Biblioteca Museu Tarquínio Hall coloca Lagos da Beira “na rota concelhia e nacional da cultura”

 

Helena Hall, a filha mais nova da reconhecida figura da freguesia de Lagos da Beira, fez as honras da casa.

A grande chave que restou da porta principal da casa onde habitou o investigador, historiador, escritor e multifacetado artista abriu, sem qualquer espécie de obstáculo a porta que agora serve de entrada à tão almejada Biblioteca Museu Tarquínio Hall.

No interior da recuperada habitação, o povo que acorreu em massa foi brindado com um cenário onde a ruralidade convive em perfeita harmonia com as modernas técnicas de musealização.

Profissões de outros tempos e as marcas do falecido Tarquínio Hall repartem-se pelos recantos do primeiro piso da casa, onde, ao fundo, o povo contempla o local de refúgio do filho da terra.

A escrivaninha, a chávena de café, a máquina de escrever e o dicionário do artista recriam o ambiente intimista que marcou muitos dos momentos por que passou Tarquínio Hall.

Os detalhes foram pormenorizadamente apresentados por Filomena Carvalho, técnica responsável pelo processo de musealização e à qual o presidente da Junta de Freguesia de Lagos da Beira não poupou elogios.

“Está muito bonito”, iam dizendo os populares que, em poucos minutos tornaram intransitável o interior da antiga habitação que, ontem, se estreou nas novas funções.

A Biblioteca, que alberga o espólio literário cedido por Tarquínio Hall em testamento e outras obras adquiridas pela Junta de Freguesia na sequência de um apoio de 900 Euros cedido pela Fundação Calouste Gulbenkian, encontra-se no segundo piso da casa.

A estreia do espaço foi em grande. Outro artista da terra e amigo pessoal do dono da habitação – Vítor Paulo Fernandes – lançou o romance “A Quinta das Tulipas” e o espaço foi exíguo para acolher tamanha plateia.

Cá fora, à entrada, os discursos couberam aos autarcas que, tornaram possível, a concretização do sonho que Tarquínio Hall partilhou em testamento e onde legou a própria habitação à Junta de Freguesia para posterior adaptação a Biblioteca Museu.

Desde a data do seu falecimento – 01 de Julho de 2002 – até ao dia em que a biblioteca museu ganhou vida, passaram nove anos. Para trás ficaram, como disse o presidente da Junta de Freguesia de Lagos da Beira, “caminhos tortuosos” marcados por “excesso de burocracias”.

A certeza, garante agora José António Guilherme é de que o espaço ontem inaugurado “permite colocar a freguesia na rota concelhia e nacional da cultura”.

Representando um investimento total de 150 mil Euros – o atual executivo disponibilizou 25 mil Euros para a conclusão dos trabalhos – a Biblioteca Museu Tarquínio Hall que deixou de ser promessa para se tornar realidade espera agora, como referiu o presidente da Junta de Freguesia – de “espíritos novos” que dêem vida ao projeto e impeçam o predomínio do “marasmo”.

“O Doutor Tarquínio Hall esteja onde estiver, está feliz porque tem aqui uma obra à dimensão da cultura que fez no concelho”

Apreciando a coincidência das datas – Tarquínio Hall faleceu a 1 de julho e a inauguração acontece a 3 de julho, nove anos depois – o presidente da Câmara Municipal disse não ter dúvidas de que “a freguesia é agora mais rica porque dispõe de uma biblioteca museu importante para o futuro, porque explica o seu passado”.

Sem dissociar o gesto dos irmãos Hall – “um deixa uma biblioteca museu, o outro deixa uma obra para fins sociais”, frisou – José Carlos Alexandrino elogiou a personalidade multifacetada de Tarquínio Hall que através das investigações que realizou ao nível da arqueologia permitiu “engrandecer e perpetuar a memória coletiva de Oliveira do Hospital”.

Agradecido em nome do município pelo trabalho desenvolvido pela Junta de Freguesia e museóloga Filomena Carvalho, o autarca chegou ainda a considerar que “o Doutor Tarquínio Hall esteja onde estiver, está feliz porque tem aqui uma obra à dimensão da cultura que fez no concelho”.

LEIA TAMBÉM

“O presidente diz que Oliveira está na moda. Adarnela só se for na moda da idade da pedra. Não tem água, nem saneamento”

Quem chega a Adarnela, no concelho de Oliveira do Hospital encontra uma localidade dividida entre …

Cemitério de Nogueira do Cravo vai ser ampliado

A Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital aprovou na sexta-feira o alargamento do cemitério de …