BLC3 e ESTGOH ‘dão as mãos’ nas áreas de formação e investigação

 

“Lado a lado”. É desta forma que a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) e a BLC3 – Plataforma para o Desenvolvimento da Região Interior Centro se vão passar a posicionar.

As duas entidades consideradas de referência no concelho de Oliveira do Hospital procederam, ao início da tarde de hoje, à assinatura de dois protocolos de cooperação para criação e desenvolvimento de unidades de investigação e um terceiro protocolo para o desenvolvimento de atividades de formação especializada e avançada.

Para João Nunes, presidente do Conselho de Administração da BLC3, a formalização dos protocolos reforça a estratégia de desenvolvimento do concelho e da região, que já vinha sendo seguida pela estrutura e configura também o “reconhecimento das qualidades da ESTGOH” para a prossecução daquele objetivo.

Recém empossado na presidência da ESTGOH, Carlos Veiga, encarou a assinatura de protocolos como um passo no “sentido de reestruturar e tentar afirmar a escola como projeto regional, alicerçado nas condições de Oliveira do Hospital e condicionantes do interior”. Para o responsável da escola, em quem há três meses foi “colocado um menino nas mãos” a ligação entre a ESTGOH e a BLC3 “ é o que de melhor se poderá fazer na região”, tomando por base o objetivo maior de “qualificar recursos, produzir conhecimento e criar emprego”.

“É este o nosso projeto”, constata esperançoso o presidente da ESTGOH, notando a mais valia dos dois interlocutores neste processo, a Câmara Municipal e o Instituto Politécnico de Coimbra (IPC). Carlos Veiga fala de uma “proximidade” a nível interno e externo e que vai possibilitar à escola “começar a trabalhar e a fazer mais”. O responsável referiu em concreto a candidatura a dois novos cursos para a ESTGOH, um dos quais, ajustado à realidade da BLC3. O objetivo, clarifica o responsável pela escola, é de que a ESTGOH e a BLC3 passem a ser vistas como uma única entidade que “qualifica, produz conhecimento e o transfere para as empresas”.

“É a esperança de que isto é um virar de página na vida da ESTGOH”

Em Oliveira do Hospital para falar do “futuro” da ESTGOH, o presidente do Instituto Politécnico de Coimbra reconheceu a importância dos protocolos assinados com a BLC3. “A viabilidade da escola faz-se pela integração na comunidade e pelo interesse que a comunidade vê nesta escola”, começou por comentar Rui Antunes, que tendo em conta o interesse até aqui manifestado pela Câmara Municipal e a importância que a BLC3 tem no concelho e na região, não tem dúvidas de que hoje foi dado um “passo decisivo”, a somar a outros que “terão que ser dados”.

Sanado que está o diferendo entre presidente do IPC e autarquia local, Antunes realçou, hoje, a política do IPC em conferir maior autonomia às escolas que lhe estão afetas, e que é entendida como “positiva”, tendo até dado alguns resultados, como os protocolos hoje firmados. Neste domínio, Rui Antunes, apreciou o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo atual presidente da ESTGOH numa postura de “garantir a estabilidade e sustentabilidade da escola”.

“O senhor presidente sabe o que está a fazer”, notou, confiante de que apesar dos cortes nas dotações orçamentais – o IPC sofreu corte de 1,2 por cento – a ESTGOH, bem como a Escola Superior Agrária, terão condições para passar a ser notícia, não pelos problemas que enfrentam , mas pelo “emprego que geram”.

Otimista, Rui Antunes encarou a união hoje estabelecida entre a ESTGOH e a BLC3 como a “esperança de que isto é um virar de página na vida ESTGOH”, na certeza de que a escola iniciará “um período de crescimento”.

“Hoje dá-se aqui o pontapé de saída”, considerou, entretanto, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital que certo das potencialidades da BLC3 – “alguns politiqueiros e corriqueiros não percebem o que isto é”, lamentou – acredita que a ligação à ESTGOH vai potenciar um “ciclo de crescimento que, no futuro, terá pouco a ver com atual tecido empresarial”, numa linha mais vocacionada para a “investigação”.

“A ESTGOH e a BLC3 serão irmanadas e terão relações muitos fortes”, registou José Carlos Alexandrino que, no propósito de desenvolvimento de um projeto estratégico para a região, desafia as estruturas ligadas ao conhecimento e à investigação a realizarem um trabalho de “motivação”. “É preciso ter cursos que criem motivação”, concretizou o presidente que quer chamar a massa jovem ao concelho, numa clara intenção de “combate à desertificação”, tal como já é propósito da BLC3.

Neste trabalho de afirmação da ESTGOH, José Carlos Alexandrino realçou o trabalho do novo presidente da escola que, com a equipa que o acompanha, “trouxe estabilidade que não existia anteriormente”, conseguindo retirar a escola da comunicação social. “Quero que a escola seja notícia por boas práticas e não por lutas”, referiu o autarca, dando como sanados os conflitos com o presidente do IPC. “Não há aqui pedras no sapato, espero que seja um aliado e um parceiro”, frisou José Carlos Alexandrino.

Elemento integrante da equipa da BLC3, a título de “voluntariado”, António Campos considerou estar em causa a oportunidade de desenvolvimento do interior, onde “está tudo por fazer”. “Os jovens têm aqui oportunidades fantásticas”, registou António Campos que, apostado que está em “trazer jovens e massa cinzenta” para o interior, pretende inverter o atual cenário a que se assiste no concelho e na região, onde “as maiores instituições são os lares de 3ª idade”. “Não podemos aceitar”, frisou.

LEIA TAMBÉM

Amianto nas escolas de Oliveira do Hospital será retirado durante as férias lectivas de Verão

O presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital garante que a remoção do amianto das …

Crianças do pré-escolar de Oliveira do Hospital recebem menção honrosa com projecto de educação ambiental

O projecto “Semear para Crescer”, promovido pelo Município de Oliveira do Hospital, recebeu uma menção …