Câmara encurta prazos de pagamento para auxiliar retoma económica

 

… com o objetivo de ajudar as empresas e travar flagelo do desemprego.

Oliveira do Hospital não escapa ao drama do desemprego que afeta os portugueses.

Em fevereiro, o centro de emprego de Arganil dava conta de mais de mil oliveirenses inscritos. Uma realidade que ontem, na deslocação à feira mensal, foi facilmente constatável, na abordagem que vários oliveirenses efetuaram ao presidente da Câmara Municipal num evidente pedido de ajuda.

“Quarta-feira vá à Câmara falar comigo”, ia dizendo José Carlos Alexandrino que, naquele momento, se chegou a afigurar como a solução para o problema dos desempregados concelhios.

A participar na ação de sensibilização de proteção da floresta contra incêndios florestais que consistiu na contacto pessoal, o autarca oliveirense acabou por se cruzar com aquele, que neste momento, é o problema maior da população.

“Um dos grandes flagelos aqui falado foi o de pessoas que estão desempregadas”, referiu o presidente da Câmara aos jornalistas, revelando que o grande combate do município é o de travar o drama do desemprego. “Hoje o país está parado em termos económicos”, observou José Carlos Alexandrino que, decidido em minimizar os efeitos negativos dessa realidade entre os oliveirenses, disse ter em curso “um conjunto de iniciativas no sentido de ajudar à retoma económica”.

Para além da já anunciada contratualização de pequenas empreitadas com empresas locais, o presidente da Câmara disse ter em curso uma reestruturação interna nos serviços da contabilidade municipal, com o objetivo de encurtar os prazos de pagamento de faturas.

Fixar os prazos de pagamento nos 15 dias é um dos objetivos do autarca, estimando que, em caso de indisponibilidade, aquele prazo não chegue a ultrapassar os 30 dias.

A exceção assenta porém no domínio das grandes empreitadas sujeitas a concurso público, e em que o prazo médio de pagamento se situa nos 60 dias. “Também aqui estamos a honrar o compromisso”, assegurou o presidente que também pretende diminuir o prazo daqueles pagamentos para um período entre 30 a 45 dias.

Entre as medidas de estímulo à retoma económica, Alexandrino destaca ainda aquela que já foi anunciada na última reunião do executivo municipal e que consiste na aquisição de manuais escolares para alunos carenciados do 1º CEB junto das várias livrarias e papelarias do concelho.

“Poderíamos comprar os livros junto das editoras e beneficiar do desconto de 20 por cento, mas decidimos comprar no concelho para ajudar as livrarias e papelarias locais”, referiu, notando que com a medida o município ajuda as famílias carenciadas e potencia o negócio junto do comércio local.

LEIA TAMBÉM

AVMISP avisa, após reunião Marcelo Rebelo de Sousa, que falta de apoios pode levar empresas afectadas pelos incêndios a encerrar

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) lamentou hoje, na …

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …