Câmara e Turismo do Centro desafiam operadores turísticos a aproveitar verbas do próximo Quadro Comunitário

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Dezenas de operadores turísticos de Oliveira do Hospital e da região tomaram, esta manhã, conhecimento das possibilidades de financiamento previstas no próximo quadro comunitário. A ideia é  aproveitar as verbas disponíveis e dar maior vitalidade a “uma atividade que está em crescimento contínuo e consolidado”.

Às portas de um quadro comunitário que “inscreve o Turismo como um dos eixos diferenciadores”, o município de Oliveira do Hospital e o Turismo do Centro de Portugal, informaram, esta manhã, os operadores e potenciais empresários do setor acerca dos novos instrumentos financeiros de apoio, como sendo a “Iniciativa Jessica” e o “Fundo Revitalizar Centro”.

Presente na abertura da sessão – que contou com a participação de Rui Soeiro, Caixa Geral de Depósitos, e Luís Quaresma, Oxy Capita e de José Manuel Esteves, diretor geral da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal – o presidente do Turismo do Centro de Portugal considerou ser este “o período mais fértil para acesso à informação e calendarização dos investimentos”.

Pedro Machado falava assim a a propósito de um quadro comunitário que estás prestes a findar e de um novo quadro que se revela favorável à atividade turística que “está em crescimento contínuo e consolidado”. “Prevê-se que entre 2010 e 2013 possa crescer entre os dois e os três por cento ao ano, o que revela que teremos 1,8 mil milhões de cidadãos em todo o mundo que, em 2030, procurarão o turismo”, referiu satisfeito Pedro Machado, notando que atualmente a atividade representa “mais de nove por cento do Produto Interno Bruto” e “trará desenvolvimento às nossas comunidades”. Um caminho só possível pela “aposta forte na comercialização” e pelo incremento da iniciativa privada que, ainda que apoiada, “deve ser ela própria a dinamizar a sua atividade” por via da “criação de valor”. No que à realidade oliveirense diz respeito, Pedro Machado tem a identificar os “custos de contexto” que, no imediato, associa à falta de acessibilidades. Ainda assim o responsável mostra-se otimista quanto ao próximo quadro comunitário que “será uma oportunidade” para o setor do turismo.

 “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”

“É uma vergonha que tenhamos estas acessibilidades ”, criticou de igual modo o presidente da Câmara Municipal que não querendo deixar de associar Oliveira do Hospital à marca Serra da Estrela, critica o estado dos acessos na parte Norte da Serra. Uma situação que, na opinião de José Carlos Alexandrino, não se compadece com a dinâmica empresarial do concelho e de uma “força de exportação à volta de 300 milhões de Euros por ano”. “Também dificulta na área do turismo”, alertou o autarca que, enquanto vice presidente da CIM da Região de Coimbra partilhou aquela que é a preocupação dos municípios nas áreas do turismo e floresta. Avisou por isso das verbas que o próximo quadro comunitário reserva para aquelas áreas, pelo que “todos devem estar atentos” no sentido de as aproveitar.

Um trabalho que o autarca espera facilitar com a criação de uma equipa no seio do município destinada a apoiar na “área da obra física” e de “criação de planos de negócios”. “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”, afirmou, ao mesmo tempo que defendeu uma aposta turística “em rede”. “Não acredito que um concelho sozinho desenvolva o turismo”, afirmou, considerando acertada a ideia da Rede das Aldeias do Xisto. Por cá, José Carlos Alexandrino assegura estarem reunidas as condições para avançar com a requalificação da Zona Histórica “neste mandato”.

No arranque da sessão, o presidente da União de Freguesias de Oliveira do Hospital e S. Paio de Gramaços partilhou o sucesso da iniciativa lançada há quatro anos, “Há Festa na Zona Histórica”, organizada com recurso a fundos comunitários, pensada para “alertar, sinalizar e incentivar à sua regeneração”. “Não é mais uma festa”, assegura Nuno Oliveira , considerando tratar-se de um evento que faz passar “15 mil pessoas” pela zona histórica oliveirense, onde espera um dia poder pôr em prática um conceito que não é novo, mas que se tem revestido de grande sucesso em Itália, que dá por nome de “albergue difuso”.

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …

  • P.inoquio.S

    Com esta plateia de investidores,finalmente vamos ter mesmo as melhores unidades hoteleiras do País, como dizia o Alex, há dias nas “Beiras”…As melhores unidades hoteleiras, a maior feira do queijo.. é tudo à grande.O homem anda tão deslumbrado que nem se encherga com as asneiras que diz.

  • Não me digam

    Já estou a ver o Fertaper a candidatar-se a mais uns fundozitos perdidos e a deixar tudo uma cagada.

  • Mendes

    Não foi por acaso que esta sessão não foi presenciada pelos maiores chupistas de fundos comunitários da nossa região, esses têm a lição bem estudada e só assistem a colóquios que possam engalanar as suas nobres casas á custa do erário público. Vi realmente na assistência os verdadeiros investidores turisticos da região que procuram junto da banca soluções viáveis para um desenvolvimento sustentável do turismo na nossa região.

  • oliveirense atento

    O Sr. Mendes, também pode concorrer a fundos comunitários, não quisesse o senhor ser um prestigiado empresário no concelho. Mas isto requer trabalho, o que não me parece que esteja muito interessado…
    Mas também lhe lembro uma coisa, aqueles que apelida de “maiores chupistas”, são pessoas que empregam imensas pessoas dentro e fora do nosso concelho e, que infelizmente, as pessoas só dão valor quando tudo acaba!

    • Mendes

      Meu caro Sr. Atento, a vergonha não lhe fica bem e só demonstra que provavelmente será um desses ” Chupa Chups “, e já agora talvez não fosse pior aproveitar os fundos comunitários para ter umas aulinhas de comppreensão e entendimento da lingua portuguesa.
      Quanto ao trabalho eu costumo dizer que trabalho mais num ano e meio do que a média dos Portugueses em cinco, e neste momento estou provavelmente muito proximo de voltar a trabalhar mais dezoito meses.

      • oliveirense atento

        não me confunda com eles, apenas vim “defender” quem muito emprega neste concelho e, aproveita fundos comunitários para criar riqueza no concelho, criar valor, dar emprego e gerar novos negócios! Até porque está a esquecer-se que esses “tubarões” do concelho e arredores, empregam provavelmente mais de 1/3 da população do concelho, na industria, hotelaria, …
        quanto ao seu trabalho, ainda bem que vai voltar a trabalhar, não desejo o mal de ninguém, quantos mais trabalharem, mais contribuem para o desenvolvimento do país.

        • Mendes

          Quem emprega no sector do turismo na região estava presente, e certamente estava lá pois os fundos comunitários para as mesmas acções/projectos não são infindáveis, ou seja estavam lá para poderem conhecer novas formas de financiamento para poder desenvolver os seus projectos. Eu abomino é aqueles supostos empresários que não criam valor, nem emprego e que andam a aproveitar os fundos comunitários para ajeitar as suas casinhas. Afinal parece que estamos do mesmo lado e o Sr. interpretou mal as minhas palavras.

        • Não me digam

          Atento e parvo;
          Vamos então arranjar esses fundos perdidos e dá-los aos tais “tubarões” para que possam dar emprego num futuro próximo a 2/3 da população do concelho.
          O dinheiro que esta gente já mamou sem gerar nada, dado aos tais 2/3 da população já tinha criado bem mais e melhores resultados.
          Em vez de o darem aos “tubarões” dêem-no aos “cações”, pois sendo o mesmo animal, o que diferencia a definição, é que os primeiros comem gente, e os segundos são comidos por gente.

  • Mendes

    Já agora mais uma referência também andam a engalanar os palheiros.

  • António Rodrigues

    Ah ah ah ah… Olha que equipE está na fotografia! Demagogos e taxistas. blá, blá, blá.

    Se em vez de esbanjarem tivessem executado os projectos do anterior executivo!! Pois é mas agora acabou-se a guita que o povo lhes tem disponibilizado. Quem vier a seguir q se f…