Assembleia Municipal pretende ratificar destituição António Lopes que considera este acto mais uma ilegalidade

CADA responde a António Lopes e aconselha autarquia oliveirense a facultar documentos

A Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA) emitiu um parecer segundo o qual a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital deve facultar ao agora deputado ( e a todos) e primeiro eleito à presidência da Assembleia Municipal, toda a informação que detenha sobre a instalação de contadores e receitas decorrentes do aumento do preço da água. Aquela entidade acrescenta ainda, na sua decisão de 16 de Dezembro, que esta informação deve ser prestada sem que seja necessário “criar ou adaptar documentos para satisfazer o pedido”. O parecer, segundo António Lopes, corresponde inteiramente às suas expectativas e acredita que está aberto o caminho para a autarquia responder de forma célere aos esclarecimentos que lhe forem solicitados, num prazo máximo de dez dias úteis.

O homem que foi eleito para presidir à Assembleia Municipal acredita que, a partir deste momento, será mais complicado ficar sem respostas. Está convencido que não se repetirá o caso das informações pedidas em Agosto. Um caso alegadamente protelado que só agora com este parecer deverá ser solucionado. Nesse caso, a mesa da Assembleia Municipal em resposta às perguntas da CADA referiu que remeteu ao Presidente da Câmara o pedido de 18 de Agosto de 2014, prevendo facultar a informação na sessão na AM de 19 de Setembro. A CADA no seu parecer, contudo, lembra que José Carlos Alexandrino, enquanto presidente da Câmara, lhe compete “responder, em tempo útil e de modo a permitir a sua apreciação na sessão seguinte da Assembleia Municipal, aos pedidos apresentados por esta”. A CADA sublinha ainda que compete à assembleia municipal “solicitar e receber informação, através da mesa e a pedido de qualquer membro sobre assuntos de interesse para o município e sobre a execução de deliberações anteriores”, sem esquecer que compete à mesa da Assembleia Municipal “requerer à Câmara Municipal ou aos seus membros a documentação e informação que considere necessárias ao exercício das competências da Assembleia Municipal, assim como ao desempenho das suas funções”. Como António Lopes se queixou de não ter recebido a informação, a CADA considera que está em causa o acesso à informação e que aquela documentação deve ser facultada ao requerente.

Sobre o pedido de António Lopes, de 16 de Maio de 2014, referente a um conjunto de informações relacionadas com processos de licenciamento, lista de funcionários, da ADESA, BLC3, e outras participadas, percentagem de capital social nas empresas participadas pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, subsídios atribuídos para arrelvamentos, montantes avalizados, gastos com feiras do queijo, a CADA aceitou como boa a resposta da mesa da AM de que o acesso a tais documentos foi facultado em sessão de assembleia Municipal. Algo que António Lopes nega. Mas não reclamou no prazo de 20 dias a contar da data em que deveria receber a documentação (a lei confere um prazo máximo de dez dias úteis para quem de direito responder). Neste caso concreto, a CADA esclarece que a resposta deveria ter chegado ao requerente a 30 de Maio de 2014. O prazo de 20 dias para reclamar, por seu lado, terminou a 19 de Junho de 2014.

“Não sabia deste prazo para reclamar, nem estava preocupado porque a minha preocupação é o debate de ideias e a resolução dos problemas. Mau seria se estivéssemos obrigados a recorrer para as instâncias competentes para obter as informações a que temos direito”, explicou ao CBS António Lopes, sublinhando ainda que ficou satisfeito com o parecer da CADA. “Ficou clara a razão que sempre me assistiu quando, pois por diversas vezes, citei as leis agora enumeradas pela CADA. Acredito que, de ora em diante, vai ser outra a fluidez das respostas e a eficácia da Assembleia no que concerne aos seus deveres e direitos de fiscalização da actividade Municipal. Sou de honrar os compromissos que assumi. Não pretendo ser acusado nem de desistência nem de omissão. No caso da água a Câmara forneceu, de facto os documentos na Assembleia Municipal, o que não permitiu a sua análise, em tempo útil, para a necessária discussão”, conta António Lopes que promete, agora, avançar com um novo conjunto de pedidos de esclarecimentos, entre eles aqueles que não foram respondidos por não ter reclamado dentro do prazo. “Já tenho seis requerimentos prontos, sem prejuízo de fazer mais, e que devem seguir no dia 2 de Janeiro, em simultâneo para a mesa da AM e para a Comunicação Social. Quero ver esclarecidos vários pontos da governação”, frisa, explicando que está particularmente preocupado com o “boom” de ajustes directos, que, no seu entender, em favor da transparência só devem acontecer em casos limite. Não tenho nada contra as empresas em causa, mas deve ser tudo transparente”, remata.

LEIA TAMBÉM

Caça praticamente proibida no concelho de Oliveira do Hospital até Maio de 2018

A caça está proibida até 31 de Maio de 2018 nas zonas consumidas pelos fogos, …

Capoula Santos apresentou em Oliveira do Hospital novas medidas de apoio aos agricultores afectados pelos fogos

O Ministro da Agricultura apresentou, ontem, em Oliveira do Hospital, as novas medidas de apoio …

  • Guerra Junqueiro

    Há CADA uma, até parece que estavam a citar o que o AL tinha dito.

    Estou muito satisfeito com esta resposta da CADA, que não podia ser outra, pois transcreve na integra tudo aquilo que aqui escrevi sobre os temas.
    Várias vezes alertei para que colocassem a tampa no esgoto, optaram por alargar o buraco, agora ninguém segura a trampa que vai sair.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Politicalex

    Pois … se fossem inteligentes saberiam que a melhor forma de limpar é não sujar. O Homem bem lhe perguntou se eles eram capazes de segurar as pontas…Aprecio é o ar provocatório..! “Alguns davam-me 6 meses e ainda cá estou”… Esta simples resposta levou 4 meses. A IGF deve estar a aparecer. Só que, essa, pega mais pesado. Há quem pense que a lei é à medida dos desejos.Só que, como se verifica, ela existe .Às vezes, é igual para todos. Eu quero-me rir é quando o mandarem sentar na cadeira,e ficarem com um ano de decisões tudo ilegal. Quero ver o que vão dizer quando tiverem que pagar os dinheiros que andaram a distribuir aprovado em Assembleias ilegais. Eles pensam que isto, é o quero posso e mando, mas algo me diz que a coisa não vai sair barata. Esperar para ver…

  • Malhadinhas

    As leis são para se cumprirem. Se não obedecerem à CADA, é tribunal com eles e aí vão ver o que dói depois deste parecer. Mais uma goleada do que dizem falido aos senhores da Casa Branca.

  • Guerra Junqueiro

    Porque é bom relembrar, a oito de Maio de 2014 escrevi o seguinte:

    Sendo verdade que há muito tenho este texto escrito, optei por não o postar. Achei pois, que por haver perspectivado tudo isto no passado e ter alertado nessa altura para os problemas que se estão agora a sentir para além daqueles que irão aparecer e/ou
    agudizar, não me caberia mostrar que não “abriram a caixa de Pandora” como disse o Sr. Presidente da Assembleia Municipal, mas que tiraram isso sim a “tampa da caixa do esgoto”. Depois desta entrevista de AL decidi colocá-lo. Aqui vai:

