Berlusconi condenado a sete anos de prisão

O tribunal de Milão condenou, ontem, Sílvio Berlusconi a sete anos de prisão, ficando ainda impedido de exercer cargos públicos por incitamento à prostituição de menores e abuso de poder, no âmbito do caso “Rubygate”.

Após 27 meses e 50 audiências, o ex-primeiro-minitro italiano, de 76 anos, foi condenado por ter tido relações sexuais pagas com a jovem marroquina Karima El Mahroug (“Ruby”), na altura com 17 anos.

Segundo o jornal “Corriere della Sera”, as magistradas da quarta secção do tribunal de Milão consideraram não haver dúvidas de que Sílvio Berlusconi cometeu esses dois crimes.

No passado dia 13 de maio, a procuradora Ilda Boccassini já tinha afirmado que durante a noite de 27 de maio de 2010, o então primeiro-ministro telefonou desde Paris para Milão a pedir a libertação de “Ruby”, detida por roubo, alegando que era sobrinha do presidente egípcio Mubarak e que a sua detenção poderia provocar um conflito diplomático, que deveria ser evitado.

No entanto, o objetivo do telefonema era apenas esconder o “sistema de prostituição organizado na mansão de Arcore, perto de Milão, para a satisfação do prazer sexual do político.”

Sílvio Berlusconi dispõe ainda de dois recursos e a defesa já informou que vai recorrer da decisão.

expresso.pt

LEIA TAMBÉM

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …