Ramalhete

Câmara cumpre parecer da CADA a favor de António Lopes e diz que João Ramalhete foi o elemento nomeado pela autarquia para o Conselho de Administração da Fundação Dona Maria Emília Vasconcelos

O advogado e vereador em regime de não permanência na Câmara Municipal de Oliveira do Hospital João Ramalhete é o representante nomeado pela autarquia para o Conselho de Administração da Fundação Dona Maria Emília Vasconcelos. Esta foi uma das respostas que a autarquia forneceu, na última quarta-feira, ao eleito António Lopes depois do recente parecer favorável que a Comissão de Acesso a Documentos Administrativos deu à queixa apresentada por aquele eleito contra o presidente da autarquia. As respostas fornecidas nesta missiva estão longe de satisfazer António Lopes, o qual considera que a autarquia aparentemente está a sonegar informação que desmascara “a tão apregoada honestidade e transparência”, prometendo continuar a “pugnar pela transparência”.

Nesta resposta, a Câmara liderada por José Carlos Alexandrino informa ainda que a decisão de nomear João Ramalhete aconteceu a 20 de Março deste ano sob proposta do presidente da autarquia, tendo contado com os votos favoráveis dos vereadores Francisco Rolo, Graça Silva, Nuno Ribeiro e Teresa Dias, bem como do próprio José Carlos Alexandrino. O vereador do PSD, João Brito, optou pela abstenção. A missiva dirigida a António Lopes explica ainda que foram igualmente designados para Vogais do Conselho Fiscal da instituição Huguete Rolo e Rui Monteiro.

Já sobre os funcionários da BLC3, a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital diz não dispor da “lista nominal dos funcionários ao serviço da Câmara oriundos daquela instituição, porque não existem trabalhadores nessas circunstâncias”. No que respeita às perguntas sobre os ajustes directos efectuados pela autarquia e sobre os quais António Lopes quer saber pormenores, a autarquia considera que o pedido não é suficientemente preciso e tal como recomenda a CADA, pede “ao requerente que esclareça os documentos a que pretende aceder”.

O último parecer da CADA, segundo António Lopes, vem apenas explicar “a quem não parece entender” que vivemos num país de direito, onde existem leis que têm de ser cumpridas. “Há quem ache que pode estar acima dessas coisas, mas  não é verdade”, refere o eleito, prometendo recolocar novamente perguntas que não lhe foram respondidas e que apenas receberam parecer negativo da CADA porque as reclamações de António Lopes “entraram fora de prazo e não por não terem fundamento”. “Agora vou solicitar as informações e se não me chegarem, recorro para as instituições que vão fazer com que a autarquia a forneça”, sublinha António Lopes, depois de um parecer da CADA deitou por terra uma das teorias do presidente da Assembleia Municipal em exercício, Rodrigues Gonçalves, que numa Assembleia Municipal garantiu que iria passar a fazer uma triagem das questões levantadas por António Lopes ao executivo camarário para “não obrigar a Câmara a parar só para responder ao senhor”. O último parecer da Comissão de Acesso a Documentos Administrativos retira aparentemente qualquer fundamento a esta intenção de Rodrigues Gonçalves.

António Lopes garante que vai continuar a lutar pela transparência e disse ao CBS que a autarquia com estas respostas está ganhar tempo e a sonegar de informação. “As listas tinham de dizer quem as tinha, sendo que a Câmara já mas entregou uma vez. Eles só não têm o que não querem ter. E a CADA disse claramente que as BLCS e demais participadas integram-se na LADA. Isto é na lei que obriga a entrega de documentos”, sublinha António Lopes, referindo que as perguntas “eram claras e objectivas pelo que esta resposta é só o protelar no tempo e o sonegar de informação que desmascara a tão apregoada honestidade e transparência”. O anterior presidente da Assembleia Municipal diz ainda que não lhe responderam sobre o pedido de entrega do relatório da última auditoria, que pediu, nem explicaram o que aconteceu a um milhão seiscentos e três mil euros que questionou na última assembleia.

“Obviamente que vou denunciar isto novamente à CADA, juntamente com o envio desta desrespeitosa resposta”, frisando que as perguntas sobre os concursos públicos e ajustes directos eram claras. “Perguntei quais as razões ponderosas que levaram a adjudicar serviços a empresas recém-formadas, e porque foram feitos vários concursos para a limpeza dos rios e não um com todas as limpezas incluídas? Porque se recorreu ao ajuste directo em montantes que o permitissem em prejuízo do concurso publico normal, sendo que há recomendações para que o ajuste directo seja evitado ao máximo”,enfatiza, garantindo que se as respostas não chegaram dentro do prazo, a queixa segue para quem de direito.

LEIA TAMBÉM

Marcelo promulga comissão técnica para analisar fogos de Outubro que afectaram Oliveira do Hospital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou hoje o diploma da Assembleia da …

O ódio à escola. Autor: Renato Nunes

7h00. O despertador toca e Mauro enrola-se nos cobertores, assim que consegue silenciar o maldito …

  • Desiludido

    Força Sr. Lopes,este homem merece tudo,pois é do género quem não é por mim é contra mim.Triste de quem assim pensa.Não fique parado pois este presidente precisa de um abre olhos acerca da lei.Também julga ter sempre a lei por ele. Mas não é assim.
    É um triste peniqueiro,sem penico.(deixou-o na terra dele quando a abandonou).

  • bonitoaçoreano

    Tudo ao melhor nível da mediocridade que atravessa o concelho nas mãos de uns quantos apregoados e bem dispostos almoçarados . Deseja-se que reformem e prestem façam um bom relatório , um bom acervo de património, e umas boas contas, do até aqui e a partir daqui .
    Para o povo votante saber .
    Vão ter ordenado? Vão acabar com o vergonhoso canil e passarada e fazer um espaço museológico sério e moderno, ou vão manter um pseudo- funcionário com ordenado a tratar da sua vidinha ?
    A vereadora da cultura, a Prof. Graça Silva , espera-se ,já deve ter previsto, como é devido, o que vai recomendar,e o que propõe .
    Pode o povo saber ? Pelo tempo que vão ter e com a próxima derrota do alextreta, se fosse a eles não aceitava ficar ligado a tão grande incompetência. Mas tudo tem um preço não é senhores designados ?
    Um vereador, advogado , outra advogada e membro da freguesia de Lagares, e pretensa futura candidata, outro ex-dirigente do CDS e do Rotary, convertido ao pior do alexandrismo ,ex-dirigente executivo de um clube desportivo e …..também……………..como teria que ser ……..advogado .
    Só falta…………… o Atum bom petisco .

  • Adjunto de ordens

    A Fundação Cabral Metelo diz-se, também, “A casa Museu Maria Emília Vasconcelos.Mas, acho, tem que passar a chamar-se a “Casa dos Mistérios”..! Não tem horário de funcionamento, não abre, ninguém sabe de parte do património. Alteram-lhe os estatutos por medida e à “papo seco”. Não se encontra publicação oficial dos mesmos. Agora, diz a Câmara que nomeou os seus representantes em Março. Dizem-me que não tomaram posse, que há correio à “ganância” mas que ninguém o recebe e, pelos vistos, nem quem é remunerado para fazer alguma coisa…Se é que ainda o é…remunerado, claro..! Enfim.Quis o testador que fossem os ex-presidentes de Câmara a gerir o património, para lhe dar prestigio e idoneidade. Longe estava de pensar que esses atributos se vão corroendo com o tempo. Na altura serviam-se causas, escolhiam-se pessoas do mais idóneo e os presidentes não eram remunerados.Era a ditadura..! Com a democracia veio muita coisa boa. Até esta de os presidentes serem remunerados. Ora, os estatutos dizem que, oficialmente…não há remuneração para os administradores. Logo ninguém liga. E, infelizmente, também ninguém tem coragem de fazer o que tiver que ser feito para que aquele valiosissímo património cumpra a vontade de quem o ofereceu e sirva os Oliveirenses a história e a cultura. Expulsaram a junta de Oliveira e mais as que tinham direito a pertencer aos corpos sociais e deixaram cair nesta situação.Será que é desta que se vão meter mãos à obra..? Para já mais não digo…não é que não haja para dizer…

    • Não tem selo

      Parece que o carteiro é o mesmo que distribuía a correspondência do Lopes. Tal como no caso do Lopes, não encontram o destinatário.
      Grave problema do CTT cá da terra.

  • ModaMedelin

    Esperar alguma iniciativa , atitude e trabalho sério, pensado e estratégicamente em vista do bem público é chão que deu uvas, por tudo o que existe no conselho . O que interessa é o meu e dos meus afilhados , do meu povo .Esta quantidade de inteligências que cirúrgicamente tem sido colocada em todos os lugares mostram o perfil de quem os coloca e de quem aceita . Quem os coloca nem sequer pede um projecto ou programa , porque também não têm para os lugares que ocupam .E não sabem . Quem aceita , ou é incapaz de o apresentar ou não tem coragem e capacidade para mudar ou trabalhar para o bem público , ou simplesmente tem que pagar um favor . Com o velho ditado ” Não peças a quem pediu, nem sirvas a quem serviu”, que adianta andarem a criticar e a escrever ,por aqui, se os que estão neste lugar aí se enquadram e não têm vergonha da incompetência, oportunismo, hipocrisia e falta de carácter que tem vindo a demonstrar. Todo este povão é o do tachão. São os maiores .

    Quando lerem , vá lá , façam mais um sorriso ou umas palmadinhas nas costas ou um telefonema agradável ou finalmente mais uma foto e noticia gosto no faceeeeebboooooook, ou então mais uma represália bem urdida.
    Se virem que tem sentido, assumam a faceta da dignidade e humildade e demitam-se .