    Nunca pensei ter razão tão cedo. Nem tão cedo aqui voltar a escrever; Afirmou Blaise Pascal que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”.
    O que teria acontecido à relação Lopes/Alexandrino, que levou o PS a pôr o coração de lado e acima de tudo perder a razão quando optou por destituir António Lopes da sua função de Presidente da Assembleia Municipal?
    Estará António Lopes louco como afirma Alexandrino? Que doença de foro neurológico terá contraído, para que dois meses após terem ganho as eleições, na assembleia de 28 de Dezembro aparecessem os primeiros sinais de tal enfermidade? O espírito natalício não costuma carrear tal moléstia!
    Apesar dos tangos que dançaram, o tempo foi passando sem grandes alterações no relacionamento e comportamento desta relação. Sendo o resultado do diagnóstico clínico de António Lopes uma inequívoca “clarividência”. O presidente da Assembleia, que foi escolhido por perto de 8000 eleitores, sentia agora que o projecto político que tinha perspectivado jamais se iria realizar.
    O parceiro em que investiu, escolheu e preparou para esta caminhada, JCA, optou por peregrinar com a tribo socialista local, escolhendo caminho avesso ao que tinha acordado calcorrear com António Lopes. Outra coisa não se podia esperar, que não esta cisão.
    Embora não comungue dos ideais políticos de António Lopes, não lhe vislumbro rancor nem laivos de superioridade e muito menos tendência para perseguição política. Acredito que na sua maneira de ver, tinha um projecto nobre para o Concelho, penso que iria encetar esforços de modo a ter a sociedade Oliveirense mais atenta, opinativa e acima de tudo mais participativa nas políticas concelhias. Acho que AL gostava de sentir a Assembleia Municipal mais viva, a proceder para além do actual modo de funcionamento, a que chama e com razão de “serviços mínimos”, pois raramente se vai além dos meros recados e dos pedidos que os deputados fazem ao Presidente da Câmara. Isto para não referir os constantes enaltecimentos, louvores e elogios dados ao mesmo, fazendo lembrar os vendedores de “banha de cobra” a panegíricar apologeticamente os seus produtos, mesmo duvidando da sua qualidade.
    Ao contrário do que prometeu, “tudo pelas pessoas”, dá conta de uma falsa igualdade de oportunidades para todos, começa a notar que a tribo socialista acampa na Câmara Municipal e em outros organismos por o município regidos. Nota que este parasitismo infecta inclusive o presidente JCA, que já não consegue purgar-se e muito menos disfarçar esta parasitose que precocemente o matará politicamente. Claro que morrendo o hospedeiro, morrem também os vermes que o parasitam, no entanto as feridas que causam no tecido concelhio serão difíceis ou mesmo impossíveis de sarar.
    É notório que António Lopes não quer fazer parte desta gestão. Gestão que na opinião dele sangrará as parcas finanças camarárias, e que trarão à administração muitas dores de cabeça além da impossibilidade de realizar compromissos assumidos e prometidos.
    Tenho em crer que Alexandrino tinha escolhido melhor a companhia de Lopes e a realização do projecto que inicialmente pretenderam implantar, o projecto que há cinco anos os levou à presidência, mas que o egoísmo e ciúme do clã socialista condenou. Acho que o principal motivo desta cisão foi António Lopes acreditar que JCA, para além de se juntar à tribo, quis tornar-se um dos seus líderes e como tal com objectivos bem diferentes e mesmo até antagónicos ao que os levou a unirem-se. Alexandrino e o PS não deixaram outra opção a Lopes que não a saída, o modo como o fizeram foi ultrajante para o Concelho, que parece não anuir nem tão pouco tolerar. Pois foi em António Lopes que os Oliveirenses votaram para presidente da AM, e não em outro qualquer, que vinte e poucos deputados ali colocarão segundo a vontade do PS e a anuência de JCA. Enfim problemas da Democracia.
    Há 2300 anos, deambulava Diógenes pela ruas de Atenas e Corinto com uma lamparina na mão a ver se encontrava um homem honesto. Podem bem fazê-lo agora na tribo PS da Assembleia Municipal, à procura de alguém com alternativas políticas sérias e honestas para o lugar de AL. Estou bem seguro de que não vão encontrar. Nem, seguramente, com um milhão de lanternas, pois não se tira de onde não há.
    O tempo cura, é um óptimo conselheiro. Vamos esperar para ver as consequências destas atitudes que envolveram os principais figurinos da política concelhia. Para este futuro próximo, não perspectivo nada de bom, dando infelizmente razão a tudo o que no passado aqui deixei registado.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • À Maneira

    A coisa está a ficar preta pró Alexandrino e amigos, a avaliar pelo final deste ano, não será fácil um próspero 2015.
    Poupe o nosso dinheirinho, deixe-se de festas, e que ponha a seita toda a trabalhar.

  • António Lopes

    António Lopes-“O Demitido”

    Ao longo da nossa história, no conflito de interesses que a vida política sempre protagonizou e que, no fundo, é a sua essência, tivemos alguns destronados,De repente, estou a lembrar-me de D.Sanho II e D. Afonso VI., no absolutismo, D.Miguel I nos alvores do liberalismo e por legalidade controversa.
    À cadeira em que se sentavam, quando em cerimónias oficiais, normalmente colocadas num plano elevado, chamava-se trono.Daí “Destronados”.
    Nos nossos tempos a cadeira, normalmente, já não se coloca em plano elevado, embora quase sempre, tenha algo que a distinga. No caso da “minha”, as costas mais altas.Talvez por isso: “O demitido”.
    Vem este “intróito” a propósito de uma notícia da Rádio Boa Nova, que me distingue como “o político do Ano”,

    “António Lopes O demitido”:

    Agradecendo a atenção e o título,aproveito o ensejo para endereçar as Boas Festas e os votos de Ano Novo aos profissionais e colaboradores daquela rádio. Não podendo comentar lá e para não deixar o reparo para o ano que vem, deixo aqui, algumas considerações.

    “Rainha de Inglaterra”: Talvez pegando nesta minha expressão(presunção minha) o ex-Procurador Geral-Pinto Monteiro, utilizou a mesma expressão, que se usa quando se tem um cargo onde se decide(manda) pouco ou nada.Porque não me debruçava, tanto quanto o faço hoje, sobre os poderes e importância do cargo de Presidente de Assembleia Municipal, efectivamente, assim pensava.Aliás, varias vezes expliquei o sentido da frase.De facto, a Rainha de Inglaterra é a soberana de 15 Países e líder de uma comunidade de cerca de 50..! Mas têm-se a ideia que é um cargo meramente representativo.

    “O Demitido”:Em bom rigor, jamais poderei ser “demitido”. Numa democracia madura, como se pretende seja a nossa,a soberania está no Povo..Ao Povo disseram quem era o candidato ao cargo.O Povo, na sua soberana decisão escolheu.Por mais voltas que se dê ao texto, por mais leis que se invoquem e nós conhece-mo-las, esta é uma verdade de Lá Pallisse.Que a possibilidade existe, existe, e por isso foi usada.Mal, digo eu.Mal irá quando as eis se sobrepuserem à vontade do Povo:A isso chama-se: Ditadura!!!

    Até que os tribunais demonstrem o contrário, e mesmo que o mostrem não invalidam o atrás dito, serei, quando muito: “O Suspenso”.

    Até lá, e como diz a notícia, já protagonizámos vários inéditos e, cremos pensar, se o Criador não nos acertar as contas antes do que prevemos, que mais uns tantos ainda havemos de protagonizar. Somos dos que pensam : “só é vencido quem desiste de lutar”. Também sómos dos que acreditamos no chavão:, “a razão, mesmo vencida não deixa de ser razão”.
    Alguém alguma vez imaginou ver um comunista sentado na “cadeira da costa alta” em Oliveira do Hospital? E o comunista alguma vez escondeu que o era? Alguma vez enganou alguém? O Comunista, desde que se envolveu nesta caminhada, não defendeu sempre, os mesmos valores ideais e princípios? O que era um “Case Study” para o então director do CBS, e “uma força da Natureza e um homem com um coração do tamanho das 21 freguesias” para o então líder do PS”e “merecedor de uma estátua” como dizia o actual presidente da Câmara, mudou alguma coisa? O que era bom para combater o então presidente da Câmara, nas mesmas condições e desvios, não é bom hoje porquê? Foi “O demitido” que mudou, ou foram os que o demitiram? Mudaram da oposição para o poder.Mudaram da crítica para o erro acrescentado.Hoje, afirmo e provo, a gestão publica tem menos rigor e piores opcções. O pretenso diálogo é só aparente e de fachada.Ai daquele que contrarie…!(Como se prova). A descriminação, acentua-se a vários níveis .O proteccionismo partidário confrange.A gestão da comunicação social, envergonha.
    Carrego com prazer e alguma felicidade o epipeto de “Demitido”. Não quero é carregar o de traidor.
    Traidor, não à bandeira por que dizem fui eleito,que não traí, porque independente, e porque nunca lhe jurei fidelidade.Antes pelo contrário.
    Não quero ser traidor aos compromissos que,pessoalmente, em nome da candidatura, assumi de :”TUDO PELAS PESSOAS”. É a única lealdade a que me sinto vinculado e tudo farei para não desmerecer: “Tudo pelas pessoas”- todas”. Não por e para algumas pessoas.
    A CADA, já deu uma ar da graça.Esperemos calma e serenamente pelos desenvolvimentos.O Inverno começou há dias.Muita água vai passar debaixo das pontes. Muitos “inéditos” temos para presenciar..
    Da minha parte, pelo Concelho, tudo.
    Um BOM ANO NOVO a todos os Oliveirenses

  • Erasmo de Roterdão

    “Impostor André do Amaral” : Por onde andais? Não me dais novas desde a 3ª oitava do Natal. Estamos na 1ª oitava do Novo Ano, e nem sinais..! Será que andais a ver se encontrais vossa degolada cabeça? Ou o saber que a não tendes,deixou-vos sem memória para transmitirdes os recados de vosso amo..?

  • Mitómano

    ó Sr.Lopes: E aquele “concubinato” do “director de comunicação” e a Câmara não merece denuncia à IGF? Aquilo parece-se com alguma coisa? Qual prestação de serviços? Eles sabem o que é prestação de serviços e o que é vinculo laboral..? Essas contas da EXPO H, também não há ninguém que pegue nisso..?

    • CPV – Tacho

      http://www.base.gov.pt/base2/rest/documentos/46690

      Este é o contrato que tem um CPV 79340000-9, serviços de publicidade e marketing, mas que aqui em Oliveira, também serve para assessoria de imprensa, “Cláusula Primeira – O presente contrato tem por objeto, a aquisição de serviços para Coordenação do Gabinete de Comunicação e Marketing do Município de Oliveira do Hospital e Assessoria de Imprensa, pelo segundo outorgante ao primeiro outorgante.”

      O que interessa é arranjar um salário ao rapaz, pois o anterior estoirou.

  • Onde páras

    Faz cá falta o “Roimenatola”.

    • Zé Montanelas

      Realmente estou contigo, o “Roimenatola” era um dos grandes comentadores deste espaço.

  • Mitómano

    Não pára.. Com a crise já lhe roeram a “tola”… hehehehe

  • Erasmo de Roterdão

    Então, “Impostor Amaral”: Como eu compreendo o vosso dilema..! Mandais o corpo ver da cabeça. Mandais a cabeça ver do corpo..! Debalde, não se conseguem encontrar.É que, naquele tempo, não havia “directores de comunicação”. A mesma, era feita com a exposição da cabeça e do corpo, esquartejado, em diversos e frequentados pontos. Jamais ireis conseguir a recomposição..! Tal como a vossa narrativa. Enquanto foi argumento, argumentaste. Enquanto foi propaganda propagandeaste. O problema foi quando a narrativa se baseou nas actas, nas decisões documentadas, nos contratos publicados. Aí, o sistema colapsou..! Somos informados que pela “calada da noite”, o adversário bateu em retirada. Finalmente, o “general da “Guerrilha” descobriu que não tinha nem tropas nem argumentos, e mandou recolher ao quartel, decretando o Blackout de que meus “frades” me informam..! Finalmente, uma medida sensata…! O que se chama, na gíria, perder por falta de comparência..! Do mal o menos.Perderam a “Guerra” mas salvaram o coiro..!
    A Chamada “vitória dos cobardes”..! Se fossem avisados, por certo saberiam que, quando se sai à rua é para “dar porrada”.Para levar, fica-se no quartel. Do mal o menos… Levaram e recolheram…! Pelo menos ficaram a saber como elas mordem..! Já agora: Já investigaram os fundos das caixas da EXPO H? Menos 60 mil, só pode ser por as caixas estarem rotas, não..? Ou terá sido para acertar as contas de campanha com o Quim Barreiros, O Gabriel , o Rui de Penacova e o mais que só o segredo dos Deuses podem imaginar..? Vê-de lá se encontrais vossa cabeça e justificações e se nos dizeis algo.Tá..?

    • Guerra Junqueiro

      Caro Erasmo;

      A verdade é uma coisa tão boa que a mentira não pode dar-se ao luxo de passar sem ela. E isto torna-se tão destrutivo para estes “De Amarais” que por aqui aparecem, que andam há dias à procura das possíveis mentiras dentro das verdades. Deviam saber que o que não estiver rodeado de incertezas não pode ser verdade.
      Queria o Erasmo que participassem na discussão. Esqueça, pois não é possível discutir racionalmente com alguém que prefere matar-nos a ser convencido pelos nossos argumentos.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • Techugo

    É Lopes. Tás gordo que nem um techugo rapaz. Andas a comer fiado ou quê?

    • Herba Life

      Queres ir trabalhar para a Herbalife?
      Com essa preocupação que têm tido com o peso das pessoas, davam uns comerciais de sucesso.
      O peso politico do Homem preocupam-vos bem mais.

  • António Lopes

    Não.É com o que ganho na política..! Nisso como noutras coisas anda descuidado.Há mais de dez anos que peso o mesmo..! Se é a única crítica, fico satisfeito…

  • Corto Maltese

    Caro Techugo, com tanta coisa a preocupar os senhores da casa branca e o único argumento é o peso do Lopes. Já que não conseguis rebater nenhuma das suas verdades, ides pelo insulto fácil. É uma estratégia de quem está perto do precipício.

  • António Lopes

    Lendo o chamado Boletim Municipal,que nem o facto de ser o 1º eleito à Assembleia Municipal me dá o direito de receber… fico na minha dúvida de sempre.Se estou a ler um documento que tem força de lei, se um jornal de campanha.
    Chamou-me particular atenção a variada distribuição de “migalhas” .Da componente da “Caras” já não vale a pena falar….É superior às pessoas. Mas a mais refinada de todas, é a referência aos 53 mil euros de apoio ao ensino superior, onde, no orçamento deste ano foram reduzidos 20 mil euros..! Talvez por ridículo, não referiram os trinta e poucos mil de apoio à maternidade.

    Também estranhei não vir, ali, uma referência que seja, porque é que o orçamento da EXPO H deslizou duas vezes e meia para mais, no curto espaço de sessenta dias.Também nada se diz do porquê de as receitas diminuírem cerca de sessenta mil euros(É obra)…

    Outra coisa que estranho muito, é que já conheci o “director” do “Boletim” com um discurso bastante mais acutilante com o poder e, em minha opinião, bastante mais interessante.Como de resto o era o dos actuais detentores da Municipal governação.
    Como diria o poeta: “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”
    Espero bem , num futuro próximo, não ver-mos as inaugurações do governo, no diário da Republica…

    • Guerra Junqueiro

      Sr Lopes;

      Quem vê “Caras” não vê corações.

      Gostei particularmente da informação sobre a recuperação das antigas instalações da Acibeira que a BLC3 tem em curso, fiquei esclarecido sobre todo o projecto que se vai levar a cabo. Fez-me lembrar aquela etiqueta que colocam nas máquinas quando estão avariadas: “Avariada – Não funciona. Pois encontra-se avariado o sistema de funcionamento”.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • Mitómano

    Em boa verdade aquilo mais parece aqueles livrinhos de banda desenhada… Não há um mínimo de pudor no conteúdo daquela “coisa”..! Loas, hossanas, basbacais fotos, e não se sai disto…Nota-se uma preocupação doentia em “vender” o que não é vendável… esta sofrível governação. Quanto ao responsável por aquela “salada” não há palavras.Quem disse que nada se adaptava melhor que o ser humano, sabia do que falava…Se não visse, não acreditava… De jornalismo de intervenção a banda desenhada..!
    Quanto ao Sr. António Lopes: É verdade que se arrependeu logo que percebeu o logro… mas, não foi o senhor o responsável por esta “democracia” que faz sentir saudades do Mário Alves..? Como o senhor costuma responder, apreciava a sua resposta…

  • António Lopes

    Em boa verdade, já alguém disse que um homem não deve fazer nada de que venha a arrepender-se. Tendo que se arrepender, deve fazê-lo o mais rapidamente possível.
    O motivo do arrependimento dava um tratado político.Não é o tempo nem o lugar, mas especialmente, o tempo. Tendo concluído que havia motivo, segui o conselho e arrependi-me, tão cedo quanto possível… De momento é a justificação possível…

  • Politicalex

    -O Vereador Mário Alves começou por referir que “depois desta longa intervenção política feita pelo Vereador Paulo Rocha, gostaria de deixar as seguintes «notas de rodapé», e a primeira nota é para pura e simplesmente concluir o desprezo que o executivo em permanência dá aos vereadores da oposição neste executivo”, esclarecendo que “refiro-me a isto, não só pelo facto desta questão ter sido invocada pelo Vereador Paulo Rocha, relativamente à questão do Futebol Clube de
    Oliveira do Hospital, mas também pelo que se passou com a última edição do Boletim Municipal”,lembrando que “se isto tivesse acontecido no mandato anterior este salão teria caído com a voz sempre aguda e insinuante do Sr. Vereador José Francisco Rolo”. Esclareceu que a situação a que se referia tinha a ver com o facto do executivo em permanência “ter editado recentemente o Boletim Municipal e «não se deu ao luxo» de entregar aos senhores vereadores da oposição um exemplar do Boletim Municipal”, coisa que “com tanta critica feita ao Boletim Municipal no passado, nunca por
    mim foi feita, nem pelos executivos a que eu presidi, pois a primeira preocupação era entregar um exemplar do Boletim Municipal aos senhores vereadores do executivo e enviar, por correio, um exemplar a todos os membros da Assembleia Municipal”. Disse assim entender que “isto é um sinal de falta de democracia por parte do executivo em permanência, que anda sempre a apregoar à democracia, mas falha em coisas tão simples como esta do Boletim Municipal”.

    É verdade. estes não distribuem o Boletim Municipal (Caras) a ninguém..!Fizeram de Mário Alves um democrata…Andam sempre muito ocupados com as festas…

    VOLTA MÁRIO.ESTÁS PERDOADO!!!

    • Combate

      Pois… há quem pense que esta “veia democrática” é de agora contra o Lopes…Mas não. Eles são mesmo assim. O vereador Rolo, tal como todo o PS, quando chegam ao poder, esquecem o discurso, num instante.
      Contrataram um director de comunicação e Markting cuja principal preocupação é ver se anula o CBS. E não escrevem metade do que ele escrevia. Uns dias ameaça outros alicia. Para mandar o paskim que escreve para os membros da assembleia é que não tem tempo. Os “democratas”, se calhar com vergonha do conteúdo, também não se preocupam…Eles querem é estar nas televisões, dois dias, na feira do queijo..! Nada mais os preocupa.Vivem para a foto…

      • Não se esqueçam

        O pessoal de Lisboa alerta para que não falte o doce de abóbora e nozes?
        É malta exigente, já não vêem só para degustarem o queijo, querem também a sobremesa de requeijão.
        Este “turismo caritativo” está a tornar-se muito exigente.