idosa, do interior, isolada e longe dos grandes centros”.

“Este sentido de proximidade vai ser consubstanciado com a construção de novas extensões”, sustentou.

Sem deixar de se regozijar pela importância do momento, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital aproveitou a presença de Pimentel para reivindicar a instalação de uma unidade de Cuidados Paliativos na Fundação Aurélio Amaro Diniz.

“É absolutamente prioritário”, considerou José Carlos Alexandrino, elogiando o “excelente trabalho” que tem vindo a ser desenvolvido pela equipa que integra o Conselho de Administração da FAAD e liderada pelo médico Álvaro Herdade.

A construção de “uma extensão de saúde diferente, mais pequena, na zona Sul do concelho” foi outra das pretensões que Alexandrino transmitiu a João Pedro Pimentel, notando porém que “a quebra política e a entrada de novos ministérios” vai dificultar a sua ação.

O autarca não se revelou, contudo, resignado. Pelo contrário, assegurou que “seja qual for o governo, a posição do executivo é de reivindicação e de luta para aquilo que é justo para Oliveira do Hospital”.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …