BLC3 lança projeto para a “Bioeconomia e Smart Regions”

 

Com este projeto, a BLC3, com sede na zona industrial de Oliveira do Hospital, pretende estabelecer simbioses entre as empresas (das mais diversas Regiões), de diversas fileiras industriais, centros de conhecimento e câmaras municipais, analisando os atuais fluxos de materiais e energia das mesmas, e desenvolvendo soluções integradas de redução, valorização e tratamento de resíduos e efluentes, aplicando assim o conceito de simbiose industrial e regional.

“Em Portugal, numa base reservadora, temos 34,46 milhões toneladas “lost” por ano de recursos e fluxos de massa e energia que não são valorizados ou tratados de forma ineficiente, nos diversos setores de atividade agrícola, florestal, industrial e municipal”, adianta a estrutura em comunicado, explicando que “com base na criação de simbioses industriais e regionais é possível valorizar este importante fluxo de massa que pode representar uma mais-valia económica anual em Portugal de 6.800 milhões de Euros”.

“O tecido empresarial e produtivo apresenta ineficiências e problemas competitivos porque não estão integrados de forma simbiótica com outras indústrias e regiões”, alerta a estrutura promotora do projeto de “elevado potencial” que “permitirá às empresas das regiões Centro, Norte e Alentejo valorizar os fluxos de resíduos/efluentes e de energia em função da sua constituição, inserindo-os novamente no ciclo produtivo”.

A BLC3 destaca a importância de se “promover e fortalecer a ligação entre os territórios e a abordagem coletiva para que o desenvolvimento não seja feito sectariamente e de forma isolada, e comprometer as Câmaras Municipais e as Universidades em prol da otimização e competitividade do tecido empresarial e na utilização eficiente dos seus recursos financeiros, infra-estruturais e humanos.

A BLC3 assume a “Bioeconomia e as Smart Regions” como a base de todo o seu trabalho que tem vindo a desenvolver desde a sua criação, assente na valorização do território, fixação de massa crítica, conversão de problemas em oportunidades e na melhoria da capacidade produtiva do tecido económico.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …