Azuribérica arranca amanhã em Oliveira do Hospital com 100 trabalhadores

Ao fim de quase dois anos de paragem, as máquinas de costura vão-se voltar a fazer ouvir nas antigas instalações da HBC.

A unidade industrial localizada na Zona Industrial de Oliveira do Hospital reabre amanhã as suas portas e sob a gestão da Azuribérica dá emprego a uma centena de trabalhadores, dos quais 87 são provenientes da HBC.

Na véspera do arranque oficial da nova unidade, o empresário Francisco Batista revela-se confiante em relação ao futuro e, em declarações ao correiodabeiraserra.com adiantou que é sua intenção aumentar o número de trabalhadores.

“Contamos chegar até aos 120 funcionários durante o primeiro trimestre”, afirmou, adiantando que “a empresa tem boas condições para andar”.

Com uma listagem de encomendas assegurada, a Azuribérica pretende apostar na produção própria e deixar de lado a subcontratação.

“Queremos alcançar uma maior autonomia”, revelou o empresário, adiantando que a Azuribérica se vai dedicar à confeção de casacos para homem e senhora.

Convidado por este diário digital a antever os próximos tempos, Francisco Batista assegurou que a empresa tem “muita dedicação e confiança” para oferecer, para que os clientes apostem na “qualidade de fabrico” da Azuribérica.

“Fazemos sempre o melhor pela satisfação dos nossos clientes”, reforçou.

“O meu executivo não teve maior vitória até agora do que a recuperação desta empresa”

A recuperação do espaço industrial que na primavera de 2009 lançou 180 trabalhadores no desemprego mereceu, esta manhã, destaque por parte do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital que, em reunião pública, assumiu tal facto como “a maior vitória” do executivo que dirige.

“Isto foi um trabalho muito difícil. Espero que esta empresa tenha sucesso”, afirmou José Carlos Alexandrino que, apesar de recusar a “camisola amarela”, destacou a sua participação, bem como a da presidente do Sindicato dos Têxteis, Lanifícios e Vestuário do Centro no desenrolar de todo o processo.

Sem deixar de verificar que o arranque da Azuribérica “é positivo, importante e meritório”, o vereador do PSD, Mário Alves, fez ainda questão de sublinhar que também ele, enquanto presidente da Câmara Municipal, efetuou diligências junto de Francisco Batista com o mesmo objetivo.

“Não o fez na altura, porque não lhe interessava”, afirmou o antigo chefe do executivo oliveirense, considerando que é tudo uma questão de “negócio”.

“Sinto-me efetivamente feliz, porque o empresário reconsiderou e reuniu condições para pegar neste projeto”, confessou Mário Alves.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …