CAB Madeira supera Vitória e apura-se para a final da Taça Hugo dos Santos

O CAB garantiu a presença na final da Taça Hugo dos Santos ao bater na meia-final a equipa do Vitória por 89-83. A equipa vimaranense foi mais forte durante o primeiro tempo, mas na etapa complementar, os madeirenses através de uma melhor seleção de lançamentos e uma decisiva presença na tabela ofensiva conseguiu superar o adversário nos minutos finais do encontro.

Os primeiros 20 minutos do encontro foram marcados pelo ligeiro ascendente do Vitória (39-33), sempre muito bem liderados pelo seu capitão Paulo Cunha.

O início do segundo tempo afigurava-se complicado para a turma insular, já que Fábio Lima tinha que assumir o papel de 1º base na equipa do CAB. Foram sete minutos em que os vitorianos não conseguiram tirar vantagem desse facto, uma vez que o CAB conseguiu controlar sempre o ritmo do jogo da forma que mais lhe convinha.

Consciente da diminuta rotação de jogadores de que dispunha, o técnico João Freitas apelava a um maior coletivismo nos movimentos ofensivos da sua equipa. O CAB acabaria por vencer porque circulou melhor no ataque e fez uma melhor seleção de lançamentos. No final do 3º período a equipa da Madeira já tinha dado a volta ao resultado e entrava no derradeiro quarto a vencer por dois pontos de diferença (56-54).

O jogo estava em aberto, e aparecimento de José Silva no jogo fazia aumentar as possibilidades do Vitória sair vencedor neste jogo. O técnico Fernando Sá carregava no jogo interior, na procura de cestos com maior eficácia ou retirar faltas ao adversário. Mas uma falta técnica ao banco vitoriano, seguido de um cesto de campo, e um turnover na reposição da bola em jogo, valeram seis pontos que permitiram o CAB fugir no resultado.

Não mais os madeirenses deixaram o Vitória aproximar-se no resultado, com o ressalto ofensivo a da equipa insular revelar-se extremamente importante nos momentos finais do encontro. Valiam segundas posses de bola, retiravam tempo ao relógio e valiam pontos que mantinham a diferença no resultado.

Mais uma brilhante prestação de Aaron Anderson (21 pontos, 10 ressaltos e 2 desarmes de lançamento), MVP do jogo com 31.5 de valorização, a ser decisivo no apuramento do CAB para a final. O base Ricky Franklin, melhor marcador do jogo com 31 pontos, voltou a demonstrar a sua grande apetência para fazer pontos. Mais um bom jogo para Fábio Lima (15 pontos, 4 ressalto, 3 assistências e 2 roubos de bola), a assumir a responsabilidade do jogo nos momentos decisivos, bem como se mostrou sempre disponível para ajudar a equipa nas funções que fossem necessárias durante todo o jogo.

A dupla formada por José Silva (20 pontos, 5 ressaltos, 3 assistências e 2 roubos de bola) e Paulo Cunha (19 pontos e 3 ressaltos) bem lutaram pela presença no jogo de decisão da prova. O capitão vitoriano foi o mais regular da equipa, assumindo-se sempre como a referência da equipa em todos os momentos do jogo.

fpb.pt

LEIA TAMBÉM

CDS/PP pede ao Governo conclusão do IC6 até Oliveira do Hospital e construção do IC7 e IC37

O grupo parlamentar do CDS-PP recomendou ontem ao Governo a conclusão do Itinerário Complementar 6 …

E porque digo eu que o Futebol Clube do Porto é a equipa de futebol mais próxima de jogar como faz o Real Madrid? Autor: João Dinis

Tipo “declaração de interesses”, digo que sou Benfiquista desde que me conheço (tenho 64 anos) …