Câmara e Turismo do Centro desafiam operadores turísticos a aproveitar verbas do próximo Quadro Comunitário

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Dezenas de operadores turísticos de Oliveira do Hospital e da região tomaram, esta manhã, conhecimento das possibilidades de financiamento previstas no próximo quadro comunitário. A ideia é  aproveitar as verbas disponíveis e dar maior vitalidade a “uma atividade que está em crescimento contínuo e consolidado”.

Às portas de um quadro comunitário que “inscreve o Turismo como um dos eixos diferenciadores”, o município de Oliveira do Hospital e o Turismo do Centro de Portugal, informaram, esta manhã, os operadores e potenciais empresários do setor acerca dos novos instrumentos financeiros de apoio, como sendo a “Iniciativa Jessica” e o “Fundo Revitalizar Centro”.

Presente na abertura da sessão – que contou com a participação de Rui Soeiro, Caixa Geral de Depósitos, e Luís Quaresma, Oxy Capita e de José Manuel Esteves, diretor geral da AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal – o presidente do Turismo do Centro de Portugal considerou ser este “o período mais fértil para acesso à informação e calendarização dos investimentos”.

Pedro Machado falava assim a a propósito de um quadro comunitário que estás prestes a findar e de um novo quadro que se revela favorável à atividade turística que “está em crescimento contínuo e consolidado”. “Prevê-se que entre 2010 e 2013 possa crescer entre os dois e os três por cento ao ano, o que revela que teremos 1,8 mil milhões de cidadãos em todo o mundo que, em 2030, procurarão o turismo”, referiu satisfeito Pedro Machado, notando que atualmente a atividade representa “mais de nove por cento do Produto Interno Bruto” e “trará desenvolvimento às nossas comunidades”. Um caminho só possível pela “aposta forte na comercialização” e pelo incremento da iniciativa privada que, ainda que apoiada, “deve ser ela própria a dinamizar a sua atividade” por via da “criação de valor”. No que à realidade oliveirense diz respeito, Pedro Machado tem a identificar os “custos de contexto” que, no imediato, associa à falta de acessibilidades. Ainda assim o responsável mostra-se otimista quanto ao próximo quadro comunitário que “será uma oportunidade” para o setor do turismo.

 “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”

“É uma vergonha que tenhamos estas acessibilidades ”, criticou de igual modo o presidente da Câmara Municipal que não querendo deixar de associar Oliveira do Hospital à marca Serra da Estrela, critica o estado dos acessos na parte Norte da Serra. Uma situação que, na opinião de José Carlos Alexandrino, não se compadece com a dinâmica empresarial do concelho e de uma “força de exportação à volta de 300 milhões de Euros por ano”. “Também dificulta na área do turismo”, alertou o autarca que, enquanto vice presidente da CIM da Região de Coimbra partilhou aquela que é a preocupação dos municípios nas áreas do turismo e floresta. Avisou por isso das verbas que o próximo quadro comunitário reserva para aquelas áreas, pelo que “todos devem estar atentos” no sentido de as aproveitar.

Um trabalho que o autarca espera facilitar com a criação de uma equipa no seio do município destinada a apoiar na “área da obra física” e de “criação de planos de negócios”. “A Câmara não quer substituir os empresários, quer apoiar a iniciativa privada”, afirmou, ao mesmo tempo que defendeu uma aposta turística “em rede”. “Não acredito que um concelho sozinho desenvolva o turismo”, afirmou, considerando acertada a ideia da Rede das Aldeias do Xisto. Por cá, José Carlos Alexandrino assegura estarem reunidas as condições para avançar com a requalificação da Zona Histórica “neste mandato”.

No arranque da sessão, o presidente da União de Freguesias de Oliveira do Hospital e S. Paio de Gramaços partilhou o sucesso da iniciativa lançada há quatro anos, “Há Festa na Zona Histórica”, organizada com recurso a fundos comunitários, pensada para “alertar, sinalizar e incentivar à sua regeneração”. “Não é mais uma festa”, assegura Nuno Oliveira , considerando tratar-se de um evento que faz passar “15 mil pessoas” pela zona histórica oliveirense, onde espera um dia poder pôr em prática um conceito que não é novo, mas que se tem revestido de grande sucesso em Itália, que dá por nome de “albergue difuso”.

LEIA TAMBÉM

Gouveia recebe Campeonato Mundial Trial de motos

O Parque da Senhora dos Verdes, em Gouveia, vai receber, entre os dias 23 e …

Traficantes de droga detidos na Guarda

O Núcleo de Investigação Criminal da GNR Guarda deteve na terça-feira três homens, de 20, …

  • P.inoquio.S

    Com esta plateia de investidores,finalmente vamos ter mesmo as melhores unidades hoteleiras do País, como dizia o Alex, há dias nas “Beiras”…As melhores unidades hoteleiras, a maior feira do queijo.. é tudo à grande.O homem anda tão deslumbrado que nem se encherga com as asneiras que diz.

  • Não me digam

    Já estou a ver o Fertaper a candidatar-se a mais uns fundozitos perdidos e a deixar tudo uma cagada.

  • Mendes

    Não foi por acaso que esta sessão não foi presenciada pelos maiores chupistas de fundos comunitários da nossa região, esses têm a lição bem estudada e só assistem a colóquios que possam engalanar as suas nobres casas á custa do erário público. Vi realmente na assistência os verdadeiros investidores turisticos da região que procuram junto da banca soluções viáveis para um desenvolvimento sustentável do turismo na nossa região.

  • oliveirense atento

    O Sr. Mendes, também pode concorrer a fundos comunitários, não quisesse o senhor ser um prestigiado empresário no concelho. Mas isto requer trabalho, o que não me parece que esteja muito interessado…
    Mas também lhe lembro uma coisa, aqueles que apelida de “maiores chupistas”, são pessoas que empregam imensas pessoas dentro e fora do nosso concelho e, que infelizmente, as pessoas só dão valor quando tudo acaba!

    • Mendes

      Meu caro Sr. Atento, a vergonha não lhe fica bem e só demonstra que provavelmente será um desses ” Chupa Chups “, e já agora talvez não fosse pior aproveitar os fundos comunitários para ter umas aulinhas de comppreensão e entendimento da lingua portuguesa.
      Quanto ao trabalho eu costumo dizer que trabalho mais num ano e meio do que a média dos Portugueses em cinco, e neste momento estou provavelmente muito proximo de voltar a trabalhar mais dezoito meses.

      • oliveirense atento

        não me confunda com eles, apenas vim “defender” quem muito emprega neste concelho e, aproveita fundos comunitários para criar riqueza no concelho, criar valor, dar emprego e gerar novos negócios! Até porque está a esquecer-se que esses “tubarões” do concelho e arredores, empregam provavelmente mais de 1/3 da população do concelho, na industria, hotelaria, …
        quanto ao seu trabalho, ainda bem que vai voltar a trabalhar, não desejo o mal de ninguém, quantos mais trabalharem, mais contribuem para o desenvolvimento do país.

        • Mendes

          Quem emprega no sector do turismo na região estava presente, e certamente estava lá pois os fundos comunitários para as mesmas acções/projectos não são infindáveis, ou seja estavam lá para poderem conhecer novas formas de financiamento para poder desenvolver os seus projectos. Eu abomino é aqueles supostos empresários que não criam valor, nem emprego e que andam a aproveitar os fundos comunitários para ajeitar as suas casinhas. Afinal parece que estamos do mesmo lado e o Sr. interpretou mal as minhas palavras.

        • Não me digam

          Atento e parvo;
          Vamos então arranjar esses fundos perdidos e dá-los aos tais “tubarões” para que possam dar emprego num futuro próximo a 2/3 da população do concelho.
          O dinheiro que esta gente já mamou sem gerar nada, dado aos tais 2/3 da população já tinha criado bem mais e melhores resultados.
          Em vez de o darem aos “tubarões” dêem-no aos “cações”, pois sendo o mesmo animal, o que diferencia a definição, é que os primeiros comem gente, e os segundos são comidos por gente.

  • Mendes

    Já agora mais uma referência também andam a engalanar os palheiros.

  • António Rodrigues

    Ah ah ah ah… Olha que equipE está na fotografia! Demagogos e taxistas. blá, blá, blá.

    Se em vez de esbanjarem tivessem executado os projectos do anterior executivo!! Pois é mas agora acabou-se a guita que o povo lhes tem disponibilizado. Quem vier a seguir q se f…