Por ser considerado um acto médico, o uso dos Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAE) está vedado aos bombeiros.

Bombeiros não podem dar uso aos desfibrilhadores

Imagem vazia padrão

No concelho de Oliveira do Hospital os dois aparelhos ao serviço das corporações padecem do mesmo mal nacional: o de Lagares da Beira nunca foi usado e o da corporação da cidade foi utilizado apenas uma vez. Os comandantes discordam, porque entendem que não há risco de “erro humano”.

Foi oferecido à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Oliveira do Hospital (AHBVOH) no Verão passado por Manuel Pinheiro, vítima de três paragens cardíacas numa só noite, e até ao momento só foi usado uma vez. Trata-se do desfibrilhador ao dispor dos bombeiros voluntários da cidade que, até ao momento, só foi utilizado uma vez. O comandante da corporação garante: “não foi usado mais vezes porque não foi preciso”.

Os sucessivos casos de paragens cardíacas em casa, locais de trabalho, públicos e desportivos têm suscitado algumas considerações em torno do uso dos desfibrilhadores, aparelho considerado indispensável para a estabilização do ritmo cardíaco. A mais recente discussão aconteceu a semana passada pela voz de Fernando Vilaça, da Liga de Bombeiros Portugueses, ao denunciar que os bombeiros portugueses não estão a usar os mais de 100 desfibrilhadores automáticos externos (DAE) integrados nas ambulâncias por falta de formação. Note-se que os aparelhos só podem ser usados por médicos e equipas do INEM.

No caso concreto do concelho de Oliveira do Hospital, as duas corporações – a da cidade e de Lagares da Beira – estão apetrechadas com um DAE, mas também vêem a sua utilização limitada ao pessoal médico. Ou seja – como explicou o comandante dos BVOH – “só se usa se houver um técnico credenciado para o efeito, isto é, um médico”. Até ao momento, a corporação comandada por Emídio Camacho ainda não se viu confrontada com a necessidade de o usar, sem que ao pé não estivesse um médico, porque se acontecesse “os bombeiros não poderiam usar o desfibrilhador”. Na única vez que o desfibrilhador da corporação foi utilizado, o manuseamento foi assegurado pela equipa da VMER que também acorreu ao local.

Camacho é, por isso, crítico relativamente à limitação do uso do desfibrilhador ao pessoal médico, porque “o aparelho faz todos os procedimentos automaticamente”. Tem noção de que é necessário que se tomem alguns cuidados – não estar em contacto com o corpo da vítima e impedir que o mesmo esteja em contacto com o metal, são alguns exemplos apontados – mas que poderiam ser salvaguardados através de formação adequada. “Os bombeiros é que fazem a intervenção imediata junto da vítima e em situação de paragem cardíaca ou se actua de imediato ou deixa-se morrer”, sublinhou Emídio Camacho, notando que “é tudo uma questão de mentalidades” porque “em outros países da Europa, os desfibrilhadores estão espalhados pelos espaços públicos e podem ser usados por qualquer pessoa”.

Desfibrilhador de Lagares da Beira nunca foi usado

Imagem vazia padrãoA ambulância medicalizada que o benemérito António Lopes ofereceu em Dezembro de 2006 à corporação de Lagares da Beira está equipada com um DAE, mas até ao momento nunca foi usado. “Temos desfibrilhador há já algum tempo”, referiu o comandante dos Bombeiros de Lagares da Beira, lamentando no entanto que, à semelhança do que acontece com a generalidade dos corpos de bombeiros, também a corporação de Lagares da Beira se veja impedida de fazer uso do equipamento. “Nunca foi usado e mesmo que fosse necessário nós não o poderíamos usar”, notou o comandante Pinto, discordando do facto de só os médicos poderem manusear os DAE. “É uma peça que funciona automaticamente e que faz a avaliação sozinha. O erro humano ali não existe”, referiu, assegurando que até ao momento, a corporação não se deparou com nenhum caso em que o uso do aparelho se impunha como determinante para a prestação do primeiro socorro.

 

Liliana Lopes

LEIA TAMBÉM

Dominado fogo que hoje se reacendeu em Tábua

O incêndio florestal que deflagrou na terça-feira no concelho de Tábua, que esteve em fase …

Incêndios destruíram mais 500 hectares em Seia

Incêndio de Tábua reacendeu-se e mobiliza centenas de bombeiros

O incêndio que ontem deflagrou em Tábua, está novamente activo. O reacendimento aconteceu ao início da tarde …