Câmara aprovou orçamento com incentivo à natalidade

 

… ontem aprovado, em reunião extraordinária do executivo.

Todos os nascimentos que ocorram no concelho a partir de janeiro de 2013 vão contar com o apoio da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital.

A medida que, na prática, vai funcionar como se de uma espécie de abono se tratasse pretende apoiar as famílias nos primeiros três anos de vida das crianças. No primeiro ano, o apoio mensal é mais elevado, prevendo-se uma redução do valor atribuído nos dois anos seguintes.

Para a concretização da medida de incentivo à natalidade e apoio às famílias em 2013, a Câmara Municipal reserva um bolo de 125 mil Euros no Orçamento Municipal e Grandes Opções do Plano, ontem aprovados em reunião extraordinária da autarquia.

“Vamos dar um valor mensal a todas as crianças que nasçam em 2013”, anunciou ontem o presidente da Câmara Municipal. José Carlos Alexandrino disse tratar-se de “um abono familiar mensal que será transferido em cheque, com a obrigatoriedade de ser gasto em artigos necessários ao crescimento da criança”.

Para além de apoiar a natalidade concelhia, a medida aprovada tem a dupla função de apoiar o comércio local. “O cheque terá que ser gasto em lojas do concelho”, informou o presidente da autarquia, destacando a preocupação do município em potenciar “a retoma económica” concelhia.

A media de apoio à natalidade consta do Orçamento ontem aprovado com as abstenções dos vereadores do movimento independente “Oliveira do Hospital Sempre” e do vereador do PSD, que prima pelo “grande rigor financeiro” e “forte investimento no apoio a desempregados e aos setores mais frágeis da população”.

“A nossa grande prioridade está centrada nas pessoas”, garante José Carlos Alexandrino referindo-se a um orçamento para 2013 com teto máximo de 14,2 milhões de Euros onde, logo depois da Educação com 3,7 milhões de Euros – contempla a conclusão do Centro Educativo de Nogueira do Cravo –  a Ação Social volta a absorver uma fatia significativa (1,2 milhões de Euros). Para além da matriz social, José Carlos Alexandrino destaca a capacidade do município para a realização de obra de “inegável interesse coletivo”.

Na área da Reabilitação Urbana, destaque para o arranque da primeira fase de requalificação da envolvente da Igreja Moçárabe de Lourosa, e a empreitada de requalificação da Avenida Carlos Campos e da envolvente à Estação Central de Camionagem. No que respeita a saneamento e salubridade, a Câmara prevê continuar a alargar a rede de saneamento e tratamento de efluentes, entendendo como prioritária a conclusão da empreitada em execução na Moita, Formarigo e Carvalha, o saneamento do Bairro do Lagar, em São Paio de Gramaços, e dos Machorros, em São Gião, e o arranque da empreitada de prolongamento do saneamento na Avenida Principal e Quinta do Rio Seco, em Travanca de Lagos, e Quinta das Tapadas, em Bobadela. A execução do projeto de limpeza das margens dos rios Alva, Alvôco e Mondego também está entre os planos do município.

Em causa estão documentos que, segundo Alexandrino, foram aprovados em sede de reunião do executivo num “ambiente de são debate construtivo e de reconhecimento do esforço de consolidação da saúde financeira do município. “Os vereadores deram os parabéns pela boa situação financeira da Câmara Municipal”, disse satisfeito o presidente da autarquia, contrapondo com os que “por aí dizem que a Câmara está na bancarrota”. Um boa situação financeira que Alexandrino não deixa de associar ao equilíbrio das contas municipais deixado pelo anterior executivo . “Se encontrasse uma Câmara com uma dívida de 50 milhões de Euros não se podia fazer nada”, referiu.

O Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2013 carecem de apreciação e votação dos membros da Assembleia Municipal que reúnem no próximo dia 15 de dezembro.

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …