Bonibrinca fecha portas e lança 12 trabalhadores no desemprego

 

A ameaça de encerramento que pairou sobre a empresa em Janeiro de 2010 acaba de se consumar. Depois de um período de mais de 20 anos de laboração, a Bonibrinca, única fábrica de peluches em Portugal que também se dedicava a brindes publicitários, fatos de carnaval e puericultura, encerrou as suas portas e colocou no desemprego uma dúzia de trabalhadores, dos quais apenas um é do sexo masculino.

A decisão de encerramento definitivo da unidade empresarial e consequente venda do património tomada, ontem, em Assembleia de Credores foi confirmada ao correiodabeiraserra.com pelo advogado Armando Pinto Correia que, também, atestou a este diário digital, que o pedido de insolvência já tinha sido avançado pela própria administração, há cerca de um mês.

A falta de encomendas foi o motivo maior que conduziu àquela tomada de posição por parte da administração que, já se vinha deparando com este problema há largos meses. “Não tive encomendas”, confirmou o administrador José Manuel Almeida a este diário digital.

Os 12 trabalhadores que, desde o mês passado, se encontravam em período de gozo de férias forçado, são os principais credores da empresa, situação que se explica pelos dois salários em atraso, mas também pelos valores de indemnizações a que têm direito.

A acompanhar este processo, a presidente do Sindicato dos Têxteis e Vestuário do Centro, Fátima Carvalho confirmou a este diário digital o esforço feito pelo administrador para manter a empresa e os postos de trabalho, mas também é de opinião de que não estavam reunidas as condições para a fábrica manter a laboração.

“Não se aguentava”, adiantou, justificando o colapso da Bonibrinca com reduzido volume de encomendas e a irregularidade com que as mesmas iam surgindo.

Indissociável desse ponto estava, ainda, o escasso fundo de maneio ao dispor da administração. “Tapava a manta de um lado e destapava do outro”, observou, ao mesmo tempo que elogiou a coragem dos trabalhadores que “foram aguentando a situação”.

LEIA TAMBÉM

Primeiro-ministro vê nas biorefinarias uma “oportunidade” para aproveitar a floresta e elogia trabalho desenvolvido na BLC3

O primeiro-ministro destacou ontem na inauguração do Campus de Tecnologia e Inovação BLC3, em Oliveira do …

António Costa remete construção do IC6 para “quando haja condições financeiras”

O primeiro-ministro não se compromete com uma data para a construção do IC6 entre Tábua …