Câmara de Oliveira do Hospital quer autorização para vender terrenos da antiga Acibeira em Lagares à BLC3

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital pretender vender à Associação BLC3, por 150 mil euros, os terrenos da antiga Acibeira em Coimbrã, Freguesia de Lagares da Beira, onde será criado um campus de tecnologia, com destaque para a instalação de um centro de bioindústrias, biorrefinarias e bioprodutos. A venda prende-se com a necessidade da BLC3 apresentar o prédio como garantia para um empréstimo quadro do Banco Europeu de Investimento. Aquela Associação viu recusado como garantia, pela Direcção Geral do Tesouro e Finanças, o direito de superfície do imóvel que detém por 29 anos.

Esta será uma das propostas que executivo liderado por José Carlos Alexandrino vai apresentar na Assembleia Municipal da próxima quinta-feira. “Oliveira do Hospital carece de uma estrutura daquela natureza, com potencial e conhecimento estruturantes para o tecido económico do município, representando assim uma clara mais-valia para a população”, justifica a autarquia, que vai ceder o espaço pelo preço que pagou à Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, pelo direito de superfície, num negócio concretizado em 2013 e pago em dois anos sem juros ou comissões.

A transacção, segundo a proposta do executivo municipal, será efectuada por 150 mil euros que a BLC3 deverá pagar em dez prestações anuais e sucessivas, com um ano de carência e também sem juros. O município manterá o direito de preferência pelo mesmo valor, no caso de a BLC3 pretender vender o imóvel, ficando esta obrigada a informar a autarquia da sua intenção com um mínimo de quatro meses de antecedência. A autarquia tem depois três meses para decidir se pretende ou não exercer o seu direito.

O prédio reverterá para o município no caso de a BLC3 cessar actividade e estejam integralmente cumpridas todas as obrigações daquela associação para com o Estado que se encontrem garantidas pelo imóvel. Esta proposta foi aprovada em reunião de Câmara com a abstenção do vereador do PSD João Brito.

LEIA TAMBÉM

José Carlos Alexandrino acusa Governo de discriminação na ajuda pós-incêndios

O presidente da câmara de Oliveira do Hospital acusou o Governo de estar a discriminar …

Presidente da CM de Oliveira do Hospital indignado por FPF esquecer Coimbra e quer jogo de solidariedade da selecção naquela cidade

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, criticou a Federação Portuguesa …

  • Adjunto de ordens

    Vender é como quem diz..! É para pagar numa molhada de anos com o dinheiro que, antes, a Câmara vai mandar para lá…Só o ano passado foram 224 mil euros…

    • Guerra Junqueiro

      Nem dado é mais barato.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • António Lopes

    Chama-se a isto, gestão :”por erro e tentativa”..! Meteram o pedido de subsídio. Tiveram que mudar o titular porque a Câmara não podia receber.Agora têm que dar(perdão.Vender) o terreno à BLC para esta poder ter o subsídio…! É assim…Gestão por erro e tentativa…O que custa mais são os primeiros três mandatos…!

    • Guerra Junqueiro

      O grande problema é que com cada tentativa vêm uma infinidade de erros, com os respectivos custos. Depois vêm os empréstimos para ir resolvendo que acabam por ter que ser outros a pagar.
      Esta BLC3 “gold” não vai a lado nenhum, vai-nos sim, sair muito caro num futuro próximo.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro

  • Dr. Lacrau

    Chama-se a isto funcionar em circuito fechado. Vende-se os terrenos da Câmara. A BLC3 vai comprá-los. Mas a mesma Câmara vai subsidiar a BLC 3 para esta poder pagar as contas. E ainda vai pagar a comparticipação da BLC3 no projecto de adaptação do velho elefante branco da Acibeira ao seu filhote o elefante branco da BLC3. Não afinal quem paga somos nós estes ilusionismos financeiros dos chicos-espertos,